Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
2019-12-12T08:37:32-03:00
SEU MENTOR DE INVESTIMENTOS

Um mercador e workaholic de 78 anos

A época em que mais trabalhei em minha vida foi durante o bull market de ações ocorrido no Brasil de 1969 a 1971. Eu chegava no escritório às seis da manhã (não podia ser antes pois o prédio só abria às seis) e saía tarde da noite.

4 de fevereiro de 2019
11:36 - atualizado às 8:37
Ivan Sant’Anna
Ivan Sant’Anna - Imagem: Divulgação

Caro leitor,

De vez em quando, um dos leitores de minhas newsletters escreve perguntando: “Como é que você tem disposição para o trabalho aos 78 anos de idade?”

Acho que posso dar uma resposta abrangente para todos que questionam isso: “Se não gostasse tanto de trabalhar, acho que não teria chegado aos 78. São trinta e sete anos de cigarros (parei em 1990) , toneis e mais toneis de Jack Daniel’s, diabetes, arritmia cardíaca, hipertensão arterial...”

Aos domingos, escrevo esta coluna Os Mercadores da Noite. Na segunda, terça e quarta-feira, a Warm Up PRO. Na quinta e na sexta, trabalho em uma ficção, ainda sem nome, ambientada no mercado financeiro do Brasil. No sábado, colaboro com o Trading Journal que sai às segundas.

Cada um desses escritos é precedido de uma série de pesquisas. Às vezes opto por temas atuais. Em outras, por assuntos não casuísticos, como o de hoje. Também leio. Leio muito. Ficções, não-ficções, biografias. Mais de 50 livros por ano, boa parte deles tijolaços.

Acontece que no mercado financeiro quase todo mundo é obcecado pelo trabalho. O dia é curto para a gente. Basta dar um pulo às dez horas da noite no escritório da Inversa, ou na trading desk de alguma instituição financeira. Vai encontrar gente trabalhando.

Às vezes, envio à meia-noite um texto para a Inversa. Sempre peço para que alguém acuse o recebimento. E não raro a resposta chega na hora:

“Recebido, Ivan. Bom trabalho. Estamos aqui programando o schedule da semana que vem.”

Tenho um amigo, Antonio Carlos de Andrade, que trabalhou comigo na corretora Fator e na financeira Decred no final dos anos 1960. Não é que ele me enviou um WhatsApp outro dia me “acusando” de ser workaholic desde aquela ocasião.

O bull market de 1969

A época em que mais trabalhei em minha vida foi durante o bull market de ações ocorrido no Brasil de 1969 a 1971. Eu chegava no escritório às seis da manhã (não podia ser antes pois o prédio só abria às seis) e saía tarde da noite.

Em maio de 1970, voltando para casa, desmaiei ao volante, no Aterro do Flamengo. Felizmente, antes, ao começar a me sentir tonto, deu para parar o carro. Depois, só fui abrir os olhos no setor de emergência de um hospital.

“Estafa, pura estafa, nada mais do que estafa”, diagnosticou o médico. Como tratamento, impôs um mês de férias. Fui então para o México, assistir à Copa do Mundo, achando que a Fator, da qual eu era sócio, diretor operacional e floor trader, iria falir sem a minha presença.

Não é que quando voltei, após o tricampeonato, os negócios haviam melhorado. Eu não era tão imprescindível assim.

Quando o bull market terminou, no inverno de 1971, passei a trabalhar no open. Foi a época em que mais se lucrou no mercado e, ao mesmo tempo, se trabalhou menos. Entre 9 e meio-dia, se negociava dinheiro. De 16 às 17 horas, comprávamos e vendíamos papéis do Tesouro. E só.

Éramos conhecidos pejorativamente pelo colunista Zózimo Barrozo do Amaral como “gravatinhas”. Fortunas surgiram da noite para o dia.

Algumas prevalecem até hoje.

E como se esbanjava dinheiro.

Pegar um avião na noite de sexta-feira para ver o Fluminense jogar um amistoso em Sevilha, na Espanha, ou assistir a um Grand Prix de Fórmula 1 em Johanesburgo, na África do Sul, sempre voando de primeira classe, era rotina em minha vida.

No meu caso, a esbórnia acabou no final da tarde de 11 de maio de 1977, quando o Banco Central decretou intervenção no Banco Independência. Paguei do meu bolso o prejuízo das pessoas que haviam comprado, da Fator, CDBs do banco.

Fiquei sem praticamente um centavo. Vivia do salário de minha primeira mulher.

Após um período sabático, ou sorumbático, que durou um ano, comecei a operar nos mercados internacionais de futuros e commodities. Atuava como broker e como trader. Só aceitava clientes altamente especulativos, gente que arriscava 100 ou 200 mil dólares para ganhar no mínimo um milhão.

Para outros, ainda mais audaciosos, eu vendia o tempo. Explicando melhor: shorteava calls e puts, operação na qual o ganho é limitado e o prejuízo, infinito.

Não vou citar nomes (os caras podem não gostar), mas entre meus especuladores havia gente conhecida, muitos famosos até hoje.

Só larguei o mercado quando me apaixonei por duas pessoas, dois homens. Seus nomes: Julius Clarence e Clive Maugh. Quem leu o livro Os Mercadores da Noite sabe de quem estou falando. Por eles, troquei os números pelas letras.

Nunca mais tive moleza, como nos tempos do open, nem quis ter. Passei a achar ver televisão, ir ao cinema, almoçar ou jantar fora, dormir..., um desperdício de tempo. Essas atividades me davam sensação de culpa.

A Os Mercadores... seguiram-se Rapina, Armadilha para Mkamba, Caixa-preta, Plano de ataque, 1929 e mais outros doze livros.

No início de 2017, comecei a trabalhar para a Inversa. Além desta coluna, não por coincidência chamada Os Mercadores da Noite, colaboro com o Trading Journal e escrevo artigos para a Warm Up PRO. Como se não bastasse, participo, sempre na Inversa, de cursos e aulas presenciais.

Em todas essas oportunidades procuro transmitir minhas experiências, falando sobre as grandes tacadas que dei e as tamancadas desmoralizantes que levei no lombo.

Este ano, a Inversa irá lançar um projeto inédito meu, e não reedições de livros como Os Mercadores da Noite e 1929. Só que, como já está concluído e entregue, estou trabalhando no próximo projeto. Depois emendarei com outro e ainda mais um outro.

Talvez mais. Vai depender do coração, não no sentido sentimental, mas do comportamento da víscera (que era como o poeta João Cabral de Melo Neto o chamava). Nós, os mercadores do dinheiro, somos assim.

Como escreveram Ataulfo Alves e Mário Lago, em Ai que Saudades da Amélia, "...o que se há de fazer.”

(Esta coluna foi publicada na Inversa Publicações. Para acompanhar os conteúdos gratuitos do Ivan Sant'Anna na Inversa, entre aqui. Ele também escreve uma newsletter matinal chamada Warm Up Pro, para experimentar, acesse aqui.)

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

O IMPACTO DO VÍRUS

Como o coronavírus pode impactar a economia chinesa

“Agora, crescem as preocupações de que as proibições de viagens em vigor começarão a ter um grande impacto na economia, com alguns falando em queda de um ponto percentual ou mais para o PIB chinês no primeiro trimestre de 2020”, escreveu Edward Moya, analista de mercado sênior da Oanda

REFORMAS

Reformas tributária e administrativa podem ir juntas ao Congresso

Em sua fala, o presidente reafirmou a necessidade de reduzir os impostos e destacou que Estados e municípios têm autonomia e independência para alterar alguns impostos. “Não culpe só a mim”

MAIS CASOS CONFIRMADOS

Novo coronavírus já infectou mais de 2 mil pessoas ao redor do mundo

Também há casos confirmados da doença nos Estados Unidos, Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Vietnã, Cingapura, Malásia, Nepal, França e Austrália

MAIS DESINVESTIMENTOS?

Oi contrata Bank of America para acelerar venda de telefonia móvel, diz jornal

De acordo com o jornal O Globo, a companhia espera obter R$ 15 bilhões com o negócio

PENSATA DE DOMINGO

Nunca é tarde para entrar na bolsa. Será?

Hoje quero falar sobre a visão que eu e o Rodolfo compartilhamos para o ano de 2020. E, claro, o que você deve fazer com seus investimentos para chegar à aposentadoria precoce.

CORONAVÍRUS

Xi Jinping alerta para a ‘grave situação’ criada pela disseminação ‘acelerada’ do novo coronavírus

Até agora, as autoridades disseram que a doença já infectou mais de 1.300 pessoas e matou 41. Mas a Comissão Nacional de Saúde anunciou que 237 pacientes estão em condições graves

ECONOMIA

‘Recessão profunda torna retomada lenta’, diz economista do Insper

“Um ponto a se considerar é que, somando com os resultados de 2018, já são quase 1,2 milhão de empregos desde a crise. O mercado de trabalho demorou para responder, porque a recessão foi muito profunda, mas está respondendo”, falou Sergio Fripo

AINDA SOBRE A 'CAIXA-PRETA'

TCU dá 20 dias para BNDES explicar auditoria milionária da ‘caixa-preta’

Após um ano e dez meses focado em oito operações com as empresas JBS, Bertin, Eldorado Brasil Celulose, a auditoria não apontou nenhuma irregularidade

DE OLHO NA VALE

Vale paga multas ao governo mineiro, mas questiona cobranças do Ibama

De acordo com dados da Semad, foram aplicados até o momento 11 autos de infração em decorrência do rompimento da barragem no dia 25 de janeiro de 2019

OLHO NAS STARTUPS

Volume de aportes em startups do País cresce 80% e atinge US$ 2,7 bi em 2019

O número de aportes, por sua vez, cresceu 8,3% na comparação com 2018, mas não bateu recordes – em 2017, foram 263 investimentos no País, mas com valor individual menor, totalizando US$ 905 milhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements