Menu
2019-07-23T11:41:28-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Sem recessão

FMI estima crescimento mundial de 3,2% em 2019; Brasil terá um magro 0,8%

Projeções foram atualizadas hoje. Para 2020, mundo cresce 3,5% e Brasil avança 2,4%. Risco é de baixa e decorre da guerra comercial e tecnológica

23 de julho de 2019
10:25 - atualizado às 11:41
FMI
FMI - Imagem: Shutterstock

O Fundo Monetário Internacional (FMI) apresentou uma nova edição do seu “World Economic Outlook” onde faz uma breve revisão para baixo nas projeções de crescimento econômico mundial, que deve ser de 3,2% em 2019 e 3,5% em 2020, 0,1 ponto menor que o estimado em maio.

O que chama atenção é a baixa contribuição da América Latina nesse total. A projeção de crescimento para região caiu de 1,4% para magros 0,6%. Quem puxa a média para baixo somos nós, que devemos crescer 0,8%, projeção em linha com a do Banco Central e do mercado por aqui. Até abril, o FMI acreditava em 2,1%. Ainda na região, o México também teve projeções colocada para baixo, de 1,6% para 0,9%.

Para 2020, o cenário é de recuperação. O Brasil deve crescer 2,4%, enquanto o México deve registrar avanço de 1,9%.

Quem deve continuar sustentando o crescimento mundial, segundo o FMI são os emergentes da Ásia, com crescimento de 6,2% neste ano e de 6% no próximo. Entre os desenvolvidos, o crescimento projetado é de 1,9% neste ano, recuando a 1,7% em 2020.

Riscos

O FMI alerta que os riscos às projeções são de baixa e incluem novos embates dentro da guerra comercial e tecnológica (que envolve notadamente EUA e China) e uma redução nos investimentos.

O corpo técnico do órgão também alerta para movimentos de aversão ao risco em âmbito mundial, algo que pode expor vulnerabilidades financeiras construídas ao longo de uma década de juros baixos.

Também estão na lista pressões desinflacionarias e o limitado espaço da política monetária para atuar contra cenários de desaceleração.

Visão do FMI

Para o FMI, ações nacionais e multilaterais são “vitais” para melhor o crescimento mundial. Essas ações devem buscar reduzir as tensões comerciais e resolver tratados de comércio internacionais, como Reino Unido e União Europeia e EUA, México e Canadá.

Os países não devem utilizar tarifas ou metas de balanços comerciais bilaterais como substitutos ao diálogo como forma de pressões para reformas macroeconômicas.

Com debilidade da demanda e inflação sob controle, o FMI vê com “apropriada” a adoção de políticas monetárias acomodativas em países emergentes e desenvolvidos que mostram expectativas de inflação bem ancoradas (caso brasileiro).

A política fiscal deve ter objetivos múltiplos, como estimular demanda, proteger os mais vulneráveis, impulsionar o crescimento via gastos que suportem mudanças estruturais, além de assegurar a sustentabilidade das contas públicas no médio prazo.

Se o crescimento se mostrar mais fraco que o estimado, as políticas macroeconômicas terão de se tornar mais estimulativas. A prioridade, segundo o FMI, é ampliar a inclusão social e lidar com potenciais restrições ao crescimento.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Balanço do mês

Bitcoin e dólar são os melhores investimentos de outubro; ativos de risco ficaram para trás de novo

Por pouco o Ibovespa não ficou entre os melhores investimentos do mês, mas segunda onda de coronavírus na Europa derrubou as bolsas; risco fiscal, eleições americanas e indefinição quanto a estímulos fiscais nos EUA também pesaram

seu dinheiro na sua noite

O saci à solta nos mercados

Não sei dizer exatamente quando nem quem tomou a iniciativa de importar dos países anglófonos a celebração do Halloween, o Dia das Bruxas. O fato é que desde que as crianças brasileiras começaram a sair fantasiadas pedindo doces no último dia de outubro houve uma série de tentativas de “tropicalizar” o evento. Embora não seja […]

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies