Menu
2019-04-05T15:45:45-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Na trave!

Em dia histórico, Ibovespa bate o recorde de 100 mil pontos, mas perde força e fecha a apenas 6 pontos da marca

Em semana com grandes expectativas em torno da reforma da Previdência e decisões sobre juros no Brasil e EUA, bolsa brasileira finalmente supera marca histórica de 100 mil pontos, mas fecha um pouquinho abaixo; dólar termina pregão em queda

18 de março de 2019
10:21 - atualizado às 15:45
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Bolsa supera marca psicológica e bate recorde intraday, mas perde força no fim do dia. - Imagem: Seu Dinheiro

Hoje foi um dia histórico para a bolsa brasileira. Depois de muita expectativa, o Ibovespa bateu a marca psicológica dos 100 mil pontos, atingindo os seis dígitos pela primeira vez. Foi às 14h44 que o principal índice da bolsa brasileira superou a marca, subindo 0,88% e chegando a 100.006 pontos. Na máxima do dia, o índice chegou a 100.037 pontos, novo recorde intraday.

A marca, entretanto, não se sustentou por muito tempo. A bolsa perdeu força e terminou o dia batendo na trave, fechando com alta de 0,86%, aos 99.994 pontos. Mesmo assim, trata-se de um novo recorde de fechamento. Já o dólar à vista, por sua vez, fechou em queda de 0,76%, a R$ 3,7914, em linha com a cotação da moeda americana frente a outras divisas.

O mercado doméstico operou com otimismo nesta segunda (18), com as atenções voltadas para o andamento da reforma da Previdência. O mercado entende que o governo tem feito esforços para conseguir o apoio de parlamentares. Há grande expectativa pela entrega da proposta para os militares, na próxima quarta-feira (20).

Pela manhã, o presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) na Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR), afirmou que o mais "executável" é que a Nova Previdência seja votada no colegiado por volta do dia 3 de abril. Ele deve indicar o relator da reforma na CCJ ainda nesta semana, logo após o envio da proposta dos militares ao Congresso.

Os juros futuros fecharam em queda, com a queda do dólar, a alta da bolsa, o aumento do apetite por risco no exterior e as perspectivas de crescimento mais fraco para 2019, conforme mostraram os dados do Focus e do IBC-Br. O DI para janeiro de 2020 caiu 0,31% para 6,355%; o DI para janeiro de 2023 recuou 0,62% para 8,00%; e o DI para janeiro de 2025 teve queda de 0,58%, para 8,54%.

O dia foi de otimismo também no exterior. O Dow Jones fechou em alta de 0,25%, aos 25.913 pontos; o S&P500 terminou o dia com valorização de 0,37%, aos 2.822 pontos; e a Nasdaq fechou com ganho de 0,34%, aos 7.714 pontos.

Os mercados internacionais operaram na expectativa de que o Fed, o banco central americano, se mantenha "dovish" na reunião da próxima quarta-feira, pegando leve no movimento de alta nos juros do país.

A previsão é de que o Fed mantenha os juros americanos na faixa entre 2,25% e 2,50% ao ano e de que também reduza as projeções para futuros aumentos, assim como para o crescimento econômico dos Estados Unidos.

Espera-se, ainda, que o BC americano interrompa o processo de redução do seu balanço patrimonial, formado por US$ 3,9 trilhões em títulos.

As bolsas da Europa fecharam majoritariamente em alta nesta segunda-feira, com ganhos liderados pela bolsa de Londres, depois que a terceira votação do Brexit, esperada para amanhã, foi barrada pelo presidente da Câmara dos Comuns do Reino Unido. Para o dirigente, a votação só deve ocorrer após mudanças no texto que já foi rejeitado duas vezes no Parlamento.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,27%, aos 382 pontos. A libra esterlina se enfraqueceu frente ao dólar.

Churrasco em alta

As ações dos frigoríficos operaram em alta nesta segunda-feira, dando continuidade a um movimento iniciado na última sexta, diante da expectativa de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tente acordo com os EUA para incentivar a importação de carne pelos americanos durante a viagem do presidente Jair Bolsonaro ao país nesta segunda.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, tem um encontro agendado amanhã com o chefe do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), Sonny Perdue, a fim de pedir para retirar as suspensões de importação de carne bovina, que já vem de dois anos.

As ações da Minerva (BEEF3) fecharam em alta de 6,10%, do Marfrig (MRFG3) subiram 4,00%. As duas maiores altas do Ibovespa nesta segunda-feira foram as das ações da BRF (BRFS3), que fecharam com ganho de 4,82%, e as da JBS (JBSS3), que avançaram 4,71%.

A BRF, no caso, também foi impulsionada pela alta no preço das aves, após o pior surto de peste suína já registrado na China, além de uma recomendação de compra do Bradesco BBI.

A boa do Carnaval

As ações da Ambev (ABEV3) fecharam em alta de 3,28%, depois que o Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja disse que as vendas da indústria cervejeira durante o Carnaval somaram aproximadamente 1,3 bilhão de litros, melhor resultado para o período em quatro anos. Foi quase 10% do volume de vendas esperado para o ano.

Blue chips em alta - exceto Vale e BB

Entre as principais blue chips, as ações da Petrobras fecharam em alta de 2,02% (PETR3) e 1,73% (PETR4), em dia de vencimento de opções sobre ações, diante da alta do petróleo e da expectativa dos 100 mil pontos. Já as ações da Eletrobras fecharam em alta de 0,19% (ELET3) e 0,91% (ELET6).

Os papéis da Vale (VALE3), por sua vez, fecharam em baixa 0,18%, depois que a Justiça de Nova Lima (MG) ter bloqueado recursos no valor de R$ 1 bilhão e ter determinado que a mineradora terá de arcar com custos de assistência à população da região de Macacos, evacuada em fevereiro pela empresa, como parte do plano de ação após o rompimento da barragem em Brumadinho.

Além disso, na sexta-feira, a Vale anunciou que as operações da mina de Timbopeba foram suspensas, gerando um impacto de 12,8 milhões de toneladas de minério de ferro por ano.

A crise na Vale beneficia as operações de mineração da CSN. As ações da siderúrgica (CSNA3) fecharam em alta de 4,42% nesta segunda, dobrando seu valor de mercado em 12 meses, de R$ 11 bilhões para R$ 22 bilhões.

A alta dos preços internacionais do aço e do minério de ferro beneficiam a companhia, que também vem sendo puxada pelos bons resultados do quarto trimestre de 2018, bem como pelos planos da companhia para o ano.

No embalo, outras siderúrgicas também fecharam em alta: as ações da Gerdau (GGBR4) avançaram 2,71%, e as da Usiminas (USIM5) tiveram alta de 2,17%.

Em relatório divulgado hoje para os setores de mineração e siderurgia, o Credit Suisse fez uma projeção de queda de 2% na produção mundial de aço em cada um dos próximos anos. Caso a não haja demanda suficiente por parte da China, essa queda pode ser ainda maior, o que pode manter os preços do aço em patamares elevados.

Os bancos fecharam majoritariamente em alta, com exceção do BB (BBAS3), que recuou 0,76%. Itaú (ITUB4) subiu 0,16%, Santander (SANB11) avançou 0,24% e Bradesco teve ganho de 0,73% (BBDC3) e 0,53% (BBDC4).

As ações da Cosan (CSAN3) fecharam com ganho de 1,63%, após a XP Investimentos iniciar a cobertura do papel com recomendação de compra. O preço-alvo da ação é de R$ 60, o que reflete um ganho potencial de 35%.

Tanure na Gafisa

Fora do Ibovespa, as ações da Gafisa (GFSA3) fecharam em alta de 11,44%, diante da indicação de Nelson Tanure para participar do seu conselho de administração. O empresário é conhecido pela compra de ações em companhias que caminham para a recuperação judicial.

De acordo com reportagem do jornal "Valor Econômico" nesta manhã, Tanure estaria negociando compra de participação na incorporadora.

Além disso, a Planner pediu aos acionistas que autorizem o atual conselho de administração da Gafisa a contratar um banco ou consultoria para elaborar novo plano estratégico de longo prazo para a companhia.

Maior queda do dia

O destaque negativo de hoje ficou por conta da BR Malls (BRML3), que recuou 1,21%, a maior queda do Ibovespa. A queda ainda é reflexo dos resultados do quarto trimestre de 2018, que trouxe alguns dados negativos, como a dificuldade na recuperação dos aluguéis cobrados dos lojistas e o aumento das despesas administrativas.

O aluguel por metro quadrado nos shoppings caiu 3,8% entre o quarto trimestre de 2017 e o quarto trimestre de 2018. Já o lucro operacional dos shoppings (NOI) por metro quadrado caiu 4,8% na mesma base de comparação.

Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

de olho na agenda

Congresso sacramenta decisão de levar Orçamento para plenário e abre prazo para emendas

Cúpula do Legislativo tenta afastar o “fantasma” do shutdown; Se a LDO não for aprovada ainda neste ano, o governo fica sem autorização para realizar despesas básicas em janeiro, como salários e aposentadorias

em brasília

Mourão diz que parte dos assessores de Bolsonaro distorce fatos

Vice-presidente afirmou nesta sexta-feira que existe “certa incompreensão” no seu relacionamento com o chefe do Executivo

seu dinheiro na sua noite

Free Solo: Ibovespa escala para perto da marca histórica

Com imagens de tirar o fôlego, o extraordinário documentário Free Solo conta a preparação do alpinista Alex Honnold para chegar ao topo do El Capitan, uma parede rochosa com quase 1000 metros de altura. Detalhe: a escalada é feita sem equipamentos de segurança. O filme vencedor do Oscar está disponível no Disney Plus. Mas quem não é […]

Respiro

E-commerce fatura R$ 7,72 bilhões com Black Friday e Cyber Monday em 2020

O valor representa aumento de 27,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

fechamento dos mercados

Ibovespa engata 5ª semana seguida de alta com Petrobras, Vale e aéreas

Índice local de ações não tinha sequência tão longa de ganhos semanais desde dezembro de 2019; dólar mantém trajetória de queda e juros longos se descomprimem de novo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies