Menu
2018-12-04T12:12:19-02:00
DONA DAS REDES RICARDO ELETRO E INSINUANTE

Após aporte de R$ 300 milhões, gestora deve assumir controle da Máquina de Vendas

Resultado da fusão da Ricardo Eletro, do empresário Ricardo Nunes, e da Insinuante, de Luiz Carlos Batista, em 2010 – a varejista tem dívidas de R$ 3 bilhões, metade delas com bancos, e está sem linha de crédito no mercado

4 de dezembro de 2018
12:12
Ricardo Eletro maquina de vendas
Fachada da Loja Ricardo Eletro no centro do Rio de Janeiro. - Imagem: Fabio Mota/Estadão Conteúdo

A Máquina de Vendas, dona das redes Ricardo Eletro e Insinuante, deve homologar nas próximas semanas seu plano de recuperação extrajudicial com seus fornecedores, que têm débitos de R$ 1,5 bilhão com varejista, apurou o jornal O Estado de S. Paulo. Esse acerto será importante para que a Starboard, especializada em reestruturação em empresas com problemas financeiros, faça um empréstimo de cerca de R$ 300 milhões à companhia - esse valor deverá ser convertido em ações, tirando os fundadores do controle do negócio.

Resultado da fusão da Ricardo Eletro, do empresário Ricardo Nunes, e da Insinuante, de Luiz Carlos Batista, em 2010 - a varejista tem dívidas de R$ 3 bilhões, metade delas com bancos, e está sem linha de crédito no mercado. O aporte da Starboard permitirá à companhia ganhar mais fôlego. Os reestruturadores, que têm o fundo americano Apollo como sócio, terão ao final 72,5% da Máquina de Vendas e, os fundadores, incluindo a família Salfer, o restante.

Em agosto, a companhia entrou com pedido de recuperação extrajudicial na Justiça. À época, 60% dos fornecedores de linha branca e eletroeletrônicos consentiram em renegociar as dívidas com o grupo. Agora, essa renegociação será estendida aos demais credores, que concordaram em voltar a entregar produtos para empresa. A mudança de controle da varejista está prevista para os próximos 30 a 60 dias.

Nas últimas semanas, cerca de 15 fornecedores, que respondem por 80% dos R$ 1,5 bilhão de débitos, voltaram a abastecer a loja com produtos. A iniciativa foi importante para a varejista faturar durante a Black Friday, promoção relâmpago realizada no mês de novembro. A expectativa da companhia é elevar as receitas no Natal.

Terceira maior rede de eletroeletrônicos e linha branca do País, atrás de Magazine Luiza e Via Varejo, a empresa teve dificuldade de fazer a integração de suas bandeiras - além da Insinuante e Ricardo Eletro, é dona das redes City Lar, Salfer e Eletro Shopping - e foi perdendo espaço para os rivais, de acordo com especialistas ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo.

A rede, que chegou a faturar R$ 10 bilhões por ano, deve encerrar 2017 com receita de cerca de R$ 3 bilhões. No ano passado, as vendas foram de R$ 5 bilhões. Com 650 lojas, a varejista chegou a ter quase 1,2 mil unidades em todo País. Fontes a par do assunto afirmaram que a prioridade da companhia é retomar as vendas. Expansão de número de lojas, por ora, está descartada. A aposta da empresa de reestruturação é que o faturamento da rede volte a crescer com a retomada do crescimento da economia.

Crise aguda

Não foram poucos os fundos de investimento que desde 2013 olharam os números e a operação da Máquina de Vendas. As margens baixas do setor, o complexo processo de integração do grupo e os perfis conflitantes dos donos afastaram os potenciais interessados, segundo fontes. O projeto inicial da Máquina de Vendas era atrair um sócio minoritário para a compra de 20% a 40% da companhia.

Antes da Starboard, outras empresas de reestruturação tentaram fazer o "turnaround" (virada) da empresa. Em julho de 2015, a consultoria de Enéas Pestana, ex-presidente do Grupo Pão de Açúcar (GPA), chegou a fazer um plano de reestruturação. Ricardo Nunes chegou a ser afastado da gestão, mas acabou voltando ao negócio seis meses depois, com a saída de Pestana.

No plano atual da Starboard, Nunes deverá se manter na gestão comercial do grupo.

Procuradas pela reportagem, a gestora Starboard e a Máquina de Vendas não comentaram o assunto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

o pior já passou?

Depois do fundo do poço, venda de veículos novos sobe 11,6% em maio

Na comparação com maio do ano passado as vendas ainda despencam, com retração de 74,6%

em meio à pandemia

Governo busca destravar crédito a pequenas e médias empresas

Além de ampliar o escopo do financiamento de salários, cuja oferta de recursos ficou bem abaixo do esperado, avança na regulamentação da linha que terá garantia do fundo de aval do BNDES

EM MEIO À PANDEMIA

Bolsonaro paga recorde de emendas parlamentares

O montante efetivamente pago também foi o maior para um único mês ao longo dos últimos anos, R$ 4 bilhões.

EFEITO CORONAVÍRUS

Alta do dólar pressiona dívida e derruba lucro das empresas em 70% no trimestre

A disparada do dólar, que ganhou força a partir do fim do carnaval, foi suficiente para azedar o resultado das operações.

ENERGIA

Aneel autoriza postergação de entrega de obras de transmissão por 4 meses

O órgão regulador também suspendeu processos de autorização de obras não urgentes.

exile on wall strett

A festa junina que podemos ter

O que você observa do mercado hoje? Querendo ou não, gostando ou não, é um mercado leve, comprador, sem vendedor marginal, migrando para ativos de risco.

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Alívio intenso

Ibovespa sobe aos 90 mil pontos e dólar cai a R$ 5,23 com menor aversão ao risco

O Ibovespa continua recuperando o terreno perdido, impulsionado pelo clima de menor aversão ao risco no mundo. No câmbio, o dólar à vista cai forte e chega às mínimas desde 17 de abril

no twitter

Grupo divulga dados pessoais que seriam de Bolsonaro, família e aliados

Um perfil publicou imagens que alega retratarem a lista de bens declarados pelo presidente, com valor idêntico à declaração apresentada ao TSE

INVESTIGAÇÃO POLÍTICA

‘Presidente esqueceu de combinar comigo’, diz Aras sobre suposto arquivamento

Cabe a Aras decidir se denuncia ou não Bolsonaro, o que poderia resultar no afastamento do presidente do cargo.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements