Menu
2019-09-05T16:46:41-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Gestoras

Gestora aposta na dobradinha do 4: Selic abaixo de 4% e dólar acima de R$ 4

Persevera Asset acredita que próximo passo da modernização econômica será deixar de associar câmbio depreciado a um ambiente de crise

5 de setembro de 2019
16:46
Dólar
Imagem: shutterstock

Na sua carta de gestão de agosto, a equipe da Persevera Asset quer passar uma mensagem: o próximo passo da modernização econômica do país será dissociar dólar "caro" de ambiente de crise.

“Num ambiente de forte queda da inflação no mundo e no Brasil, a combinação de juros baixos por muitos anos, com a taxa Selic podendo chegar a 4% ou menos em nossa visão, com uma taxa de câmbio desvalorizada, na casa dos R$ 4, é o que provavelmente vai nos arrancar deste estado de letargia econômica”, diz a gestora.

Falei com o gestor de juros e moeda da Persevera, Nicolas Saad, no fim de julho, para explicar a tese da gestora de que teremos um período de surpreendente estabilidade cambial, reflexo de reformas, queda de juros e do tipo de dólares que atraímos ao país. (Leia aqui)

Dando sequência a esse raciocínio, de que o país caminha para uma normalidade financeira, está a ideia de que juros baixos e câmbio depreciado é uma combinação excepcional para qualquer país que enfrente dificuldades de crescimento.

“Nós estamos exatamente nessa situação no Brasil, mas desta vez chegamos a ela da forma correta, com a inflação baixa e controlada. Portanto, ao invés de tremer a cada alta de 3% ou 4% no dólar, deveríamos comemorar. O dólar acima de R$ 4,0, com a inflação baixa e ancorada, Banco Central com credibilidade, alta capacidade ociosa, reforma da Previdência aprovada e gastos fiscais controlados não é um problema e sim parte da solução. É assim que nós brasileiros deveríamos passar a enxergar o comportamento do câmbio”, diz a carta.

Para a Persevera, essa dobradinha dos 4 não deveria ser temida pelo cidadão brasileiro, não deveria ser temida pelo mercado financeiro e muito menos pelo Banco Central, mas sim, celebrar essa confluência de moeda desvalorizado, mesmo que temporariamente, com uma taxa de juros nas mínimas históricas.

“Que venha a dobradinha do 4: juros abaixo de 4%, com câmbio acima de R$ 4,0, sem crise e com menos volatilidade. O Brasil conquistou e precisa dessa combinação.”

Em agosto, o fundo multimercado da casa teve perda de 0,62%, e a equipe aproveitou a queda dos preços para aumentar, gradualmente, as posições em ativos que acha bastante atrativos, como NTN-Bs longas e ações. A íntegra da carta pode ser lida aqui.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

ALTA VELOCIDADE

Anatel prevê leilão do 5G no final do primeiro semestre de 2021

Presidente da autarquia diz que certame não terá objetivo arrecadatório, mas exigirá das empresas maiores compromissos de investimento

NÚMEROS DA PANDEMIA

Brasil passa de 170 mil mortes por covid-19 desde o início da pandemia

Nas últimas 24 horas foram registrados 630 óbitos e 31.100 novos diagnósticos positivos, segundo Ministério da Saúde

Ano morno

Black Friday das corretoras e bancos: as ofertas que valem a pena em 2020

Black Friday nas corretoras e bancos está desanimada neste ano. Selecionei as ofertas mais interessantes relacionadas a investimentos, como já virou tradição

relações com os eua

Não acho que sucessão nos EUA mude disputa com China por 5G, diz Mourão

Mais uma vez questionado sobre a possibilidade de o governo brasileiro reconhecer a vitória do democrata Joe Biden na eleição americana, Mourão repetiu o discurso de que, “no momento certo, será feito o que tiver de ser feito”

em expansão

Notre Dame Intermédica compra Grupo Hospitalar de Londrina por R$ 170 milhões

Plano de integração com a empresa comprada prevê sinergias operacionais e administrativas com as operações da Clinipam no Estado do Paraná

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies