Menu
2019-04-05T15:45:45-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Na trave!

Em dia histórico, Ibovespa bate o recorde de 100 mil pontos, mas perde força e fecha a apenas 6 pontos da marca

Em semana com grandes expectativas em torno da reforma da Previdência e decisões sobre juros no Brasil e EUA, bolsa brasileira finalmente supera marca histórica de 100 mil pontos, mas fecha um pouquinho abaixo; dólar termina pregão em queda

18 de março de 2019
10:21 - atualizado às 15:45
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Bolsa supera marca psicológica e bate recorde intraday, mas perde força no fim do dia. - Imagem: Seu Dinheiro

Hoje foi um dia histórico para a bolsa brasileira. Depois de muita expectativa, o Ibovespa bateu a marca psicológica dos 100 mil pontos, atingindo os seis dígitos pela primeira vez. Foi às 14h44 que o principal índice da bolsa brasileira superou a marca, subindo 0,88% e chegando a 100.006 pontos. Na máxima do dia, o índice chegou a 100.037 pontos, novo recorde intraday.

A marca, entretanto, não se sustentou por muito tempo. A bolsa perdeu força e terminou o dia batendo na trave, fechando com alta de 0,86%, aos 99.994 pontos. Mesmo assim, trata-se de um novo recorde de fechamento. Já o dólar à vista, por sua vez, fechou em queda de 0,76%, a R$ 3,7914, em linha com a cotação da moeda americana frente a outras divisas.

O mercado doméstico operou com otimismo nesta segunda (18), com as atenções voltadas para o andamento da reforma da Previdência. O mercado entende que o governo tem feito esforços para conseguir o apoio de parlamentares. Há grande expectativa pela entrega da proposta para os militares, na próxima quarta-feira (20).

Pela manhã, o presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) na Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR), afirmou que o mais "executável" é que a Nova Previdência seja votada no colegiado por volta do dia 3 de abril. Ele deve indicar o relator da reforma na CCJ ainda nesta semana, logo após o envio da proposta dos militares ao Congresso.

Os juros futuros fecharam em queda, com a queda do dólar, a alta da bolsa, o aumento do apetite por risco no exterior e as perspectivas de crescimento mais fraco para 2019, conforme mostraram os dados do Focus e do IBC-Br. O DI para janeiro de 2020 caiu 0,31% para 6,355%; o DI para janeiro de 2023 recuou 0,62% para 8,00%; e o DI para janeiro de 2025 teve queda de 0,58%, para 8,54%.

O dia foi de otimismo também no exterior. O Dow Jones fechou em alta de 0,25%, aos 25.913 pontos; o S&P500 terminou o dia com valorização de 0,37%, aos 2.822 pontos; e a Nasdaq fechou com ganho de 0,34%, aos 7.714 pontos.

Os mercados internacionais operaram na expectativa de que o Fed, o banco central americano, se mantenha "dovish" na reunião da próxima quarta-feira, pegando leve no movimento de alta nos juros do país.

A previsão é de que o Fed mantenha os juros americanos na faixa entre 2,25% e 2,50% ao ano e de que também reduza as projeções para futuros aumentos, assim como para o crescimento econômico dos Estados Unidos.

Espera-se, ainda, que o BC americano interrompa o processo de redução do seu balanço patrimonial, formado por US$ 3,9 trilhões em títulos.

As bolsas da Europa fecharam majoritariamente em alta nesta segunda-feira, com ganhos liderados pela bolsa de Londres, depois que a terceira votação do Brexit, esperada para amanhã, foi barrada pelo presidente da Câmara dos Comuns do Reino Unido. Para o dirigente, a votação só deve ocorrer após mudanças no texto que já foi rejeitado duas vezes no Parlamento.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,27%, aos 382 pontos. A libra esterlina se enfraqueceu frente ao dólar.

Churrasco em alta

As ações dos frigoríficos operaram em alta nesta segunda-feira, dando continuidade a um movimento iniciado na última sexta, diante da expectativa de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tente acordo com os EUA para incentivar a importação de carne pelos americanos durante a viagem do presidente Jair Bolsonaro ao país nesta segunda.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, tem um encontro agendado amanhã com o chefe do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), Sonny Perdue, a fim de pedir para retirar as suspensões de importação de carne bovina, que já vem de dois anos.

As ações da Minerva (BEEF3) fecharam em alta de 6,10%, do Marfrig (MRFG3) subiram 4,00%. As duas maiores altas do Ibovespa nesta segunda-feira foram as das ações da BRF (BRFS3), que fecharam com ganho de 4,82%, e as da JBS (JBSS3), que avançaram 4,71%.

A BRF, no caso, também foi impulsionada pela alta no preço das aves, após o pior surto de peste suína já registrado na China, além de uma recomendação de compra do Bradesco BBI.

A boa do Carnaval

As ações da Ambev (ABEV3) fecharam em alta de 3,28%, depois que o Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja disse que as vendas da indústria cervejeira durante o Carnaval somaram aproximadamente 1,3 bilhão de litros, melhor resultado para o período em quatro anos. Foi quase 10% do volume de vendas esperado para o ano.

Blue chips em alta - exceto Vale e BB

Entre as principais blue chips, as ações da Petrobras fecharam em alta de 2,02% (PETR3) e 1,73% (PETR4), em dia de vencimento de opções sobre ações, diante da alta do petróleo e da expectativa dos 100 mil pontos. Já as ações da Eletrobras fecharam em alta de 0,19% (ELET3) e 0,91% (ELET6).

Os papéis da Vale (VALE3), por sua vez, fecharam em baixa 0,18%, depois que a Justiça de Nova Lima (MG) ter bloqueado recursos no valor de R$ 1 bilhão e ter determinado que a mineradora terá de arcar com custos de assistência à população da região de Macacos, evacuada em fevereiro pela empresa, como parte do plano de ação após o rompimento da barragem em Brumadinho.

Além disso, na sexta-feira, a Vale anunciou que as operações da mina de Timbopeba foram suspensas, gerando um impacto de 12,8 milhões de toneladas de minério de ferro por ano.

A crise na Vale beneficia as operações de mineração da CSN. As ações da siderúrgica (CSNA3) fecharam em alta de 4,42% nesta segunda, dobrando seu valor de mercado em 12 meses, de R$ 11 bilhões para R$ 22 bilhões.

A alta dos preços internacionais do aço e do minério de ferro beneficiam a companhia, que também vem sendo puxada pelos bons resultados do quarto trimestre de 2018, bem como pelos planos da companhia para o ano.

No embalo, outras siderúrgicas também fecharam em alta: as ações da Gerdau (GGBR4) avançaram 2,71%, e as da Usiminas (USIM5) tiveram alta de 2,17%.

Em relatório divulgado hoje para os setores de mineração e siderurgia, o Credit Suisse fez uma projeção de queda de 2% na produção mundial de aço em cada um dos próximos anos. Caso a não haja demanda suficiente por parte da China, essa queda pode ser ainda maior, o que pode manter os preços do aço em patamares elevados.

Os bancos fecharam majoritariamente em alta, com exceção do BB (BBAS3), que recuou 0,76%. Itaú (ITUB4) subiu 0,16%, Santander (SANB11) avançou 0,24% e Bradesco teve ganho de 0,73% (BBDC3) e 0,53% (BBDC4).

As ações da Cosan (CSAN3) fecharam com ganho de 1,63%, após a XP Investimentos iniciar a cobertura do papel com recomendação de compra. O preço-alvo da ação é de R$ 60, o que reflete um ganho potencial de 35%.

Tanure na Gafisa

Fora do Ibovespa, as ações da Gafisa (GFSA3) fecharam em alta de 11,44%, diante da indicação de Nelson Tanure para participar do seu conselho de administração. O empresário é conhecido pela compra de ações em companhias que caminham para a recuperação judicial.

De acordo com reportagem do jornal "Valor Econômico" nesta manhã, Tanure estaria negociando compra de participação na incorporadora.

Além disso, a Planner pediu aos acionistas que autorizem o atual conselho de administração da Gafisa a contratar um banco ou consultoria para elaborar novo plano estratégico de longo prazo para a companhia.

Maior queda do dia

O destaque negativo de hoje ficou por conta da BR Malls (BRML3), que recuou 1,21%, a maior queda do Ibovespa. A queda ainda é reflexo dos resultados do quarto trimestre de 2018, que trouxe alguns dados negativos, como a dificuldade na recuperação dos aluguéis cobrados dos lojistas e o aumento das despesas administrativas.

O aluguel por metro quadrado nos shoppings caiu 3,8% entre o quarto trimestre de 2017 e o quarto trimestre de 2018. Já o lucro operacional dos shoppings (NOI) por metro quadrado caiu 4,8% na mesma base de comparação.

Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

seu dinheiro na sua noite

IPO da Smart Fit: vai sair da jaula o monstro!

Eu nunca fui muito de academia, confesso. Já tive meus tempos de malhar regularmente, mas nunca consegui tomar gosto pela coisa. Exercícios repetitivos não me cativam, meu negócio sempre foi dançar, de preferência em turma, com professor e horário, se não eu falto. Como você deve imaginar, entre meus colegas jornalistas não é muito diferente. […]

atenção, acionista

Vale eleva valor de dividendo a ser em pago em 30 de junho para R$ 2,189 por ação

No dia 17 de junho, a empresa tinha informado o pagamento de R$ 2,177 de dividendo por ação; demais condições da distribuição não serão alteradas

de olho na inovação

Moeda digital é nova forma de representação da moeda já emitida, diz Campos Neto

Segundo ele, ela não se confunde com os criptoativos, como o bitcoin, que não têm característica de moeda, mas sim de ativos

em audiência

Yellen diz esperar apoio do G-20 para proposta de imposto corporativo global

Grupo das 20 maiores economias do mundo se reúne em julho e deve debater o assunto

retomada

PIB da Argentina sobe 2,6% no 1º trimestre

Na comparação com igual período do ano passado, o avanço foi de 2,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies