Menu
2019-12-06T10:40:27-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
olho no indicador

Disparada no preço da carne faz inflação acelerar para 0,51% em novembro

Maior demanda de carne na China e valorização do dólar fez o item disparar; avanço do IPCA é o maior para mês desde 2015

6 de dezembro de 2019
9:03 - atualizado às 10:40
Embalagem de carne bovina
Imagem: Shutterstock

A inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 0,51% no mês de novembro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nesta sexta-feira (6).

Segundo o IBGE, o avanço registrado — maior para o mês desde 2015 — tem a disparada nos preços das carnes como principal razão. O grupo alimentação e bebidas, ao qual o item pertence, teve alta de 8,09%.

O aumento nos preços das carnes acontece por conta da maior demanda do produto pela China e a desvalorização do real frente ao dólar. A moeda americana subiu 5,77% em novembro, a R$ 4,2407. "Isso incentiva a exportação, restringindo a oferta interna e elevando o preço dos produtos”, diz o gerente da pesquisa do IBGE, Pedro Kislanov.

Nesta quinta, o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socieconômicos (Dieese) também atribuiu como razões para a alta dos preços do item o período de entressafra bovina e o custo de reposição do bezerro.

Em outubro a inflação avançou 0,10%, segundo o IBGE. O acumulado do ano foi para 3,12% e o dos últimos doze meses, para 3,27%, acima dos 2,54% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em novembro de 2018, a taxa foi de -0,21%.

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte.

Inflação por período

  • Novembro: 0,51%
  • Outubro: 0,10%
  • Novembro de 2018: - 0,21%
  • Acumulado no ano: 3,12%
  • Acumulado em 12 meses: 3,27%

IPCA calibra a Selic

A alta generalizada dos preços já era esperada pelo mercado financeiro, que segue atento ao índice em especial por causa da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central (BC), que acontece na próxima semana — e decide sobre a taxa básica de juros, Selic, hoje em 5%.

A dinâmica é: inflação alta costuma levar o BC a aumentar os juros, enquanto uma inflação mais baixa e controlada dá espaço pra redução dos juros. Mas no próximo encontro do Copom, ao menos, um corte de meio ponto percentual já é esperado.

A dúvida é quanto a novos cortes. Parte do mercado defende o fim do ciclo que começou em julho, evitando uma pressão adicional sobre o real.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

em meio à crise

Em reunião com empresários, Bolsonaro defende vacinação e diz não ter preocupação com CPI da Covid

Presidente e ministros participaram de uma videoconferência com o grupo que reúne os 50 maiores grupos privados do País

seu dinheiro na sua noite

Ação da Moura Dubeux caiu 50% desde o IPO. Ficou barata?

O ano de 2020 começou promissor para a economia brasileira e com boas perspectivas para a chegada de novas empresas à bolsa. A temporada de IPOs se iniciou nos primeiros dias de fevereiro, com a estreia da construtora Mitre, seguida da empresa de tecnologia Locaweb. Mais para meados do mês, vimos a abertura de capital […]

ampliação de sortimentos

Lojas Americanas compra Imaginarium e prevê aumentar marcas próprias

Companhia anunciou aquisição do Grupo Uni.co, mas não revelou valores; com negócio, Americanas avança sobre varejo especializado em franquias

FECHAMENTO

Mercado olha desconfiado para Orçamento e Ibovespa acompanha queda do exterior; dólar fica estável

Com a agenda de indicadores esvaziada e a véspera de feriado, os investidores acabaram optando pela cautela

Prioridade na Casa

Câmara aprova requerimento de urgência sobre projeto de privatização dos Correios

A medida permite que a proposta “fure” a fila de votação de projetos e pode agilizar o processo de desestatização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies