Menu
2019-04-11T16:23:26-03:00
Estadão Conteúdo
Quem é bom pagador?

Índice de Liquidez do sistema financeiro avança para 2,42 em dezembro, diz BC

Informação foi divulgada em relatório desta quinta-feira, 11; indicador é usado para avaliar a capacidade de pagamento de instituições em relação a suas obrigações

11 de abril de 2019
16:22 - atualizado às 16:23
Fachada do Banco Central do Brasil (BC)
Imagem: Arnaldo Jr./Shutterstock

O Índice de Liquidez (IL) do Sistema Financeiro Nacional (SFN) passou de 2,13 em junho de 2018 para 2,42 em dezembro, conforme o Relatório de Estabilidade Financeira (REF), divulgado nesta quinta-feira, 11, pelo Banco Central. No fim de 2017, o IL estava em 2,38.

Esse indicador é usado para avaliar a capacidade de pagamento de instituições financeiras em relação a suas obrigações. Ele representa a relação entre os ativos mais líquidos do sistema bancário e a honra de seus compromissos em um prazo de 30 dias. Quanto maior o número, mais confortável é a situação de liquidez dos bancos.

De acordo com o REF, "individualmente, diversas instituições reduziram seu risco de liquidez de curto prazo, movimento ocorrido principalmente nos bancos privados, incluindo os de grande porte, revertendo o movimento de elevação que havia se iniciado na primeira metade do ano por parte dessas instituições, e encerrando o ano de 2018 em patamares semelhantes aos de doze meses atrás".

Já o Índice de Liquidez Estrutural (ILE) passou de 1,13 em junho do ano passado para 1,15 em dezembro. No fim de 2017, ele estava em 1,13.

O desejável é ter um índice perto ou acima de 1, já que esse termômetro serve para verificar quanto as instituições possuem de recursos estáveis em seus passivos para fazer frente a um ativo de mais longo prazo, seja ele crédito, investimento ou participação societária, entre outros.

No REF divulgado nesta quinta-feira, o Banco Central informou que "o indicador vem apresentando tendência de alta há aproximadamente três anos, fruto principalmente do ritmo baixo de concessões de crédito concomitante ao crescimento do capital e captações estáveis nesse período".

Índice de Basileia

O Índice de Basileia do SFN atingiu 17,9% em dezembro de 2018, ante uma taxa de 17,2% verificada em junho do ano passado, conforme o REF, divulgado pelo Banco Central. No fim de 2017, o índice estava em 18,1%. O Índice de Basileia é um conceito internacional definido pelo Comitê de Basileia que recomenda uma relação mínima entre o Patrimônio de Referência (PR) e os ativos ponderados pelo Risco (RWA).

No Brasil, resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) de março de 2013 definiu um calendário de convergência que especifica exigência de 11% do RWA até dezembro 2015; 9,875% em 2016; 9,25% em 2017; 8,625% em 2018 e 8% a partir de 2019.

O porcentual significa que, para cada R$ 100,00 que um banco empresta, a instituição precisa ter R$ 8,62, levando-se em consideração o nível mínimo regulatório para o ano passado.

ROE

Segundo o REF do Banco Central, o Retorno Sobre Patrimônio Líquido (ROE) do sistema bancário atingiu 14,8% ao ano em dezembro de 2018, ante taxa de 14,3% vista em junho do ano passado. No fim de 2017, estava em 13,6%.

De acordo com o BC, "o sistema bancário manteve a trajetória de aumento da rentabilidade no segundo semestre de 2018, alcançando níveis pré-crise". "Nos últimos dois anos, os bancos públicos apresentaram um ritmo mais rápido na evolução dos resultados, atingindo níveis de rentabilidade mais próximos aos dos bancos privados", avaliou o BC.

"A melhora da rentabilidade do sistema bancário, que ocorreu apesar da redução dos resultados de tesouraria e da estagnação das carteiras de crédito corporativas, pode ser explicada principalmente pela redução das despesas de provisão e dos custos de captação, e pelos ganhos de eficiência operacional", acrescentou o BC no REF, ao avaliar a rentabilidade das instituições financeiras.

Bancos de menor porte

O Banco Central pontuou, também por meio do Relatório de Estabilidade Financeira, que a rentabilidade do sistema bancário permanece em elevação. Porém, a instituição destacou que "bancos de menor porte que atuam em segmentos específicos ainda enfrentam desafios para uma retomada mais consistente".

De acordo com o BC, a rentabilidade dos bancos continuou sendo favorecida pela redução das despesas de provisão, pela queda do custo de captação e pelos ganhos de eficiência operacional no ano passado. "Bancos de menor porte tentam diversificar suas receitas para enfrentar os desafios dos segmentos em que atuam", pontuou o BC. "Aqueles que atuam com crédito para grandes empresas têm enfrentado crescimento do risco em seu nicho de clientes e concorrência com o mercado de capitais. Já os que atuam com 'Tesouraria e atividades de investimento' sentem suas margens de intermediação com títulos pressionadas pela baixa taxa básica de juros."

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

seu dinheiro na sua noite

E essa Black Friday em ano de crise, vai dar bom?

Estamos prestes a viver uma Black Friday num ano de forte crise, em que as pessoas ficaram confinadas em casa. Definitivamente não é o melhor dos cenários para uma data tão voltada para o consumo. Por outro lado, foi na internet que a Black Friday ganhou força no Brasil, e o e-commerce deu um enorme […]

alta de 32% no ano

Parte da desvalorização maior do real se deve à dívida, diz presidente do BC

Roberto Campos Neto lembrou que o encerramento do ano é, tradicionalmente, um período de mais remessas de recursos ao exterior

fim do dia

O rali continua: Ibovespa deixa Wall Street de lado e sobe quase 20% em novembro

Ações de CVC e siderúrgicas lideram alta do índice. Dólar cai com fluxo e divulgação do dado das contas externas e juros recuam de olho em fiscal

Em pleno calendário eleitoral

Senado aprova mudanças na Lei de Falências

O projeto amplia o financiamento a empresas em recuperação judicial, permite o parcelamento e o desconto para pagamento de dívidas tributárias e possibilita aos credores apresentar plano de recuperação da empresa

Olha o Gol

Boeing 737-8 Max é autorizado a retornar operações no Brasil pela Anac

A informação é vista com bons olhos pela Gol, que é a única credenciada a operar o modelo no Brasil.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies