Menu
2019-08-26T15:37:53-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Banco Fibra estima dólar a R$ 4 no fim de 2019 e a R$ 4,10 em 2020

Cotação anterior era de R$ 3,70 para este ano e de R$ 3,80 para o próximo. Guerra comercial e fatores domésticos explicam a revisão

26 de agosto de 2019
15:36 - atualizado às 15:37
Dólar em alta
Dólar em alta - Imagem: Shutterstock

A equipe de economia do Banco Fibra apresentou uma revisão no cenário para o dólar neste e no próximo ano. Para 2019, a taxa média subiu de R$ 3,76 para R$ 3,90 e de final de período de R$ 3,70 para R$ 4,0. Para 2020, o câmbio médio deve ficar em R$ 4,05, com taxa final em R$ 4,10 ante projeção anterior de R$ 3,80.

Vamos aos motivos da revisão. O banco lista duas fontes principais de incerteza que rondam os mercados nas duas últimas semanas e a percepção é de que esses riscos não vão se dissipar no curto prazo.

  •  o risco de recessão global com a percepção de que a desaceleração da economia dos EUA pode ser mais forte do que se antecipava anteriormente
  • o aumento das tensões comerciais entre EUA e China e a percepção de que a guerra comercial deve estender-se por muitos meses e, talvez, pelos próximos anos

Antes de seguir adiante, repito aqui algo que já falamos em outras notas sobre o dólar. Seja qual for o comportamento futuro do câmbio, é prudente você sempre manter uma exposição em dólar na sua carteira. Nós inclusive já escrevemos uma reportagem para ajudar você nessa tarefa

Na discussão sobre a recessão americana, o Fibra lembra da inversão da curva de juros, fenômeno que assustou os mercados nas últimas semanas e é tido como bom indicador antecedente de recessão. (Falamos sobre a curva invertida aqui e aqui).

Na guerra comercial, o banco lembra que o presidente Donald Trump anunciou a imposição tarifas sobre as importações chinesas, que respondeu imediatamente depreciando a sua moeda, o yuan.

Os EUA, por sua vez, acusaram a China de manipuladora de moeda, o que tem implicações/penalizações sobre o comércio exterior chinês, provocando nova depreciação do yuan pelo governo chinês e novas respostas do governo americano.

“Julgamos que o trade war/currency war deverá arrastar-se por meses e provavelmente por alguns anos, pois está muito além de mera questão comercial. Trata-se da disputa da hegemonia tecnológica do Século 21 e essa guerra deve ainda piorar ao longo do próximo ano conforme aproxima-se as eleições nos EUA”, diz o banco.

Qual impacto disso sobre o real?

Para o Fibra, o nosso real e outras moedas estão sendo permanentemente impactadas pelos fatores acima. “Ou seja, não acreditamos que tais efeitos sejam dissipados no curto prazo. Em outras palavras, julgamos que o real irá operar em novo range nos próximos meses.”

Além dos fatores externos, o Fibra também cita vetores domésticos que levam o real a permanecer estruturalmente depreciado. Entre esses fatores temos o juro real baixo, PIB potencial menor e mudança nos termos de troca.

A mediana do mercado, captada pelo Focus, mostra dólar a R$ 3,80 no fim desde ano e a R$ 3,81 em 2020.

 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

em busca de energia limpa

Criptomoedas: Elon Musk diz que Tesla vendeu 10% do que detinha em bitcoin

Segundo executivo, operação prova que a criptomoeda poder ser liquidada facilmente “sem mover o mercado”

imunização

Governo de São Paulo adianta em 30 dias vacinação contra a covid-19; veja novas datas

Plano é vacinar toda a população adulta do estado, ao menos com a primeira dose, até o dia 15 de setembro

luto

Ex-presidente do BC Carlos Langoni morre de covid-19 no Rio

Carlos Langoni trabalhou no governo na virada das décadas de 1970 e 1980, quando foi presidente do BC; ele colaborou com a equipe econômica do ministro Paulo Guedes, quase 40 anos depois

nos eua

Nova ‘ação meme’? Orphazyme dispara quase 1400% em um dia e mercado não sabe por quê

Investidores da empresa aguardam uma importante atualização sobre um tratamento experimental para a doença de Niemann-Pick; sem novidades, mercado não sabe a razão da alta

entrevista

Superávit primário pode voltar em 2024, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt diz que a melhora no quadro fiscal do País não é “sorte”; confira a entrevista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies