Menu
2019-07-03T13:26:05-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
xi...

Emplacamento de carros importados registra queda de 9,6% no semestre

Com o resultado, associação revisa estimativa de vendas desse tipo de carro para o ano, de 50 mil para 40 mil unidades.

3 de julho de 2019
13:21 - atualizado às 13:26
Carros em concessionária
Carros - Imagem: Shutterstock

O emplacamento de carros importados caiu 9,6% no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2018. No total, foram 16.219 veículos.

Com o resultado, a Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa) revisou a estimativa de vendas desse tipo de carro para o ano, de 50 mil para 40 mil unidades.

No recorte de junho, a queda foi ainda maior, de 13,4% ante maio e de 11,1% na comparação anual. Ao todo, foram emplacados no mês passado 2.679 veículos.

As quatro montadoras associadas à Abeifa que produzem internamente - BMW, Caoa Cherry, Land Rover e Suzuki - tiveram crescimento de 44,1% nas vendas no semestre, na comparação com igual período de 2018 - totalizando 14.527 unidades. As projeções de venda nesse segmento específico (55 mil veículos em 2019) ficam mantidas.

Câmbio, reformas e UE

O presidente da associação, José Luiz Gandini, afirmou que a queda recente no dólar ajuda o setor, mas ponderou que os carros que já estão nos navios, a caminho do Brasil, foram comprados com o câmbio desvalorizado.

Ele reclamou da instabilidade atual e disse que a aprovação das reformas da Previdência e tributária ajudaria a melhorar o ambiente. Gandini ainda disse acreditar que os benefícios do acordo entre Mercosul e União Europeia são incertos, por enquanto.

O presidente da associação destacou que uma possível cota de 32 mil unidades anuais para veículos exportados da União Europeia para o Mercosul, a uma tarifa de 17,5%, conforme prevê as linhas gerais do acordo, ajudaria, mas é preciso entender o detalhamento.

Segundo Gandini, ainda será necessária uma regulamentação dos termos. E lembrou que há resistências, por exemplo, pelo lado da França. "Ninguém sabe nada ainda, precisamos ver quem realmente vai ser beneficiado", disse.

Gandini ainda disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, prometeu ao setor terminar o mandato com o imposto de importação menor, na casa dos 20%. Hoje, a taxa é de 35%. Mas, segundo ele, o ministro da Economia deixou claro que isso depende da aprovação de reformas estruturais.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Após vacinação e apoio fiscal

Economia dos EUA está “em ponto de inflexão” positivo, diz Powell, do Fed

Economia norte-americana está prestes a começar a crescer muito mais rapidamente, afirmou presidente do banco central norte-americano em entrevista

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies