Menu
2019-12-03T18:22:19-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.

Goldman Sachs eleva expectativa de crescimento do PIB em 2019 e 2020

Entre os motivos para a maior expectativa de crescimento estão os ajustes feitos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

3 de dezembro de 2019
18:20 - atualizado às 18:22
Touros e Ursos CAPA – PIB
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Diante de um resultado acima do esperado para o Produto Interno Bruto (PIB), o banco Goldman Sachs revisou para cima as projeções para o crescimento da economia neste ano e no próximo. Agora, a instituição projeta uma expansão de 1,2%, ante os 1,0% para o PIB em 2019.

Já para o ano que vem, a equipe de analistas liderada por Alberto Ramos estima uma alta de 2,3%, ante os 2,2%. Entre os motivos para a maior expectativa de crescimento estão os ajustes feitos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Hoje, o órgão revisou os dados de 2018 que antes mostraram uma expansão de 1,1% e agora foram ajustados para 1,3% - mesmo percentual observado em 2017. Além disso, o IBGE ajustou os percentuais de expansão do primeiro e segundo trimestres deste ano.

Para ele, um dos pontos que devem trazer maior expansão em torno do consumo privado do quarto trimestre são os estímulos anunciados pelo governo, como os saques do FGTS e do PIS/PASEP.

Já no ano que vem, Ramo diz que a aceleração do crescimento em 2020 deve ser sustentada pelo impulso mais firme do crédito, acomodação monetária e condições financeiras mais favoráveis com taxas de juros mais baixas, assim como melhoras no consumo e na confiança dos empresários.

Apesar dos dados um pouco mais positivos, o analista ponderou que o investimento privado ainda está muito baixo. De acordo com ele, o indicador está 23,2% abaixo do pico atingido no segundo trimestre de 2013. Já a formação bruta de capital está agora no mesmo nível do terceiro trimestre de 2018.

Ele também destacou que, nos 11 trimestres de retomada da economia brasileira após os anos de 2015 e 2016, o PIB per capta do Brasil se manteve 7,9% abaixo do pico, o que mostra que essa é a recuperação mais longa da histórica. Além disso, o consumo privado per capta ainda está 5,8% abaixo do quarto trimestre de 2014, quando atingiu o pico do ciclo.

No relatório, Ramos também destacou que o carregamento estatístico (carry-over) para o PIB de 2019 é agora de 1%. Já no ano que vem, ao considerar os dados do terceiro trimestre, o percentual é de 0,4% Já para 2020, considerando até os dados do terceiro trimestre, é de 0,4%. Porém, Ramos menciona que esse número pode subir para 0,9% depois de apresentados os dados do quarto período do ano.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Proventos

Banco do Brasil anuncia pagamento de R$ 416 milhões em Juros sobre Capital Próprio (JCP)

Terão direito ao provento os investidores com posição acionária na empresa no dia 11 de março

o melhor do seu dinheiro

Brandão balança mais não cai?

Chegamos ao fim de mais uma semana tensa nos mercados, que começou com a derrocada das ações da Petrobras, em razão da interferência do governo na presidência da estatal, e termina com pressões na bolsa e no dólar motivadas pelas preocupações dos investidores com a inflação nos Estados Unidos e alta nas taxas dos títulos […]

URGENTE

Hapvida e NotreDame chegam a um acordo sobre fusão, afirma site

A maior combinação entre duas empresas brasileiras criará uma gigante do setor de saúde, com um valor de R$ 110 bilhões.

fechamento da semana

Tensão em Brasília leva Ibovespa de volta aos 110 mil pontos e afunda estatais; dólar vai a R$ 5,60

Em semana marcada pela tensão entre governo e mercado, o Ibovespa recuou 7,09%, de volta aos 110 mil pontos. O dólar disparou acima dos R$ 5,60

Abandonando o barco?

Ações do Banco do Brasil recuam quase 5% com possibilidade de saída de André Brandão

Brandão tem mostrado insatisfação com o cargo e quer deixar o comando da estatal, segundo jornal; BB nega que presidente tenha renunciado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies