Menu
2019-01-03T08:44:45-02:00
Estadão Conteúdo
Em alta

Venda de veículos supera expectativa do setor e fecha 2018 com avanço de 14,5%

Setor encerrou o período com 2,565 milhões de unidades vendidas, alta de 14,5%, segundo dados preliminares do mercado

3 de janeiro de 2019
8:44
Montadora de carros e veículos
Imagem: Shutterstock

Em 2018 a indústria automobilística brasileira vendeu cerca de 325 mil veículos a mais do que no ano anterior. O setor encerrou o período com 2,565 milhões de unidades vendidas, alta de 14,5%, segundo dados preliminares do mercado. É o segundo crescimento seguido registrado pelo setor, após os quatro anos de queda no período mais crítico da crise econômica, a partir de 2013.

O resultado das vendas de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus ficou um pouco acima da última previsão feita pelas montadoras, que apontava para crescimento de 13,7%. Para este ano, a expectativa é de novo crescimento de pouco mais de 10%.

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, a previsão de crescimento de "dois dígitos baixos" é ancorada pelas projeções de expansão do PIB, inflação sob controle, taxa básica de juros estável, inadimplência baixa e mais crédito disponível para financiamentos. "Se as reformas prometidas pelo novo governo vierem logo, o crescimento será ainda maior", disse o executivo.

Do total das vendas no ano passado, 2,472 milhões de unidades foram de automóveis e comerciais leves, 13,6% acima do resultado de 2017. O segmento de caminhões e ônibus, por sua vez, cresceu 43%, para 91 mil unidades.

Esse crescimento expressivo no mercfado de veículos pesados ocorre em razão do fraco desempenho de 2017, um dos piores para o setor nos últimos dez anos, conforme citou recentemente o diretor da Mercedes-Benz, Luiz Carlos de Moraes.

"Com o PIB começando a melhorar, juros mais aceitáveis, agronegócio puxando as vendas de caminhões pesados e maior confiança por parte das transportadoras esperamos que o crescimento continue em 2019", afirmou Moraes, que também é vice-presidente da Anfavea.

Dezembro

Só no mês passado foram comercializados cerca de 233,5 mil veículos, 9,8% a mais em relação ao mesmo mês de 2017 e pouco acima das 230,9 mil unidades vendidas em novembro.

Os números oficiais das vendas no ano passado serão divulgados hoje pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), assim como a previsão da entidade para este ano. Na terça-feira a Anfavea divulgará dados de produção, exportações e emprego e também anunciará suas projeções para 2019.

A entidade já informou que espera novo crescimento nas vendas, mas ainda não indicou as expectativas para a produção, já que trabalha com nova queda nas exportações.

Argentina

No mês passado, a projeção da Anfavea indicava produção perto de 3 milhões de veículos neste ano - 11% maior que o volume de 2017 -, mas é possível que o número não seja atingido em razão da queda das exportações para a Argentina, principal parceiro comercial do setor automobilístico. Para lá seguem quase 70% dos veículos exportados pelas montadoras instaladas no Brasil.

Como as encomendas do país vizinho devem continuar em ritmo lento pelo menos no primeiro semestre, é possível que as projeções para produção e exportações neste ano venham abaixo ou semelhantes aos resultados de 2018.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

APOSTAS

XP aposta em ações defensivas e BTG recomenda exposição a construção e e-commerce para outubro

Banco e corretora divulgam carteiras recomendadas após volatilidade de setembro, quando Ibovespa acumulou queda de 4,80%

Impostos e contribuições

Receita: Arrecadação em agosto soma R$124,5 bilhões, acima do teto das projeções

O valor arrecadado no mês passado foi o maior para meses de agosto desde 2014, quando a arrecadação no oitavo mês do ano foi de R$ 127,405 bilhões.

Recuperação acelerada

PMI industrial brasileiro acelera 64,9 em setembro e atinge máxima histórica

É a terceira vez consecutiva que o indicador quebra seu recorde histórico de alta, após julho (58,2) e agosto (64,7)

MERCADO DE TRABALHO

EUA: Pedidos de auxílio-desemprego caem 36 mil, a 837 mil

Resultado ficou abaixo da expectativa de analistas consultados pelo Wall Street Journal

DIVULGAÇÃO ATRASADA

CVC cai mais de 4% após ter prejuízo de R$ 1,15 bilhão no primeiro trimestre

Pandemia derruba receita e provoca despesas não recorrentes no período

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements