Menu
2019-01-08T10:53:03-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Bolsa e dólar hoje

Ibovespa fecha em baixa de 0,15%, influenciado por Eletrobras

 As ações da Petrobras puxaram o índice para cima, enquanto as da elétrica fizeram a força contrária

7 de janeiro de 2019
10:26 - atualizado às 10:53
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
O dólar fechou o dia em alta de 0,43%, cotado a 3,73 - Imagem: Seu Dinheiro

Na Bolsa de Valores de São Paulo, hoje, houve uma queda de braço entre ações. As da Petrobras puxavam o Ibovespa para cima, enquanto as das Eletrobras faziam a força contrária. A alta do petróleo impulsionou a Petrobras, enquanto a desvalorização que mais pesou foi a da Eletrobras, em torno de 4%. O Ibovespa até tentou renovar o recorde histórico de fechamento pelo quarto dia consecutivo - alcançando mais cedo máxima intraday acima dos 92 mil pontos -, mas teve um pregão instável e sucumbiu a uma realização de lucros, depois de ter avançado 4,50% na primeira semana de 2019. O dólar fechou o dia em alta de 0,43%, cotado a 3,73.

Força para cima

As ações da petroleira estiveram em alta durante o dia todo, mas deram uma bombada e passam de 5% (ON e 3,52% para o PN) depois das 16h. Os papéis reagiram à notícia de que a estatal deverá receber US$ 14 bilhões no acordo com a União na revisão da cessão onerosa, de acordo com informações do Valor PRO. A informação ainda não foi confirmada pela Petrobras.

Segundo apurou o Broadcast, os valores que circulam no mercado a respeito do pagamento de valores bilionários à companhia levam em consideração conversas realizadas no ano passado, pelo governo e direção anteriores.

Conforme a fonte, a história muda. Em alguns cenários, a Petrobras recebe recursos: US$ 4 bilhões, US$ 10 bilhões ou US$ 14 bilhões. Em um deles, a companhia paga dinheiro à União. Em outro, a negociação fica no zero a zero para os dois lados. "Haverá negociação", disse uma fonte ao Broadcast. "São meras projeções", disse outra fonte consultada pela reportagem.

O petróleo também fechou em alta, mas em patamares piores do que os verificados no início da tarde, quando a commodity apresentava valorização superior a 2%. Na Nymex, em Nova York, o barril do WTI para fevereiro subiu 1,17%, a US$ 48,52. Na ICE, em Londres, o tipo Brent para março avançou 0,47%, a US$ 57,33 o barril.

Força para baixo

As principais forças negativas do pregão vieram da Eletrobras. A ON  caiu 5,01% e a PNB, 4,30%. Segundo profissionais do mercado, após a euforia dos investidores com os primeiros dias de governo Bolsonaro, os papéis da estatal de energia passaram por uma realização de lucros. Mesmo após os desempenhos de hoje, a ação ON ainda acumula valorização próxima de 20% neste início de ano, enquanto a PNB sobe pouco mais de 15%.

Natura

Outro destaque negativo do dia ficou com Natura ON (-3,42%). Entre o final de 2018 e os primeiro pregões de 2019, a ação registrou sete altas consecutivas, acumulando ganhos de 10%. Hoje, a ação passou por uma realização de lucros. Segundo profissionais do mercado, o que facilitou esse movimento é a ação estar negociando ex-juros sobre capital próprio a partir de hoje.

Embraer

A Embraer chegou a cair quase 4% na mínima do dia, refletindo declarações do presidente Jair Bolsonaro durante o fim de semana, demonstrando preocupação em relação à fusão com a Boeing. O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, afirmou que o governo não considera interromper o acordo, mas está "estudando" os termos acertados no final do ano passado. Aí, o papel inverteu o sinal e fechou em alta de 2,07%.

No final da semana passada, Bolsonaro disse estar preocupado com a possibilidade de a nova empresa a ser formada pelas duas fabricantes deixar de ter participação brasileira no futuro. Para ser fechado, o negócio precisa de aval do governo. Essa declaração levou a ação para a mínima de R$ 20,55, mas a posição demonstrada pelo general Heleno fez com que Embraer fechasse cotada a R$ 21,23.

No acordo firmado entre as duas companhias, a Embraer pode se desfazer totalmente dos 20% que deterá da chamada NewCo, a nova companhia que produzirá a atual linha de jatos regionais da Embraer e desenvolverá novos modelos. "Hoje mesmo foi colocada a necessidade de se estudar se essa é a fórmula ideal ou se nós podemos pleitear outro tipo de solução", afirmou o ministro sobre esse ponto específico do contrato.

Pacotinho de viagem

Depois de divulgar sua prévia operacional do quarto trimestre, CVC ON fechou em alta de 1,25%. O BTG Pactual elegeu o papel como "top picks" para 2019 e destacou que os resultados da empresa devem melhorar pela frente em razão de um cenário macroeconômico mais favorável. Em relatório, os analistas Fabio Monteiro e Luiz Guanais destacaram os números operacionais.

A CVC reportou que as reservas confirmadas totalizaram R$ 3,540 bilhões entre outubro e dezembro, alta de 17,4% ante igual intervalo de 2017. O resultado foi 2,5% superior ao esperado pelos analistas do BTG. "Depois de a CVC reportar, no segundo trimestre, um forte impacto por conta de greve de caminhoneiros, Copa do Mundo e volatilidade cambial, os resultados operacionais do segundo semestre mostraram uma melhor tendência", escreveram os analistas do BTG.

Suzano

A queda nos preços da celulose na China pela terceira semana seguida voltam a penalizar as ações ON da Suzano, com retração de 4,23%. Além disso, acrescenta Luis Gustavo, da Guide Investimentos, a queda do dólar, contribui para o mau desempenho do papel.

Vale

A volta das negociações comerciais entre os EUA e a China hoje animou as empresas ligadas a commodities, sobretudo Vale e siderúrgicas. Vale ON teve alta durante o dia. Mais próximo do encerramento da sessão, entretanto, Vale ON e Banco do Brasil ON voltaram ao terreno negativo para encerrar em queda, respectivamente de 0,54% e 0,66%

Quebrou a corrente

O dólar interrompeu uma sequência de cinco quedas consecutivas e encerrou o primeiro pregão da semana em alta de 0,45%, a R$ 3,7348, indo na contramão de outras moedas de países emergentes. Pela manhã, a moeda americana chegou a ser negociada abaixo dos R$ 3,70, seguindo a fraqueza da divisa no exterior. Mas à tarde reverteu a tendência de baixa, com os investidores fazendo um esperado movimento de ajuste após a queda acumulada de 4,06% somente na primeira semana de 2019. Operadores destacam também que houve um fluxo de saída na parte da tarde, o que ajudou a pressionar o câmbio.

Informações desencontradas sobre pontos importantes do novo governo, como a reforma da Previdência, têm feito o investidor aumentar o tom de cautela. Uma mostra disso é que os estrangeiros reforçaram a posição comprada em dólar (que ganha com a alta da moeda) nos últimos dias. A posição aumentou US$ 1,7 bilhão somente nas três primeiras sessões do ano, segundo dados da B3, que vão até o pregão de sexta-feira (4), considerando o dólar futuro e cupom cambial.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Mais uma opção

Empresa protocola na Anvisa pedido para uso emergencial da Sputnik V

Neste domingo, Anvisa se reunirá para tratar de pedidos para uso de vacinas CoronaVac e a da AstraZeneca/Oxford

Seguro obrigatório

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela Caixa

Banco agora é o responsável pela gestão dos recursos do seguro e pelo pagamento das indenizações. A medida começa a valer a partir desta segunda-feira

Sinal verde

Bolsonaro não deve mais barrar a Huawei no leilão do 5G no Brasil

Segundo fontes do Palácio do Planalto e do setor de telecomunicações, o banimento da empresa chinesa provocaria um custo bilionário com a troca dos equipamentos

Impasse

Guedes monta operação ‘apara arestas’ para manter Brandão à frente do Banco do Brasil

Por enquanto, o presidente do BB está no “limbo” na avaliação de funcionários do próprio banco, sem uma manifestação pública do presidente e de Guedes

IPO

Espaçolaser pode arrecadar até R$ 3 bilhões em estreia na B3

Maior rede de clínicas de depilação do País lançou ontem sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies