Menu
2019-10-15T08:10:31-03:00
Pisa no freio

FMI se reúne em cenário de freada global

As novas estimativas do Fundo para este ano e para o próximo devem ser divulgadas nesta terça-feira, 15, com a atualização da Perspectiva Econômica Mundial, relatório divulgado regularmente em abril e outubro.

15 de outubro de 2019
8:10
Fundo Monetário Internacional (FMI)
Imagem: Shutterstock

A economia global deve ter o pior desempenho em dez anos, melhor apenas que o de 2009, quando o PIB mundial encolheu 0,65%, segundo a nova projeção do Fundo Monetário Internacional (FMI). "Em 2019, esperamos crescimento menor em quase 90% do mundo", adiantou na semana passada a nova diretora-gerente da instituição, a economista Kristalina Georgieva. Há dois anos, a economia internacional estava em alta sincronizada. Agora continua sincronizada, mas no movimento contrário.

As novas estimativas do Fundo para este ano e para o próximo devem ser divulgadas nesta terça-feira, 15, com a atualização da Perspectiva Econômica Mundial, relatório divulgado regularmente em abril e outubro. Em julho, os cálculos indicavam expansão de 3,2% em 2019 e 3,5% em 2020. Em 2009, o mundo refletiu plenamente o impacto da crise iniciada no ano anterior e já prenunciada em 2007 com os primeiros abalos no mercado financeiro.

Igualmente sombrio é o cenário apresentado em relatório recente do G-20, formado pelas maiores economias desenvolvidas e emergentes. Segundo esse documento, a atividade global deve permanecer contida nestes dois anos, com perda de impulso tanto no mundo avançado quanto na maior parte dos demais países.

A perda de impulso é atribuída, principalmente, às novas barreiras criadas no comércio entre Estados Unidos e China e ao risco de extensão do problema aos demais países. A elevação de tarifas e o enfraquecimento do comércio aumentaram a insegurança e isso derrubou o investimento, especialmente na indústria manufatureira. A relação de riscos importantes inclui a possível intensificação da guerra com Reino Unido e União Europeia.

A nova diretora-gerente do FMI também ressaltou os efeitos da insegurança. "Em algumas das maiores economias emergentes, como Índia e Brasil", disse a diretora, "a desaceleração é ainda mais pronunciada neste ano".

A saída, segundo Georgieva, deve envolver políticas coordenadas, uma estratégia bem-sucedida na superação da crise de 2008. Estímulos fiscais serão agora mais importantes que naquela ocasião, porque as políticas monetárias já foram amplamente usadas, os juros estão muito baixos, e até negativos, e pouco mais se pode fazer com esse instrumental. A recomendação vale para países com alguma folga fiscal. Não é o caso do Brasil. Será essencial fortalecer o sistema multilateral de comércio e avançar em reformas estruturais, como a tributária, para favorecer os ganhos de produtividade. Reformas estruturais podem igualmente incluir desburocratização, estímulos à participação das mulheres nas atividades profissionais e combate à corrupção. Tais mudanças, sublinhou Georgieva, já produziram ganhos econômicos importantes em vários países.

*As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Decisão em plenário

Toffoli marca julgamento sobre inquérito das fake news para semana que vem

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, marcou para a próxima quarta, 10, o julgamento sobre a continuidade ou não das apurações do inquérito das fake news

Ministério atualiza dados

Brasil chega a 526,4 mil casos e 29,9 mil mortes por coronavírus

Até o momento, 211.080 pacientes estão recuperados da doença

seu dinheiro na sua noite

O mundo em ebulição

Caro leitor, Não bastasse uma pandemia mundial que paralisou a economia, tensões políticas no Brasil e o retorno da troca de farpas entre Estados Unidos e China, temos assistido também, nos últimos dias, a intensos protestos nos EUA contra o racismo. No último fim de semana, às já habituais manifestações em apoio ao governo aqui […]

Cresceu 3,7% em 2019

Vendas de festa junina nos supermercados devem crescer 0,6% em SP, diz associação

A perspectiva do avanço de vendas em supermercados é bem menor do que a registrada no ano passado, um crescimento de 3,7%

Queda no tráfego

Movimento em rodovias da Triunfo cai 13,9% na quarta semana de maio

O movimento de veículos leves recuou 77,3%, enquanto o tráfego de veículos pesados caiu 36,6%. Os dados se referem à Concebra, Concer, Transbrasiliana e Econorte

Termo de compromisso

BC multa Bradesco em R$ 92,2 milhões e solicita aprimoramento em operações de câmbio

A autarquia aplicou ainda multas de R$ 350 mil em oito funcionários do Bradesco. Os valores devem ser pagos em até 30 dias

Otimismo na bolsa

Ibovespa ignora tensões sociais e sobe mais de 1%, amparado na agenda econômica

O Ibovespa abriu o mês no campo positivo e foi às máximas desde 10 de março, sustentado pelos indicadores econômicos mais fortes na China e nos EUA. O dólar, por outro lado, teve um dia mais pressionado, colocando na conta as manifestações nos EUA e no Brasil

Pesquisa energética

Consumo de energia cai 6,6% em abril, diz EPE

O setor comercial foi o mais atingido, com queda de 17,9%, seguido pela indústria, com perda de 12,4% no consumo. Já o setor residencial subiu 6%, sinalizando aumento da demanda trazida pelo isolamento social, que obrigou as pessoas a ficarem mais em casa

LIÇÕES SOBRE INVESTIMENTOS

Senna, o barbeiro de Mônaco, já tocou minha campainha

Mesmo os tricampeões mundiais cometem erros de vez em quando. Neste texto, Felipe Paletta mostra como a inteligência emocional pode contribuir com você para tomar melhores decisões de investimentos. Dimensionando o risco, você pode ir mais longe.

Impacto do coronavírus

Balança comercial tem superávit de US$ 4,548 bilhões em maio, queda de 19,1%

Com queda nas exportações e, em menor volume, nas importações, a balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 4,548 bilhões em maio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements