IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2019-04-04T14:18:19-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Agenda de balanços

Petrobras, Ambev, BRF, Marfrig e outras 9 empresas divulgam balanços nesta semana; saiba o que esperar dos números

Protagonismo do setor corporativo deve ficar com a petroleira, que tem tudo para comprovar que está surfando na crista da onda

25 de fevereiro de 2019
6:10 - atualizado às 14:18
Balanços
Temporada de balanços segue movimentada nesta semana - Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Mais uma semana da temporada de balanços se inicia e a agenda promete ser tão movimentada quanto na semana passada. Ao todo, 13 empresas listadas no Ibovespa divulgarão seus resultados anuais. São elas: BR Distribuidora (2ª feira); EcoRodovias, Iguatemi e Raia Drogasil (3ª feira); Petrobras, Marfrig, Energias BR e Fleury (4ª feira); Ambev, BRF, Gol, CCR e MRV (5ª feira).

Sem dúvidas, a protagonista dessa lista é a Petrobras. No que depender das estimativas do mercado, o balanço da companhia deve vir com força total.

Com uma sequência de trimestres muito positivos ao longo de 2018, a petroleira deve entregar um lucro líquido de R$ 34,4 bilhões no ano. Se confirmado, esse número representaria uma alta de 172% em relação aos R$ 12,6 bilhões de lucro líquido em 2017.

A geração de caixa da empresa, medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), também deve subir em 2018. As projeções dos analistas ouvidos pela Bloomberg apontam para um resultado final de R$ 119,4 bilhões, alta de 36% na comparação com o ano anterior. Na receita líquida, mais otimismo: analistas estimam R$ 348 bilhões, crescimento de 22% na comparação com 2017.

Essa chuva de bons indicadores pouco me surpreendem, já que a Petrobras vive um dos seus melhores momentos corporativos. Não é à toa que as ações da companhia aparecem todos os meses entre as mais recomendadas pelas gestoras e corretoras.

E para 2019 essa sequência de bons números tem tudo para continuar. O novo presidente da estatal, Roberto Castello Branco, já deixou bem claro que sua missão como líder será tocar o processo de desinvestimentos e maximizar os lucros, além de seguir com o processo de melhora na governança corporativa da empresa.

No mês passado, por exemplo, Castello Branco anunciou que a petroleira não tomará mais empréstimos junto aos bancos públicos. A notícia, claro, foi muito bem recebida pelo mercado.

Quem também deve mostrar crescimento ao longo de 2018 é a BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras. Apesar de os analistas projetarem uma queda na geração de caixa (de R$ 2,9 bilhões em 2017 para R$ 2,7 bilhões em 2018), a empresa deve registrar um crescimento de 88% no lucro, passando de R$ 1,04 bilhão em 2017 para R$ 1,95 bilhão em 2018.

Tensões nos frigoríficos

Enquanto Petrobras surfa na crista da onda, tem empresa por aí amargando uma sequência de prejuízos. Um caso emblemático é o das duas gigantes de processamento de carnes: BRF e Marfrig.

Os analistas de mercado projetam para a BRF um prejuízo de R$ 2,35 bilhões em 2018, mais que o dobro do prejuízo de R$ 1,12 bilhão registrado em 2017. Apesar de uma receita líquida maior, de R$ 34,65 bilhões, a empresa deve ver sua geração de caixa cair a R$ 2,19 bilhões.

Com uma grave crise instalada desde o início da Operação Carne Fraca pela Polícia Federal, a BRF passa por momentos difíceis em sua gestão. Endividada, a empresa tentou se livrar de vários ativos ao longo dos últimos anos para reduzir sua dívida, porém essa iniciativa não obteve sucesso: dos R$ 5 bilhões estimados com o "bota fora", a companhia conseguiu apenas R$ 4,1 bilhões. Uma saída ventilada pelo mercado para essa situação seria uma nova oferta de ações na bolsa.

Já o caso da Marfrig é um pouco mais positivo. Apesar das estimativas apontarem para um crescimento no prejuízo líquido da empresa (de R$ 231,0472 milhões em 2017 para R$ 305,343 milhões em 2018), tanto a geração de caixa quanto a receita líquida devem registrar altas anuais. Vale lembrar que, no fim do ano passado, a Marfrig comprou a argentina Quickfood da BRF, a líder de produção de alimentos à base de carne bovina da Argentina.

Nuvem negra na cervejaria

Depois de decepcionar seus acionistas no 3º trimestre de 2018, a Ambev deve encerrar o ano com uma leve queda no lucro líquido anual na comparação com 2017. As projeções da Bloomberg apontam para um resultado positivo de R$ 12,1 bilhões, ante R$ 12,2 bilhões no ano anterior.

O momento é particularmente desafiador para a gigante de bebidas. A chegada de concorrentes de peso no mercado brasileiro tem colocado o tradicional modelo de negócios da empresa em xeque. Não à toa que as ações da cervejeira caíram 30% ao longo de 2018, enquanto a bolsa subiu 15%.

Entre os principais dados da empresa, a receita líquida deve fechar 2018 em R$ 49,5 bilhões e a geração de caixa medida pelo Ebitda em R$ 20,7 bilhões.

Para colocar na agenda

Outras oito empresas listadas no Ibovespa também divulgam seus números. Separei para você as principais projeções do mercado para cada balanço:

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Governo eleito

Alckmin avisa que anúncio de novo ministro da Fazenda está próximo

26 de novembro de 2022 - 16:11

Em evento com empresários, vice-presidente eleito prometeu ajuste fiscal permanente e conjunto de reformas

Troca ou devolução

Comprou na Black Friday e se arrependeu? Veja quais são seus direitos

26 de novembro de 2022 - 11:59

O excesso de compras para aproveitar as oportunidades da Black Friday podem se transformar numa ‘ressaca’ no cartão de crédito

Recomendação de compra

Cielo (CIEL3) já dobrou de preço, mas ainda pode subir mais de 50% na bolsa, diz Santander. Confira detalhes

26 de novembro de 2022 - 9:48

Analistas do banco veem a Cielo (CIEL3) com vantagem competitiva em relação a adquirentes como Stone e PagSeguro

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: PIB do 3º trimestre no Brasil e payroll nos EUA são destaques de semana cheia

26 de novembro de 2022 - 8:11

A agenda econômica estará carregada nesta semana, com dados importantes de atividade e inflação a serem divulgados no mundo

Aperte o play!

Só acaba quando termina: Lula talvez não consiga gastar tanto assim; como isso mexe com seus investimentos?

26 de novembro de 2022 - 8:00

No podcast Touros e Ursos desta semana, PEC da Transição, Haddad na Fazenda, Petrobras e, é claro, futebol

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies