Menu
2019-09-25T19:38:07-03:00
Passando o bastão

Economista búlgara vai substituir Lagarde no FMI

Kristalina Georgieva é a primeira pessoa nascida em um país emergente a dirigir o FMI desde a fundação da instituição

25 de setembro de 2019
19:38
Kristalina Georgieva
Kristalina Georgieva - Imagem: Shutterstock

A economista búlgara Kristalina Georgieva foi escolhida como a próxima diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), em substituição à francesa Christine Lagarde, que se tornará presidente do Banco Central Europeu (BCE).

Georgieva é a primeira pessoa nascida em um país emergente a dirigir o FMI desde a fundação da instituição, em 1944.

Ela foi selecionada depois de um processo iniciado pelo Conselho Executivo do Fundo em 26 de julho. O comitê tem 24 membros, que representam os 189 países associados ao FMI. A posse está marcada para 1º de outubro.

Georgieva é diretora-executiva do Banco Mundial desde janeiro de 2017. Entre fevereiro e abril, ela ocupou o cargo de presidente do Grupo Banco Mundial. Anteriormente, foi membro da Comissão Europeia.

A búlgara tem Ph.D. Em ciência econômica e mestrado em economia política e sociologia pela Universidade de Economia Mundial e Nacional, de Sófia, capital da Bulgária. Ela foi professora na instituição de 1977 a 1991.

Em um comunicado, Georgieva declarou que o FMI nunca foi tão importante para a economia mundial. "É uma responsabilidade enorme ser a líder do FMI em um momento em que o crescimento da economia mundial segue decepcionando, as tensões comerciais persistem e o nível de endividamento estão em níveis historicamente altos. Nossa prioridade imediata é ajudar os países a minimizar o risco de crise e lidar com os ventos contrários", disse.

Contato: [email protected]

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

13 notícias para começar o dia bem informado

A semana começa com um feriado lá fora e um “feriadinho” meia boca no estado de São Paulo. Enquanto Wall Street permanece fechado, a bolsa brasileira opera normalmente. O feriado antecipado pelo governo de São Paulo não colou no mercado financeiro. Recebi inúmeros comunicados de empresas e bancos informando que terão expediente normal. Os investidores […]

efeito coronavírus

Confiança do comércio sobe 6,2 pontos em maio, afirma FGV

Nos dois meses anteriores, o índice tinha acumulado uma perda de 38,6 pontos e descido ao menor nível da série histórica

tensão entre potências

China exige que EUA retirem sanções a fornecedores de tecnologia

Ministério de Relações Exteriores chinês acusou o governo americano de interferir em assuntos do país

Aumento nas tarifas

Emendas de deputados elevariam conta de luz

Embora possam parecer bem-intencionadas, emendas que propõem o aumento do grupo de beneficiários do programa ou estendem o tempo de isenção das tarifas aumentam, indiretamente, a conta de luz da maioria da população

focus

Mercado prevê queda de 5,89% do PIB em 2020

Estimativa anterior registrada em edição do Focus era de redução de 5,12% do PIB; dólar deve terminar 2020 a R$ 5,40

efeitos da crise

Ativos de bancos somam R$ 7,4 trilhões

Com o aumento da oferta de crédito, os cinco maiores bancos brasileiros têm em mãos recursos equivalentes à toda a economia brasileira

crise política

Nas redes, avaliação é de que divulgação de vídeo favorece presidente

Relatório da DL Rosenfield indica que o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril foi interpretado nas redes sociais como uma “grande vitória” para bolsonaristas

entrevista ao Fantástico

Bolsonaro esvaziou a agenda contra corrupção, diz Moro

Ex-ministro declarou ainda que considera “questionáveis” as recentes alianças feitas por Bolsonaro com os partidos do Centrão

segundo ministério da saúde

Brasil tem 363 mil casos confirmados de covid-19 e 22 mil mortes

Nas últimas 24 horas, o ministério registrou 15.813 novos casos e 653 mortes

em meio à crise

De helicóptero, Bolsonaro vai a ato esvaziado

Acenando e sem máscara de proteção, que agora é de uso obrigatório em Brasília, Bolsonaro deu seis voltas em frente a grade onde os apoiadores estavam

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements