Menu
2019-04-04T14:50:28-03:00
Estadão Conteúdo
Que Temer, que nada!

Quem fez a bolsa cair foi o governo, diz líder do PSL na Câmara

Delegado Waldir apontou que humor do mercado mudou após o projeto de lei que reestrutura a previdência dos militares ser entregue ao Congresso

21 de março de 2019
14:18 - atualizado às 14:50
Delegado Waldir, PSL
Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), disse nesta quinta-feira, 21, que o responsável pelo mau desempenho da Bolsa na quarta-feira e na quinta é o governo do presidente Jair Bolsonaro. A declaração do deputado foi dada ao ouvir da reportagem que a decisão do PSL de adiar a escolha do relator da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ) fez a Bolsa cair.

Mas ele rebateu: "Quem fez a Bolsa cair foi o governo", em referência ao teor do projeto de lei que reestrutura a previdência dos militares entregue na quarta ao Congresso.

Waldir criticou parte do projeto. Segundo ele, era esperada uma economia muito maior com a proposta, mas a reestruturação fez, na verdade, subir o gasto. A ideia inicial era que as mudanças pudessem cortar custos da ordem de R$ 97 bilhões. Porém, o texto entregue estima uma economia de R$ 86,8 bilhões.

O deputado explicou que o seu partido, o mesmo do presidente, e outras siglas decidiram adiar a escolha do relator na CCJ porque os líderes precisam saber do governo se haverá "equidade" entre a categoria dos militares e as outras carreiras. "Esperamos que o governo envie equipes técnicas para explicar melhor a proposta e possamos prosseguir".

A escolha do nome do relator na CCJ estava programada para ocorrer nesta quinta, segundo havia informado o presidente da comissão, Felipe Francischini (PSL-PR). No entanto, mais cedo o PSL formalizou em nota que adiará a escolha.

"Depois de uma reunião com líderes partidários, ficou acordado que não haverá a indicação do relator até que o governo, através do Ministério da Economia, apresente um esclarecimento sobre a reforma e a reestruturação dos militares", diz a nota.

Waldir disse que se reuniu na quarta com Francischini para tratar do assunto. Como o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) mostrou na quarta, a indicação pode ficar para a semana que vem. A tramitação da reforma só terá início quando a CCJ definir o relator e o calendário de trabalho.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

reação

Wiz institui comitê para investigar denúncias de fraudes e desvios

Sede da corretora de seguros foi alvo de operação da Polícia Federal que investiga organização criminosa

PREÇOS EM ALTA

IGP-M sobe 3,28% em novembro e fica acima das estimativas

Índice referência para reajuste de contratos de aluguel acelera ante leitura de outubro e acumula alta de 21,97% no ano, diz FGV

Esquenta dos mercados

Tensão com vacina e otimismo com dados chineses se chocam; investidores locais monitoram IGP-M

O cenário de cautela e otimismo se chocam no exterior. De um lado, a China parece se recuperar do coronavírus, de outro, a pandemia ainda parece longe de um fim. Com feriado nos Estados Unidos, liquidez deve seguir baixa

capítulo final

Acionistas da Klabin aprovam acordo para encerrar pagamentos para uso da marca

Dona da marca que dá nome à empresa, Sogemar será incorporada, em acordo que envolve repasse de ações

NÚMEROS DA PANDEMIA

Covid-19: Brasil tem 171 mil mortes e 6,2 milhões de casos acumulados

Nas últimas 24 horas foram apurados 37.614 diagnósticos positivos para a doença e 691 óbitos, diz Ministério da Saúde

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies