Menu
2019-01-17T14:54:49-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
câmbio

O que o mercado futuro nos diz sobre o dólar?

Cotação da moeda americana, que fez mínimas a R$ 3,68 na semana passada, volta a mirar os R$ 3,80

17 de janeiro de 2019
13:00 - atualizado às 14:54
dólar cotação
Imagem: Shutterstock

A cotação do dólar caminha para o terceiro pregão de alta e explicações não faltam. Temos a ausência de notícias sobre as reformas, cenário externo menos amigável e conversas nas mesas de operação sobre um firme fluxo de saída.

Todas são boas, mas quero me ater aqui no que podemos ver: a movimentação de fundos, estrangeiros e bancos no mercado futuro, pois é lá que a formação de preço acontece.

Os investidores podem montar posições compradas (aposta de alta) e vendidas (aposta de queda) em dólar. A posição também pode ser uma forma de hedge (proteção) para exposição em outros mercados, como juros, bolsa, balcão e à vista. Portanto, avaliações sobre ganhos e perdas são feitas sempre em tese.

O que as posições sugerem, nesses últimos dois dias, é uma realização de lucros por parte dos fundos de investimento, que vinham em firme movimento de venda de contratos futuros de dólar desde o fim do ano passado, quando o dólar estava a R$ 3,87. Na outra ponta, temos os estrangeiros reduzindo a posição comprada, ou realizando prejuízos.

São essas trocas de posições ao longo dos próximos dias que devem continuar ditando o rumo do dólar, que hoje chegou a subir mais de 1%, testando a linha de R$ 3,77. No lado técnico, o dólar não conseguiu se firmar abaixo do R$ 3,68, tido como patamar importante a ser rompido para novas pernadas de baixa como vimos na abertura do ano. No lado posto, o primeiro ponto observado está ao redor de R$ 3,78, que marca a média móvel de 200 dias.

As variações dos últimos dias apenas confirmam a imprevisibilidade do câmbio, especialmente no curto prazo, tendo em vista que circularam pelo mercado projeções de dólar a R$ 3,20 nos últimos dias. Para quem acredita nessa possibilidade, toda alta é oportunidade de venda. Quem está na ponta oposta, reforça a compra.

Desde o pregão de segunda-feira, dia 14, a posição vendida dos fundos em dólar futuro caiu em US$ 727 milhões, de US$ 12,5 bilhões para US$ 11,8 bilhões. Os bancos também atuaram na ponta de compra, mas de forma menos expressiva, US$ 142 milhões.

Na ponta oposta, os estrangeiros reduziram a posição comprada em US$ 823 milhões, para US$ 4,85 bilhões, de US$ 5,7 bilhões.

Exposição líquida

Além dos contratos futuros de dólar outra forma de exposição cambial são os contratos de cupom cambial (DDI, juro em dólar). Considerando esses ativos, temos que os fundos seguiam vendidos em US$ 33,8 bilhões até o pregão de ontem, contra US$ 34,5 bilhões na abertura da semana.

Os estrangeiros estavam comprados em US$ 34,1 bilhões, em comparação com US$ 34,9 do dia 14, e os bancos seguem com uma posição pouca expressiva de US$ 2,23 bilhões (2,39 bilhões na segunda).

Ibovespa futuro

No mercado de índice futuro do Ibovespa, principal índice de ações da B3, o investidor estrangeiro segue reduzindo sua “aposta” de queda. Depois de marcar 164.902 contratos vendidos, maior em mais de uma década, em 9 de janeiro, a posição recuou brevemente a 152.628 contratos.

Na ponta de compra estão os fundos com 142.102 contratos, também um pouco menor que os 158.264 do dia 9.

Uma forma de ler as posições no Ibovespa futuro é como uma proteção (hedge) às oscilações no mercado à vista. O investidor está comprado em bolsa no mercado à vista e vai proteger essa exposição no mercado futuro vendendo contratos de Ibovespa.

No entanto, o mercado também opera o Ibovespa futuro com um ativo em si, podendo montar apostas de alta (comprado) ou de queda (vendido).

Na semana passada, discutimos se o estrangeiro estava ou não pessimista com a bolsa brasileira.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Em clima de disputa

Dez empresas brigam por usinas da EDP Brasil

Segundo analistas, faz sentido a EDP Brasil vender suas hidrelétricas, uma vez que sua prioridade no País será a geração distribuída e a transmissão de energia

O melhor do seu dinheiro

Freud, Itaú e o ETF dos millennials, o que esperar da Super Quarta, o preço da passagem espacial e outros destaques

Freud dedicou parte de seus estudos a tentar desvendar a tal “alma feminina”. Até que um dia jogou a toalha e reconheceu estar longe de responder o que, afinal, querem as mulheres. Se o pai da psicanálise vivesse hoje, imagino que o objeto de curiosidade talvez fosse outro: os chamados millennials. A expressão surgiu para […]

O tempo fechou

Crise hídrica piora clima da votação sobre privatização da Eletrobras

Na semana passada, líderes do Senado aumentaram a reação à MP e ameaçaram derrubar a proposta, pedindo até que o texto não fosse pautado

Esquenta dos Mercados

Indicadores econômicos dos EUA devem movimentar o dia, com aumento da cautela antes da ‘Super Quarta’

Depois de um pregão ignorando a Super Quarta, Ibovespa deve sentir o peso da cautela antes da decisão de política monetária no Brasil e nos EUA

E a fila aumenta

BR Partners faz registro de IPO que pode movimentar até R$ 620 milhões

Banco de investimentos fundado por Ricardo Lacerda pretende fazer uma oferta pública de Units, com faixa de preço entre R$ 16 e R$ 19

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies