Menu
2019-10-07T20:07:00-03:00
Bota fora

Vivara, BMG e C&A marcarão despedida de Espaço Magliano Filho na bolsa

Espaço Raymundo Magliano Filho, o antigo pregão da Bovespa, fechará as portas, mesmo que temporariamente

7 de outubro de 2019
20:07
Cerimônia do IPO da Neoenergia
Imagem: Vinícius Pinheiro/Seu Dinheiro

Neste mês, a rede de joalheria Vivara, o banco BMG e a varejista C&A fecharão um ciclo do prédio histórico da B3 no Centro de São Paulo, na Rua XV de Novembro. O Espaço Raymundo Magliano Filho, o antigo pregão da Bovespa, fechará as portas, mesmo que temporariamente. Até março de 2020, o local passará por uma grande reforma, acompanhando a modernização dos outros prédios da B3 no centro histórico paulista, 2 anos e meio após a união de BM&FBovespa e Cetip.

Com o mercado brasileiro aquecido, as próximas empresas na fila para abrirem capital terão um espaço provisório de estreia, que já começou a ser preparado. Será no hall de entrada do prédio da B3 na Praça Antônio Prado, antiga sede da BM&F. Esse espaço era atravessado diariamente por operadores apressados para adentrarem o pregão que foi palco das saudosas negociações viva-voz, onde os profissionais se acotovelavam para garantir as melhores compras e vendas de ativos. Para o local será levado o púlpito (ou um recorte) do espaço que passará por reforma a partir do mês que vem. Essa transferência será necessária dada a simbologia do objeto, que marca a celebração da abertura de capital de uma empresa, comenta a diretora de Recursos Humanos da B3, Ana Buchaim.

Por trás dessa logística, contudo, a história é maior. A reforma dos prédios da antiga BM&FBovespa tem como pano de fundo a consolidação da marca B3, algo que para os funcionários e mercado já é bastante concreto, comenta Buchaim. Todo o processo de "retrofit" dos edifícios, ambos tombados como patrimônio histórico, custará cerca de R$ 150 milhões à empresa e a reforma terminará no fim de 2020.

Além dos dois prédios, também será reformado um edifício recém adquirido, que faz divisa com sua sede, na praça Antônio Prado. No centro, o prédio é conhecido por estampar em sua fachada 13 moedas douradas gigantes, de réis e cruzeiros, que remetem à época do Império até a República.

Como o prédio "das moedas" é colado ao prédio da sede, alguns andares poderão ser unidos. Com mais espaço, a B3 poderá trazer seus funcionários que ainda estão na unidade de Alphaville, uma das heranças da antiga Cetip. A novidade garantirá ainda vida nova à Rua João Brícola. Essa é a mesma rua em que está localizado o Farol Santander, antigo prédio do Banespa, ponto turístico da cidade. O prédio da Bolsa também atrai turistas que visitam o centro paulista.

Depois da fusão, em 2017, cogitou-se a possibilidade da nova empresa, fruto da união de Cetip e BM&FBovespa, deixar o centro e migrar para um prédio que pudesse acomodar toda a companhia. A decisão, no final, foi manter a sede no centro, até por conta de sua história, porém reformulando integralmente os prédios, para atualizá-los.

Questão de cultura

A executiva de RH da B3 diz que desde o momento da fusão, a cultura da empresa tem sido a proximidade com os clientes. Internamente, o trabalho é deixar os funcionários cada vez mais engajados, com o sentimento de "pertencimento". A reforma, que unirá ambientes e derrubará paredes que dividem hierarquias, por exemplo, buscará retratar essa cultura, que já roda os corredores da B3, que começam a, fisicamente, serem reformados. Ana Buchaim diz que outra intenção é trazer os clientes e o público para dentro da companhia e que haverá novos espaços que contemplarão essa meta.

A reforma começou, na prática, no fim do ano passado e o sétimo andar do prédio da Rua XV de Novembro já está pronto. O ambiente já está preparado para tornar o dia a dia corporativo mais ágil, tornar reuniões mais céleres e facilitar a comunicação, sem lugares marcados para os funcionários. A B3 possui hoje 2,2 mil funcionários, sendo que 1,9 mil estão aptos ao trabalho remoto.

Nesta segunda, para marcar a despedida do Espaço Magliano Filho, a B3 lotou o espaço com seus funcionários. Além de bandas que se apresentaram, a B3 chamou oito artistas que participam de um "Art-Battle". Os funcionários escolherão aquelas que serão estampadas nas paredes dos dois prédios da B3.

Tanto o prédio da XV, quanto da Praça, são da década de 1940. O situado no número 275 da Rua 15 de Novembro, no centro velho de São Paulo, pertencia ao extinto Banco do Comércio da Indústria (Comind), que perdeu o prédio devido à liquidação extrajudicial em 1985. O edifício da sede, por sua vez, na Praça, foi um dos primeiros prédios de escritórios de São Paulo. Batizado de Palacete Martinico Prado foi projetado por Ramos de Azevedo, a pedido do então prefeito Antônio Prado. O local já foi sede do Citibank. Ainda antes, no local ficava a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Entrevista exclusiva

O presidente da Mastercard diz como você vai pagar suas compras após a pandemia

Além do aumento do uso de meios eletrônicos nas compras, João Pedro Paro Neto aposta na consolidação dos pagamentos por aproximação e menor uso do dinheiro de papel

Novos dados

Brasil tem 374.898 casos confirmados e 23.473 óbitos de covid-19

Até o momento, 153.833 pacientes estão recuperados da covid-19

seu dinheiro na sua noite

Descompressão geral

Caro leitor, Hoje foi dia de alívio geral nos mercados brasileiros, em continuidade ao movimento iniciado no mercado futuro na última sexta-feira, após a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril. O entendimento do mercado é de que não havia fatos novos no vídeo que pudessem trazer mais preocupações à governabilidade, e […]

Olho no balanço

Magazine Luiza tem lucro líquido de R$ 30,8 milhões no 1T, em queda de 77%

Empresa estima que as lojas físicas deixaram de vender cerca de R$ 500 milhões nos últimos dias de março com o fechamento pelas medidas de isolamento social

Concessões rodoviárias

Ministro volta a afastar prorrogação de rodovias perto de fim da concessão

Aumentar o prazo de concessão é uma das formas de o governo reequilibrar contratos que foram afetados pela pandemia do novo coronavírus

Mudança de foco

Após 3 anos, CPFL deixa mercado de geração distribuída solar residencial

Grupo, controlado pela estatal chinesa State Grid, optou por focar os seus esforços no mercado de GD solar para grandes consumidores por meio da CPFL Soluções

Ex-ministro da Fazenda

Reabertura da economia não está para ser anunciada na Grande SP, diz Meirelles

O secretário da Fazenda e do Planejamento do Estado de São Paulo, Henrique Meirelles, disse nesta segunda-feira, 25, que o governo estadual “não está para anunciar” uma reabertura da economia na Região Metropolitana de São Paulo

Mercados tranquilos

Alívio generalizado: Ibovespa dispara e dólar cai a R$ 5,45 na sessão pós-vídeo

O Ibovespa foi às máximas desde 10 de março e o dólar à vista chegou à menor cotação em maio. Os investidores aproveitaram o feriado nos EUA para focar nas questões domésticas — com destaque para o vídeo da reunião ministerial, divulgado no fim da tarde de sexta

Presidente falou hoje

Bolsonaro atribui imagem ruim à ‘imprensa mundial de esquerda’

A declaração foi dada na manhã desta segunda-feira, 25, a uma apoiadora que o recomendou usar a Secretaria Especial de Comunicação para fazer propaganda positiva

otimismo apesar de covid-19

Vamos arrebentar na venda de aeroportos, vamos conseguir vender todos, diz ministro

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, demonstrou nesta segunda-feira, 25, otimismo com os próximos leilões de aeroportos, mesmo diante da pandemia, que afeta bruscamente a aviação civil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements