Menu
2019-08-15T12:08:40-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Goldman Sachs vê Brasil como um emergente defensivo

Apesar da turbulência que atinge os emergentes neste 2019, GS avalia que há espaço para Brasil manter desempenho positivo em relação aos pares. Banco mantém Ibovespa em 106 mil pontos no fim do ano

15 de agosto de 2019
10:19 - atualizado às 12:08
Bandeira do Brasil com moedas na frente
Imagem: Positiffy/Shutterstock

Depois de avaliar o desempenho dos ativos brasileiros nas últimas semanas, que foram particularmente ruins para os mercados emergentes, o Goldman Sachs avalia que o Brasil está se tornando um mercado mais “defensivo”.

Para o GS, essa dinâmica do Brasil, que tem resistido bem a um quadro de menor crescimento global e problemas na Argentina, aliado a uma fraca base de partida (baixo crescimento ou mesmo recessão no semestre) sugere que os ativos brasileiros devem ter performance melhor que a dos pares ao longo do segundo semestre.

“Estamos mais otimistas com o mercado de ações, seguido pelo câmbio e juros locais e um pouco menos positivos com relação ao crédito soberano”, diz o relatório.

 

Perguntas e respostas do GS

  • O Brasil é uma história suficientemente idiossincrática para se descolar do quadro de risco global?
  • Não, mas o mercado se tornou uma história de defesa relativa.

 

  • Quando o fluxo externo finalmente vai ingressar no Brasil?
  • Fluxos estão correlacionados com o quadro mais amplo de movimento de recursos para emergentes que, por sua vez, são direcionados pela melhora no crescimento global.

 

  •  Ainda há valor nos ativos brasileiros?
  • A moeda não parece cara, mas as ações e o mercado de juros já estão embutindo reformas e juros básicos (Selic) menores. Crescimento será o maior “driver” a partir de agora.

 

  • O Ibovespa pode subir mais?
  • Mantemos nosso alvo de 106 mil pontos para o fim do ano, mas vemos potencial de 114 mil pontos em 12 meses.

 

  • A reforma da Previdência será um catalisador?
  • Acreditamos que uma melhora fiscal de cerca de 3% (relativa à média dos emergentes) já está no preço. Com a reforma tributária sendo o passo seguinte, enxergamos melhor relação risco/retorno em ações que no mercado de crédito.
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

desafio dos 21 dias

Lição #14: De olho na sua reserva de emergência

Na lição #14 do Desafio dos 21 dias do Felipe, ele chamou a atenção dos investidores para a reserva de emergência, aquele dinheirinho destinado para o seu ‘colchão’ de liquidez… Na sua visão, antes mesmo de começar a aplicar dinheiro, é preciso pensar bem onde alocar a sua reserva. E, depois do que aconteceu em […]

Produto Interno Bruto

PIB pode cair em torno de 4% em 2020, diz Guedes

Ministro afirma que o o Brasil gastou 10% do Produto Interno Bruto na ‘operação de resgate na pandemia’; projeções de mercado estão em recuo de 5,5% a 5,0%

DEVAGAR COM O ANDOR

‘Há grande trabalho a fazer antes de decisão sobre moedas digitais’, diz presidente do Fed

Powell diz que é preciso ter certeza que divisas digitais podem melhorar a efetividade e segurança do sistema de pagamentos

Facilitação do comércio

Bolsonaro cita pacote de acordos comerciais e anticorrupção com os EUA

Presidente afirma que o Brasil vai continuar sua ‘ambiciosa agenda de reformas’, após a aprovação da reforma da previdência

DE SAÍDA?

C&A sobe mais de 8% após notícia sobre controlador querendo vender sua fatia na empresa

Família controladora já se desfez de participações no México e na China para se concentrar na Europa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements