🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2019-06-02T13:04:10-03:00
Estadão Conteúdo
sinais para o setor

Iata reduz projeção de lucro do setor em 2019 de US$ 35,5 bi para US$ 28 bi

Os custos gerais do setor aéreo deverão crescer 7,4% em 2019, prevê a Iata, superando o aumento de 6,5% nas receitas

2 de junho de 2019
13:03 - atualizado às 13:04
Iata Avião/ setor aéreo
Imagem: Shutterstock

Diante da deterioração do ambiente de negócios no setor, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) revisou para baixo suas perspectivas de lucro para o setor de transporte aéreo global em 2019 de US$ 35,5 bilhões, previstos em dezembro, para US$ 28 bilhões. A projeção de lucro líquido após impostos da Iata também foi revista para US$ 30 bilhões. "O ambiente de negócios para as companhias aéreas deteriorou-se com o aumento dos preços dos combustíveis e um enfraquecimento substancial do comércio mundial", informa a associação, que realiza seu encontro anual neste final de semana na Coreia do Sul.

Os custos gerais do setor deverão crescer 7,4% em 2019, prevê a Iata, superando o aumento de 6,5% nas receitas. Com isso, as margens líquidas devem continuar pressionadas, recuando de 3,7% para 3,2% neste ano. O lucro por passageiro deve apresentar queda semelhante, passando de US$ 6,85 em 2018 para US$ 6,12, estima a associação. "Este ano será o décimo consecutivo que o setor aéreo fecha no azul. Porém, as margens estão sendo pressionadas pelo aumento dos custos, incluindo mão-de-obra, combustível e infraestrutura", afirma o diretor geral da Iata, Alexandre de Juniac.

Apesar da forte concorrência entre companhias aéreas, o executivo pondera que o enfraquecimento do comércio global deve continuar diante da intensificação da guerra comercial entre os EUA e a China. "Isso afeta principalmente o negócio de carga, mas o tráfego de passageiros também pode ser afetado à medida que as tensões aumentam", acrescenta Juniac.

Em 2019, o retorno do capital investido das aéreas deve ficar em 7,4%, abaixo do nível atingido no ano passado, de 7,9%, mas que ainda supera o custo médio de capital (estimado em 7,3%). Outro ponto citado pelo executivo da Iata é que persiste a lacuna entre a rentabilidade das companhias aéreas na América do Norte, Europa e Ásia-Pacífico em relação às da África, América Latina e Oriente Médio.

"A boa notícia é que as companhias aéreas quebraram o ciclo de expansão e recessão. Uma desaceleração no ambiente comercial agora não mergulha a indústria em uma crise profunda. Mas, nas atuais circunstâncias, a grande conquista do setor, de criar valor para investidores com níveis normais de lucratividade está em risco. As companhias aéreas ainda criarão valor para os investidores em 2019 com retornos acima do custo de capital, mas apenas justos", prevê Juniac. *A jornalista viaja a convite da Associação Internacional de Transporte Aéreo

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

ROTA DO BILHÃO

Warren Buffett: Como o megainvestidor acumulou uma fortuna de US$ 95 bilhões e se tornou o sexto homem mais rico do mundo

Aos 11 anos, Buffett fez seu primeiro investimento na bolsa de valores; CEO da Berkshire Hathaway, construiu riqueza com alocações a longo prazo e baixo risco

TRILHAS DE CARREIRA

Orgulho LGBTQIAP+ e carreira: três passos para a sua afirmação profissional

Sendo parte da comunidade LGBTQIAP+, sinto o dever de falar sobre carreira para todos os que, de alguma forma, não conseguem se ver representados no ambiente de trabalho

Fraqueza nos números

Entrega de veículos da Tesla (TSLA34) recua no segundo trimestre e vem abaixo da expectativa do mercado

Apesar do crescimento das vendas na comparação anual, houve uma queda em relação ao trimestre anterior

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies