Menu
2019-07-29T06:36:56-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
bula do mercado

Cautela prevalece em início de semana de agenda cheia

Expectativa com taxas de juro e guerra comercial mantêm investidores em alerta

29 de julho de 2019
6:36
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros globais iniciam a segunda-feira sob o impacto das tensões de uma semana de agenda política e econômica cheia no Brasil e no mundo. As bolsas de valores asiáticas fecharam em queda generalizada hoje diante da cautela que costuma preceder a reunião de política monetária do Fed, o banco central dos Estados Unidos.

Analistas acreditam que a autoridade monetária norte-americana desatará na quarta-feira seu primeiro ciclo de alívio monetário em uma década com o objetivo de fazer frente a potenciais efeitos da desaceleração econômica global em um momento no qual indicadores preliminares sugerem um ritmo mais lento no crescimento da economia dos EUA.

Um dos fatores por trás dessa desaceleração é a política de guerra comercial contra o resto do mundo encampada pelo presidente norte-americano, Donald Trump. O assunto volta a mexer com o ânimo dos investidores às vésperas da chegada de uma delegação norte-americana à China para a primeira rodada de negociações entre Washington e Pequim desde maio.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A impressão de que a negociação não resultará em nenhuma espécie de avanço concreto foi outro fator decisivo para o fechamento em queda das bolsas de valores asiáticas. Honk Kong e Seul caíram mais de 1%. Já os mercados de ações da Europa abriram sem direção clara enquanto os índices futuros de Nova York sinalizavam queda.

Expectativa com reunião do Copom reforça cautela

Por aqui, a cautela no Ibovespa e nas transações cambiais ganha o reforço da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), cuja decisão sobre os rumos da taxa Selic será anunciada apenas algumas horas depois do posicionamento do Fed.

Em um momento no qual os contratos futuros de juros projetam há meses quedas acentuadas nas taxas, a queda da Selic é dada como certa por especialistas. A divergência entre eles aparece somente na extensão do corte na taxa de juro de referência no Brasil. O consenso é de uma redução de pelo menos 0,25 ponto porcentual na taxa Selic.

O Banco Central mantém a taxa Selic em seu nível mínimo histórico - 6,5% - desde março do ano passado. Isto significa que, qualquer que seja o corte decidido na quarta-feira, a Selic renovará sua mínima histórica.

Diantes dessa perspectiva, os investidores iniciam a semana atentos à divulgação da pesquisa semanal Focus do Banco Central, prevista para as 8h25, em meio à expectativa de novas revisões nas estimativas do mercado para a inflação, o PIB e a taxa Selic.

O Ibovespa também estará sujeito ao impacto da grande quantidade de balanços corporativos com divulgação prevista para esta semana, a começar pelo resultado trimestral do Itaú, previsto para depois do fechamento dos mercados hoje.

Enquanto os investidores aguardam o posicionamento do Fed e do Copom, a tendência é de que a cautela prevaleça pelo menos até o fim da tarde de quarta-feira.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

motivo de preocupação dos mercados

Brasil investiga caso suspeito de coronavírus

Caso a infecção por coronavírus seja confirmada, o nível de alerta no país sobe para de Emergência de Saúde Pública Nacional, quando há a possibilidade de o vírus já estar em circulação no país

olho nos números

Relatório aponta nível baixo de investimento de estatais no 1º ano de Bolsonaro

Estatais federais executaram 45,7% dos investimentos previstos para 2019 e a aplicação dos recursos ao longo do ano foi direcionada basicamente para a Região Sudeste

Câmbio

A alta do dólar preocupa? Com a palavra, o presidente do Banco Central

Campos Neto disse que o BC avalia constantemente se a alta do dólar retarda as decisões de investimento ou contamina as perspectivas de inflação

de olho nas finanças

48% dos brasileiros não controlam o próprio orçamento, mostra pesquisa CNDL/SPC

Segundo o levantamento, a frequência de análise de orçamento é inadequada mesmo entre a maioria dos 52% de brasileiros que utilizam alguma forma de controle de suas finanças

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

presidente ficou irritado

Assessor do Planalto é afastado por usar avião da FAB

Vicente Santini usou uma aeronave oficial para se deslocar até Nova Délhi, na Índia

Exile on Wall Street

Contágio: e agora, o que fazer?

Medo de uma grande pandemia transmitida rapidamente num mundo globalizado e interconectado encontra representação mitológica tão forte que virou blockbuster em Hollywood

Alívio

Ibovespa acompanha o exterior e opera em alta, recuperando parte das baixas de ontem

O Ibovespa ensaia uma recuperação após as perdas massivas da sessão passada, apesar de o noticiário referente ao coronavírus continuar inspirando cautela

Nunca vi contexto tão favorável para negócios no Brasil, diz CEO do Magazine Luiza

Frederico Trajano afirmou ter planos “extremamente ambiciosos” para a rede varejista nos próximos anos após oferta de ações de quase R$ 5 bilhões

atento ao cenário

Coronavírus pode reduzir previsão de crescimento, mas é cedo para cravar, diz OMC

Diretor da entidade disse que, por enquanto, há apenas especulação dos economistas apontando revisão para baixo dos números

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements