Menu
2019-08-06T17:15:42-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Nas alturas

Após nova rodada de captação, Nubank agora vale quase R$ 40 bilhões

Dona do cobiçado cartão roxo, Nubank já é a sexta maior instituição financeira do país em número de clientes e maior banco digital do mundo

26 de julho de 2019
16:41 - atualizado às 17:15
Cartão da fintech Nubank
Imagem: Divulgação

Agora é oficial. O Nubank confirmou que captou US$ 400 milhões (R$ 1,5 bilhão) em uma nova rodada de investimentos. A empresa dona do cobiçado cartão roxo não confirma, mas foi avaliada em cerca de US$ 10 bilhões (aproximadamente R$ 38 bilhões) no aporte de capital, segundo informações de mercado. O negócio consolida a fintech brasileira como o maior banco digital do mundo.

Os investimentos foram liderados pelo fundo americano TCV. Trata-se do primeiro negócio relevante na América Latina realizado pelo fundo, que já colocou dinheiro em empresas como a plataforma de hospedagem Airbnb e nas redes sociais Facebook e LinkedIn.

Os fundos que já haviam investido em rodadas anteriores do Nubank, como Tencent, DST Global, Sequoia Capital, Dragoneer, Ribbit Capital e Thrive Capital, também entraram com dinheiro na nova rodada.

A captação acontece pouco mais de uma semana depois de o banco digital alemão N26, espécie de versão europeia do Nubank, anunciar uma captação de US$ 170 milhões e confirmar os planos de desembarcar no Brasil.

Com o novo aporte, a fintech brasileira acumula US$ 820 milhões captados em sete rodadas de investimento. Criada em 2013, a empresa informa que já é a sexta maior instituição financeira do Brasil em número de clientes, com mais de 12 milhões de usuários de seus cartões.

A empresa começou com uma emissora de cartão de crédito sem anuidade, vinculada a um aplicativo pelo celular, mas vem expandindo os produtos. Primeiro, com a criação de conta que permite pagamentos, depósitos e que proporciona um rendimento de 100% do CDI sobre o saldo. E, mais recentemente, com a concessão de empréstimos pessoais e conta para micro e pequenas empresas. Neste ano, também deu início à expansão internacional, com escritórios no México e na Argentina.

O único teste no qual o Nubank ainda não passou é o do lucro. Desde a criação, a empresa do cartão roxo sempre operou no vermelho. No primeiro trimestre, por exemplo, registrou prejuízo de R$ 50,6 milhões.

Os céticos em relação ao modelo do banco digital – e das fintechs em geral – questionam justamente a capacidade de transformar um bom produto para os clientes em um negócio rentável para seus acionistas. E você, o que acha? Deixe seu comentário logo abaixo ou lá no meu Twitter.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Balanço do mês

Bitcoin e dólar são os melhores investimentos de outubro; ativos de risco ficaram para trás de novo

Por pouco o Ibovespa não ficou entre os melhores investimentos do mês, mas segunda onda de coronavírus na Europa derrubou as bolsas; risco fiscal, eleições americanas e indefinição quanto a estímulos fiscais nos EUA também pesaram

seu dinheiro na sua noite

O saci à solta nos mercados

Não sei dizer exatamente quando nem quem tomou a iniciativa de importar dos países anglófonos a celebração do Halloween, o Dia das Bruxas. O fato é que desde que as crianças brasileiras começaram a sair fantasiadas pedindo doces no último dia de outubro houve uma série de tentativas de “tropicalizar” o evento. Embora não seja […]

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies