Menu
2019-08-15T12:08:40-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Goldman Sachs vê Brasil como um emergente defensivo

Apesar da turbulência que atinge os emergentes neste 2019, GS avalia que há espaço para Brasil manter desempenho positivo em relação aos pares. Banco mantém Ibovespa em 106 mil pontos no fim do ano

15 de agosto de 2019
10:19 - atualizado às 12:08
Bandeira do Brasil com moedas na frente
Imagem: Positiffy/Shutterstock

Depois de avaliar o desempenho dos ativos brasileiros nas últimas semanas, que foram particularmente ruins para os mercados emergentes, o Goldman Sachs avalia que o Brasil está se tornando um mercado mais “defensivo”.

Para o GS, essa dinâmica do Brasil, que tem resistido bem a um quadro de menor crescimento global e problemas na Argentina, aliado a uma fraca base de partida (baixo crescimento ou mesmo recessão no semestre) sugere que os ativos brasileiros devem ter performance melhor que a dos pares ao longo do segundo semestre.

“Estamos mais otimistas com o mercado de ações, seguido pelo câmbio e juros locais e um pouco menos positivos com relação ao crédito soberano”, diz o relatório.

 

Perguntas e respostas do GS

  • O Brasil é uma história suficientemente idiossincrática para se descolar do quadro de risco global?
  • Não, mas o mercado se tornou uma história de defesa relativa.

 

  • Quando o fluxo externo finalmente vai ingressar no Brasil?
  • Fluxos estão correlacionados com o quadro mais amplo de movimento de recursos para emergentes que, por sua vez, são direcionados pela melhora no crescimento global.

 

  •  Ainda há valor nos ativos brasileiros?
  • A moeda não parece cara, mas as ações e o mercado de juros já estão embutindo reformas e juros básicos (Selic) menores. Crescimento será o maior “driver” a partir de agora.

 

  • O Ibovespa pode subir mais?
  • Mantemos nosso alvo de 106 mil pontos para o fim do ano, mas vemos potencial de 114 mil pontos em 12 meses.

 

  • A reforma da Previdência será um catalisador?
  • Acreditamos que uma melhora fiscal de cerca de 3% (relativa à média dos emergentes) já está no preço. Com a reforma tributária sendo o passo seguinte, enxergamos melhor relação risco/retorno em ações que no mercado de crédito.
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Bridge the Cash

O que o Fiat 147 ensina sobre a pandemia

Reaquecimento da economia se assemelha à partida de um carro a álcool: como e quando injetar a gasolina é a questão-chave.

crise no setor

Latam diz que demanda caiu 95,2% em junho, na comparação anual

No Brasil, a demanda caiu 89,5% e a oferta diminuiu em 87,6% em junho no comparativo anual

Podcast Touros e Ursos

AO VIVO: Seu Dinheiro discute os movimentos da bolsa, a economia real e muito mais a partir das 12h

O que o mercado vê de tão positivo na economia, a ponto de levar o Ibovespa de volta aos 100 mil pontos? O podcast Touros e Ursos debate o racional por trás da recuperação da bolsa

abaixo de 50 pontos

Confiança dos empresários da indústria melhora pelo 3º mês seguido em julho

Após tombo histórico, indicador patinou para 34,7 pontos em maio, subiu para 41,2 pontos em junho e chegou agora aos 47,6 pontos

Exile on Wall Street

O grande teste de 2020

Exercícios de futurologia revelam muito pouco sobre o potencial de sucesso que você terá nos seus investimentos. Podem te render, no máximo, trocados em um bolão entre amigos ou assunto para mesa de bar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements