🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2019-06-07T18:55:40-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Para tudo!

Justiça suspende leilão da Avianca marcado para esta terça-feira

Suspensão teve como justificativa um “agravo contra o plano de recuperação judicial” homologado pela companhia aérea

6 de maio de 2019
15:26 - atualizado às 18:55
Avianca
Avianca - Imagem: Shutterstock

O Tribunal de Justiça de São Paulo suspendeu na tarde desta segunda-feira, 6, o leilão da companhia aérea Avianca marcado para ocorrer na terça-feira. O evento, que venderia os ativos da empresa em sete partes, contava com o interesse das gigantes do setor Latam, Gol e Azul.

De acordo com o TJ-SP, a suspensão ocorre por um recurso da Swissport, que tem créditos de R$ 17 milhões a receber da Avianca, contra o plano de recuperação judicial homologado pela companhia.

A decisão judicial traz uma nova dose de drama para a situação da Avianca, que já não inspirava otimismo. Muita gente no mercado duvidava da capacidade da aérea de continuar voando até a data do leilão, e agora a aposta passa a ser cada vez maior na falência antes da venda.

Segundo a Swissport, o plano apresentado pela Avianca é inviável e está "lastreado em previsões que afrontam o princípio da legalidade". A empresa se refere à venda de slots (nome dado às "vagas de pouso ou decolagem" nos terminais). O problema apontado pela credora é que eles foram agrupados em Unidades Produtivas Isoladas (UPIs) para a venda em leilão, estruturas que ainda não estão constituídas. Há uma interpretação de que a transferência de slots é ilegal por se tratar de concessão pública e não um ativo da empresa.

Uma questão matemática

Mesmo com um impasse sobre o poder de transferir os slots, que por sinal não é exatamente o ativo mais valioso que a aérea possui, o fim das operações da Avianca antes do leilão pode piorar toda a situação.

Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), caso a empresa pare de voar antes de sua venda, seus slots serão devolvidos à Anac e ficarão à disposição das demais empresas aéreas. Ou seja, elas receberão os slots de graça dentro de uma regra de distribuição da agência para cada aeroporto em que a empresa voa. E isso vai incluir os disputados espaços em Congonhas e no Santos Dumont, aeroportos centrais de São Paulo e Rio de Janeiro.

A redistribuição das vagas nos aeroportos deve inviabilizar o plano de recuperação judicial da Avianca, baseado na venda de 7 UPIs da empresa com um grupo de slots acoplados em cada uma. Se a companhia (e consequentemente suas sete partes) deixar de operar, a estratégia falha e a Avianca perderá seus slots, ficando impossibilitada de vendê-los e perdendo boa parte de sua atratividade.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

ROTA DO BILHÃO

Warren Buffett: Como o megainvestidor acumulou uma fortuna de US$ 95 bilhões e se tornou o sexto homem mais rico do mundo

Aos 11 anos, Buffett fez seu primeiro investimento na bolsa de valores; CEO da Berkshire Hathaway, construiu riqueza com alocações a longo prazo e baixo risco

TRILHAS DE CARREIRA

Orgulho LGBTQIAP+ e carreira: três passos para a sua afirmação profissional

Sendo parte da comunidade LGBTQIAP+, sinto o dever de falar sobre carreira para todos os que, de alguma forma, não conseguem se ver representados no ambiente de trabalho

Fraqueza nos números

Entrega de veículos da Tesla (TSLA34) recua no segundo trimestre e vem abaixo da expectativa do mercado

Apesar do crescimento das vendas na comparação anual, houve uma queda em relação ao trimestre anterior

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies