Menu
2019-06-22T09:48:32-03:00
Estadão Conteúdo
E falou sobre privatização...

Ex-ministro Floriano Peixoto, que assume os Correios, não vê “rebaixamento”

Ele também disse que “esta questão de privatização é algo de maior complexidade, que deverá ser estudada à frente, em melhores condições pelo presidente e até pelo Congresso. Eu não ouso dizer nada disso”

22 de junho de 2019
9:48
Correios
Correios - Imagem: Shutterstock

Escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para comandar os Correios, o general Floriano Peixoto afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que recebeu a missão de "fortalecer" a empresa, mas disse que a ideia de privatizá-la ainda está sendo estudada. Para ele, deixar o cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República para assumir a estatal não representou um "rebaixamento".

Como o sr. recebeu a notícia de que deixaria de ser de ministro para assumir os Correios?

Minha saída foi absolutamente consensual, pacífica, atendendo a uma solicitação do presidente. Eu, como soldado que sou, atendi à determinação do presidente, que tem demonstrado uma enorme confiança em mim, que diz que sou seu curinga.

Mas o sr. se sentiu rebaixado?

Não considero rebaixamento. Correios é uma empresa tradicional, histórica, com um patrimônio humano enorme e que precisa de pessoas que somem para recuperar sua saúde financeira. Não vejo a mudança como rebaixamento e isso não passa pela cabeça de ninguém, nem na minha, nem do presidente.

O presidente lhe deu a missão de preparar a empresa para privatizá-la?

Não tenho uma diretriz específica em relação a isso. O que o presidente pede é que haja um contínuo esforço no sentido de fortalecer a empresa. Esta questão de privatização é algo de maior complexidade, que deverá ser estudada à frente, em melhores condições pelo presidente e até pelo Congresso. Eu não ouso dizer nada disso.

Seu antecessor caiu porque, segundo o presidente, atuava como sindicalista, contra a privatização.

O presidente não comentou isso e não me prendo a questões do passado. Estou trabalhando para o futuro.

A saída de outro general do Planalto significa redução do poder dos militares no governo?

Não tem isso. O cargo que ocupava não é de natureza militar e aqui não é quartel. O presidente coloca quem ele quiser onde ele acha que pode render mais, de acordo com o seu preparo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Recuperação à vista?

EUA pisam fundo na vacinação e economia responde com ritmo moderado entre fevereiro e abril

Confira os destaques do Livro Bege para o período de imunização acelerada e fortalecimento dos gastos dos consumidores

Crescimento gringo

BofA passa a recomendar compra de ação da MRV, otimista com atuação da empresa nos EUA

Banco incorporou avaliação da AHS à sua análise e considera que potencial de crescimento da empresa ainda não está precificado

Ninguém escapa

Cenário turbulento afeta até mesmo os IPOs da saúde, um dos setores preferidos dos investidores

Empresas com ofertas ambiciosas tiveram de reduzir suas estimativas de preços ou adiar datas para seguir com as operações

Disparada

No embalo do recorde do bitcoin, ações da Coinbase disparam mais de 70% na estreia na Nasdaq

O CEO da empresa, Brian Armstrong, comentou mais cedo sobre a abertura de capital da Coinbase ao portal CNBC

Fura-teto?

Criticado, governo vai rever PEC que livra obras do teto

O texto não caiu bem entre economistas, parlamentares e membros do próprio governo federal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies