Menu
Marina Gazzoni
O melhor do Seu Dinheiro
Marina Gazzoni
2019-05-10T10:25:03-03:00
Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

A conta de Brumadinho chegou: US$ 4,504 bilhões

10 de maio de 2019
10:25
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Os responsáveis pela tragédia de Brumadinho nunca poderão reparar o dano que causaram às famílias das centenas de mortos e desaparecidos engolidos pela lama da barragem da Vale que se rompeu. Vidas não têm preço. Ponto. Mas a conta da tragédia chegou para a Vale e seus acionistas: US$ 4,504 bilhões.

O número foi divulgado pela mineradora ontem junto com o seu balanço financeiro do primeiro trimestre. É a primeira estimativa divulgada pela empresa, um número que reflete fatos conhecidos até agora. A reparação de danos deve custar US$ 2,423 bilhões à Vale. A empresa também estima gastar US$ 1,855 bilhão no descomissionamento de barragens.

Na prática, a Vale “separou” o dinheiro para gastos futuros e já lançou no seu balanço, o que trouxe um prejuízo de US$ 1,642 bilhão no primeiro trimestre. É um tombo significativo para uma empresa que lucrou US$ 1,590 bilhão no mesmo período do ano passado.

Brumadinho também afetou o Ebitda da Vale, indicador que mede a geração de caixa, que ficou negativo pela primeira vez na história da mineradora.

Além da conta diretamente relacionada à tragédia, a Vale também sentiu o impacto na queda da produção de minérios. O Victor Aguiar acompanhou o balanço e traz os principais destaques nesta reportagem. Se você é ou pensa em ser acionista da Vale é bom conhecer esses números.

Desabamento de barragem da Vale em Brumadinho (MG)
Desabamento de barragem da Vale em Brumadinho (MG) - Imagem: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Um balanço dos balanços

Ontem foi o ponto alto da temporada de balanços financeiros das empresas. Além da Vale, diversas grandes companhias soltaram seus números do primeiro trimestre. Nesta reportagem, reunimos um resumo dos principais balanços. Destaco dois deles:

1 - A Rumo parece ter entrado de vez nos trilhos. A companhia transportou mais carga e reduziu custos da dívida, uma combinação que engordou o lucro e o Ebitda.

2 - A B3 foi quem mais ganhou com a alta da bolsa no primeiro trimestre. Entenda os motivos.

IPO da Uber: aceitar ou não a corrida?

Hoje acontece um dos IPOs (oferta pública de ações) mais aguardados do ano. A Uber estreia na bolsa de Nova York e espera ofertar 180 milhões de ações, a um preço entre US$ 44 e US$ 50 cada. A ideia da empresa é arrecadar até US$ 10 bilhões com a abertura de capital. Mas e aí, para o investidor, vale a pena apostar no IPO da gigante de mobilidade urbana? A Bruna Furlani conta o que os especialistas estão falando da operação.

E a inflação?

Com forte influência de alimentação, transportes e saúde, o IPCA subiu 0,57% em abril. É a maior variação para o mês desde 2016, segundo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou os dados na manhã de hoje. As maiores altas foram nos preços de remédios, higiene pessoal, perfumes e planos de saúde. Outros detalhes você confere lá no Seu Dinheiro.

Um tal de Copom

Capa do vídeo sobre o que é o Copom

Na última quarta-feira, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano. Mas se você chegou agora ao mundo do economês, certamente não tem obrigação de saber que raios é isso. Neste vídeo, a Julia Wiltgen explica, em três minutinhos, o que é o Copom, qual a sua função, quem é essa tal de Selic, o que ela tem a ver com a inflação e como tudo isso mexe com o seu bolso.

O chocolate do ministro

Quem apareceu ontem na já tradicional live de quinta-feira do presidente Jair Bolsonaro no Facebook foi o ministro da Educação, Abraham Weintraub. Ele usou um recurso inusitado para explicar os cortes de verba na pasta: chocolates. O Eduardo Campos acompanhou a transmissão e conta como foi.

A Bula do Mercado: porrada de Trump na China

A temperatura continua subindo em Washington. A nova tarifa sobre produtos chineses entra em vigor hoje. A China promete não deixar barato e retaliar a decisão, lançando uma sombra sobre a economia e deixando os mercados em suspense.

Enquanto a China não apresenta as suas medidas de retaliação, representantes dos dois países voltam a se reunir na capital americana para tentar recolocar as negociações nos trilhos. Ontem, a conversa durou apenas 90 minutos, demonstrando pouco movimento dos dois lados.

A escalada da tensão comercial mantém os índices futuros em Nova York no vermelho. Enquanto isso, as bolsas asiáticas ainda acreditam na possibilidade de um acordo e fecharam o dia com ganhos, impulsionando o mercado na Europa.

Ontem, o Ibovespa fechou o dia com baixa de 0,83%, aos 94.807,85 pontos. O dólar terminou a sessão em alta de 0,48%, a R$ 3,9519. Consulte a Bula do Mercado para saber o que esperar de bolsa e dólar hoje.

Agenda

Índices
- IBGE divulga IPCA de abril
- Estados Unidos divulgam dados de inflação e resultado fiscal em abril
- Reino Unido divulga PIB do 1º trimestre de 2019, além dos dados da indústria e balança comercial de março
- Alemanha publica resultado de sua balança comercial de março

Mercados
- Uber realiza IPO na bolsa de Nova York

Balanços 1º trimestre
- No exterior: Telefônica
- No Brasil: BRF, Alpargatas e Notre Dame
- Teleconferência: Banco do Brasil, Vale, Carrefour, BRF, B3, Cyrela, Gafisa, B2W, Suzano, Marisa Lojas, Lojas Americanas e Energisa

Política
- Autoridades dos Estados Unidos e da China continuam rodada de negociações comerciais em Washington

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Seu Dinheiro na sua noite

O pior pregão desde o ‘Joesley Day’

Se o ano no Brasil só começa mesmo depois do Carnaval, 2020 resolveu chegar logo com uma voadora no peito dos brasileiros. Enquanto nós descansávamos ou curtíamos a folia, os mercados no exterior amargavam fortes perdas diante do agravamento da disseminação do coronavírus fora da China, notadamente na Itália. Pois bem, após a batucada pela […]

Gigante de tecnologia

Microsoft revê projeção trimestral e cita impactos do coronavírus

Empresa de tecnologia vive uma demora maior do que a esperada para a volta ao normal das operações em suas cadeias de suprimento

Caos na bolsa

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai 7% e tem o pior pregão desde o Joesley Day

O Ibovespa perdeu quase oito mil pontos nesta quarta-feira, impactado por um forte movimento de correção por causa da disparada de casos do coronavírus fora da China — todas as ações do índice fecharam em queda. Já o dólar à vista subiu a R$ 4,44, cravando mais um recorde nominal de encerramento

Mais uma polêmica

Vídeo de Eduardo Bolsonaro defendendo Orçamento impositivo circula pelo WhasApp

Vídeo mostra a fala do parlamentar no plenário da Câmara, no dia 26 de março do ano passado

Surto mundial

Por coronavírus, Costa Cruzeiros amplia medida de segurança em seus navios; Nestlé aconselha funcionários a não viajarem

Entre as providências está a proibição da entrada de pessoas que tenham viajado para países e regiões afetadas pela doença

FORA DO AR

Investidores da XP relatam problemas para acessar home broker nesta quarta-feira

Ao ser procurada, a assessoria de imprensa informou que “a plataforma apresentou lentidão para alguns clientes no início da tarde desta quarta-feira”

Medida do BC

Moody’s: diminuição de compulsório para depósitos a prazo é positiva

Para a agência, os gigantes do mercado são os mais beneficiados, por deterem 72% de todos os depósitos a prazo no Brasil

CDS no radar

Risco-país do Brasil tem novo dia de alta e vai a 106 pontos

Desde o começo de fevereiro o CDS vinha sendo negociado abaixo dos 100 pontos

CRIPTOMOEDAS

Criptomoedas ainda mantêm um papel limitado como forma de proteção, para analistas do JPMorgan

Apesar da baixa correlação das criptomoedas com ativos tradicionais, analistas do banco acreditam que elas ainda não podem servir como hedge da carteira

Gastos no exterior

Compras com cartão no exterior serão cobradas conforme a taxa de câmbio do dia

Opção estará disponível a consumidores a partir de 1º de março e já estava autorizada pelo BC desde 2016; atualmente, valor a ser pago na fatura é definido dez dias antes do fechamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu