Menu
2019-09-18T09:44:48-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Ainda está faltando dólar

BC americano volta a injetar dólares no mercado financeiro

Em nova operação, Federal Reserve (Fed) de Nova York coloca todo o lote ofertado de US$ 75 bilhões, demanda no mercado foi de US$ 80,05

18 de setembro de 2019
9:39 - atualizado às 9:44
Helicóptero joga dólares
Imagem: Shutterstock

O Federal Reserve (Fed) de Nova York, responsável pelas operações em mercado do banco central americano, concluiu mais um leilão de “repo”, instrumento semelhantes às nossas operações compromissadas, colocando US$ 75 bilhões no mercado. A oferta total era de US$ 75 bilhões e a demanda chegou a US$ 80,05 bilhões.

Ontem, o Fed de NY teve de correr para atuar com uma operação dessas, a primeira em 10 anos, conforme as taxas nos mercados de “money-market”, onde bancos e outros agentes trocam títulos por dinheiro de curto prazo, chegou a testar patamares próximos a 10%, evidenciando um problema de liquidez. A oferta de ontem movimentou US$ 53 bilhões.

De forma simplificada, as taxas nesse mercado têm de oscilar ao redor da taxa básica fixada pelo Fed, que está entre 2% e 2,25%. Se há um descolamento muito grande é sinal de problema. O Fed tem reunião na tarde desta quarta-feira e há expectativa de algum comentário sobre o tema.

Não há uma única explicação para esse raro fenômeno, que já antecedeu crises mais severas no mercado. As explicações passam pelo aumento da dívida americana, que drena recursos do mercado via emissão de títulos. Pagamento trimestral de impostos. Liquidação de US$ 78 bilhões em títulos do Tesouro. As negociações envolvendo a inclinação da curva americana, com compra de títulos curtos e venda de papéis mais longo. E o fim do programa de afrouxamento quantitativo (quantitative easing) pelo Fed, que deixou de comprar ativos.

O fato é que esse tipo de mercado foi pensado e desenhado para não ser notícia. Quanto ele vira ponto de discussão global é sinal de alerta. Há críticas com relação à atuação do Fed, que tem obrigação de manter as taxas de mercado coladas à meta fixada por seu colegiado, mas também há ponderação de que a conjunção de fatores foi mesmo uma surpresa.

Também temos discussões com relação às limitações prudenciais para bancos e outros agentes atuarem nesse “mercado de dinheiro”. Em tese, os bancos seriam os arbitradores naturais, ganhando com a diferença de taxas. No entanto, há limitação de exposição de balanço e esses agentes não puderam atuar.

Ponto interessante levantado em relatório do Credit Suisse é que apesar de pouco usual, toda essa movimentação não é motivo para pânico. Estamos de volta ao antigo regime, quando o Fed conduzia regulamente esse tipo de operação que troca títulos por dinheiro. Algo que foi abandado depois da crise e das massivas injeções de liquidez no mercado.

Além de fazer as "repo" (compromissadas) e as compras diretas, o Fed também pode reiniciar o "quantitative easing" e/ou reduzir o juro sobre o excedente de reservas bancárias, que está em 2,1%. Em tese, juros menores nesses depósitos que os bancos fazem junto ao BC estimularia maior colocação de dinheiro junto ao mercado.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Exile on Wall Street

Agenda 2021: a dívida brasileira não pode ser deixada para trás

Por motivos (legítimos) de força maior, abandonamos a cartilha liberal para adotar uma estratégia keynesiana, sintetizada no slogan “nenhum brasileiro será deixado para trás”. Entendo o movimento. E até o considero correto

Mais uma disparada

Ibovespa abre em alta firme e se aproxima dos 80 mil pontos; dólar cai a R$ 5,19

O Ibovespa avança mais de 7% nesta manhã, ainda aproveitando o otimismo dos investidores com a estabilização nas curvas de contágio do coronavírus na Europa e nos EUA. Por aqui, a permanência de Luiz Henrique Mandetta no comando do ministério da Saúde também agrada os investidores

medida anticrise

Caixa lança site e aplicativo para auxílio emergencial; veja quem tem direito

Anúncio é uma das medidas do governo para fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do novo coronavírus

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

15 notícias para você começar o dia bem informado

O mês de março foi um banho de sangue nos mercados. Todo mundo que investe além da renda fixa perdeu dinheiro… só que não. Um levantamento feito a pedido do Seu Dinheiro mostra que 83 fundos multimercados ficaram no azul em março, enquanto o segmento teve uma queda média de 6,24%. O destaque de hoje […]

de olho no indicador

Vendas no varejo crescem 1,2% em fevereiro, diz IBGE

Houve aumento de 4,7% na comparação com fevereiro de 2019, puxado por atividades como hipermercados, móveis e eletrodomésticos e artigos de uso pessoal

cenário de crise

Embraer deve cortar salários e jornadas

Proposta apresentada pela empresa aos funcionários, na segunda-feira, 6, segundo o sindicato da categoria

Crise diplomática

Líderes do agronegócio pedem cautela no tratamento com a China

Ex-ministro da Agricultura Alysson Paolinelli se disse preocupado. “Não devemos insultar ninguém. E não podemos misturar comércio com política, precisamos de uma posição mais sadia, mais madura.”

balanço

Reservas internacionais da China atingem em março menor nível em 17 meses

Órgão regulador de câmbio da China atribuiu o recuo à forte valorização do dólar em março e a ajustes nos preços de outros ativo

Esquenta dos mercados

Desaceleração do coronavírus nos EUA e Europa traz bom humor aos negócios

Enquanto o número de casos desacelera no exterior, no Brasil os investidores ficam atentos aos números do Varejo de fevereiro e na manutenção do ministro da Saúde no cargo

alívio da ásia

Pela 1ª vez desde janeiro, China não registra mortes por covid-19

Foram notificados nesta terça-feira 32 novos casos, todos importados; número total de infectados baixou para 1.242, ontem eram 1.299

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements