Menu
2019-04-04T14:00:42-03:00
Estadão Conteúdo
Fala de Christine Lagarde

Economia mundial está desacelerando mais rápido do que o esperado, diz FMI

Diretora-gerente do fundo afirmou que não há uma recessão neste momento, mas que ficou claro que os riscos aumentaram

1 de março de 2019
19:05 - atualizado às 14:00
christine-lagarde
Diretora do FMI alertou também para o crescente endividamento mundial, que subiu a US$ 182 trilhões no fim de 2017 - Imagem: Shutterstock

Diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde afirmou nesta sexta-feira que, embora em 2018 o crescimento econômico no mundo tenha permanecido próximo das máximas após a última crise, a expansão "está desacelerando e mais rapidamente do que o esperado". Segundo ela, não há uma recessão neste momento, "mas é bem claro que os riscos aumentaram".

Em discurso em Lisboa, Lagarde listou desafios ao quadro global, entre eles o aumento das tensões comerciais. Ela citou que uma nova escalada em barreiras comerciais pode reduzir o crescimento global em quase meio ponto porcentual, com cadeias de produção afetadas e ambiente de investimentos mais incerto.

A diretora-gerente do FMI apontou também para o crescente endividamento mundial, que subiu a US$ 182 trilhões no fim de 2017, quase 60% superior a 2007. Isso deixa governos, empresas e famílias mais vulneráveis a um crescimento menor e sem sincronia, bem como a taxas de juros mais elevadas, alertou.

Lagarde afirmou ainda que a transição para um crescimento menor e mais sustentável na China é "bem-vinda", mas ponderou que há risco de desaceleração mais rápida do que o previsto na potência asiática. Mesmo com medidas de estímulo eficazes, elas podem estar orientadas para atividades menores intensivas em importações, com isso o restante do mundo continuará a sentir a desaceleração chinesa.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

FALTA DE PATRIOTISMO?

O Brasil é mesmo o pior país emergente para se investir?

A Bolsa russa cai 15% no ano, a mexicana 29% e a brasileira cai impressionantes 39%, todos em dólares.

Em 2009

Carlos Bolsonaro comprou imóvel por preço 70% abaixo do fixado pela prefeitura

A prática não é ilegal, mas costuma despertar suspeitas – por possibilitar, em tese, pagamentos “por fora”, sem registros oficiais.

Em expansão

E-commerce, mercado financeiro e delivery puxam contratações de executivos

Segundo dados do LinkedIn, houve 1.269 movimentações para cargos executivos entre março e agosto, 80% delas foram para esses setores.

Judiciário

Celso de Mello antecipa saída e acelera sucessão no STF

Com saída, abre-se a primeira vaga para indicação do presidente Jair Bolsonaro.

Mais lidas

MAIS LIDAS: De bolso cheio para brigar contra todos

Na semana em que o Seu Dinheiro completou dois anos no ar, refleti sobre quanta água rolou em tão pouco tempo. Foram muitos acontecimentos relevantes para os mercados, como eleição presidencial, guerra comercial de China e Estados Unidos, aprovação da Reforma da Previdência e a chegada do coronavírus. A Julia Wiltgen levantou o ranking de […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements