Menu
2019-09-13T10:21:32-03:00
Marina Gazzoni
Marina Gazzoni
CEO do Seu Dinheiro. É CFP® (Certified Financial Planner). Tem graduação em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa. Foi Diretora de Conteúdo e editora-chefe do Seu Dinheiro, editora de Economia do G1 e repórter de O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e do portal IG.
Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Follow the money…

13 de setembro de 2019
10:21
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A frase do título ganhou notoriedade com o filme “Todos os homens do presidente”, que levou ao cinema um dos maiores clássicos da história do jornalismo no século XX. Dois repórteres do Washington Post decidem investigar uma invasão no escritório dos democratas nos edifícios Watergate.

O que era aparentemente um caso pequeno ficou grande e culminou com a renúncia de Richard Nixon nos anos 70. A dica de como conectar o incidente com o presidente americano veio de um informante, que ficou conhecido pelo codinome de garganta profunda: “follow the money”.

Seguir o dinheiro é uma estratégia muito usada até hoje para investigar esquemas de corrupção, como fraudes e lavagem de dinheiro. Mas não apenas isso. Se você é investidor, é bom sempre saber para onde se move o dinheiro no mundo.

Onde está, por exemplo, o dinheiro dos ricaços? Em uma entrevista exclusiva a repórter Bruna Furlani, os executivos Luiz Severiano e Francisco Lassalvia, diretores globais de private banking do Itaú e do Banco do Brasil, respectivamente, contam como estão mudando a alocação dos clientes de altíssima renda (aqueles com carteiras a partir de R$ 3 milhões). Ambos apontaram o mesmo caminho. Siga o dinheiro.

A última grande leva

Hoje sai a última leva de números importantes para a economia antes de os bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos decidirem sobre suas taxas de juros na próxima semana.

Por aqui, o destaque fica com o índice de atividade econômica do BC - que, após dois meses de alta, retraiu 0,16% em julho. Lá fora, merece atenção o desempenho do comércio varejista nos EUA em agosto - as vendas subiram 0,4%. Já o indicador de preços de importação divulgado há pouco aponta uma queda de 0,5%.

Agora pela manhã, os mercados internacionais se sustentam no campo positivo. Enquanto na Ásia a sessão foi esvaziada devido a um feriado, no Ocidente as praças europeias e os índices futuros das bolsas de Nova York estão em alta, após sinais de esfriamento na guerra comercial entre EUA e China.

Ontem, o Ibovespa encerrou o dia em alta de 0,89%, aos 104.370,91 pontos. O dólar fechou a sessão em queda de 0,13%, a R$ 4,0597. Consulte a Bula do Mercado para saber o que esperar de bolsa e dólar hoje.

O S&P 500 vai resistir?

Um dos principais índices das mercados americanos, o S&P 500 está no seu topo histórico. O índice pode ir mais longe ou chegou ao limite? Fausto Botelho, um dos maiores especialistas em análise técnica do país e colunista do Seu Dinheiro, olha os gráficos e te conta neste vídeo qual a direção esperada para o índice.

Negócio na China

Não só pela guerra comercial a China chama a atenção dos investidores. Desde 2018, o país passou a viver uma crise no abastecimento de carnes por conta da peste suína. A situação é terrível para quem está do outro lado do planeta, mas por aqui representa uma oportunidade. Afinal, os chineses são potenciais clientes dos frigoríficos brasileiros. Nesta matéria , a Bruna Furlani conta como estão as perspectivas para a demanda da China. É importante você ler se está de olho nas ações de JBS e BRF.

Sinal verde

A CVM liberou a oferta pública de distribuição de debêntures da Petrobras. A autarquia havia suspendido a emissão por conta de uma entrevista que a diretora de relações com investidores da empresa concedeu à XP Investimentos no período de silêncio que antecede a oferta. Com o sinal verde, a estatal já divulgou um novo cronograma da emissão.

#Sextou com dinheiro no bolso

Sexta-feira é dia de happy hour para celebrar o fim da semana. E hoje muita gente tem um motivo a mais para comemorar. O governo começa a liberar parte do dinheiro depositado no FGTS, com limite de até R$ 500 por conta.  A primeira leva de pagamentos é para aqueles que tem conta na Caixa Econômica Federal e nascerem entre os meses de janeiro e abril. Até outubro, dois outros lotes de pagamento para correntistas serão liberados. Quer saber quando vai receber a sua parte do FGTS? Confira nesta matéria. 

Agenda

Indicadores 
- Banco Central divulga prévia do PIB de julho
- Estados Unidos divulgam dados de comércio em agosto
- Zona do euro publica resultado de julho de sua balança comercial

Mercados
- Bolsas da Coreia do Sul fechadas por feriado nacional

Política
- Ministros das Finanças da zona do euro fazem reunião em Helsinque

 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Após vacinação e apoio fiscal

Economia dos EUA está “em ponto de inflexão” positivo, diz Powell, do Fed

Economia norte-americana está prestes a começar a crescer muito mais rapidamente, afirmou presidente do banco central norte-americano em entrevista

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies