Menu
2018-12-14T08:24:50-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Coisa Rara

Seguro obrigatório de veículos cai pelo terceiro ano

O DPVAT para carros de passeios vai ficar 71% menor em 2019

13 de dezembro de 2018
12:55 - atualizado às 8:24
carros-transito
Imagem: Oswaldo Corneti/Fotos Públicas

E quem disse que governo não gera notícia boa? É bastante raro, mas por vezes o preço do que temos de pagar compulsoriamente ao Estado diminui. O Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) aprovou uma redução média de 63,6% nos prêmios tarifários do DPVAT (Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automóveis de Via Terrestre) que todos os proprietários de carros, caminhões e motos têm de pagar.

E 2019 marcará o terceiro ano de redução do prêmio, resultado do montante de recursos acumulado em reservas técnicas superior às necessidades atuariais do Seguro DPVAT.

Segundo nota do Ministério da Fazenda, tal excesso é consequência das ações de combate a fraudes que levaram à redução significativa dos sinistros somado à rentabilidade dos recursos acumulados. Ou seja, os ativos são mais que suficientes para garantir a solvência de longo prazo do Seguro DPVAT, que paga indenizações anuais em torno de R$ 2 bilhões.

Em 2019, os donos de motocicletas também pagarão menos. Em 2018, a tarifa de R$ 180,65 não foi reajustada para baixo em função do elevado número de sinistros. Para o próximo ano, será dado um desconto de 56%, menor que a média e abaixo dos 71% menos que será aplicado aos veículos de passeios, pois as motos ainda concentram 74% das indenizações, apesar de representarem apenas 27% da frota nacional.

Ainda de acordo com o Ministério da Fazenda, também houve uma redução proporcionalmente maior, de 79%, para veículos utilizados no transporte coletivo de pessoas. Desta forma, o CNSP busca privilegiar os meios de transportes coletivos em relação aos meios de transporte individuais de maior risco.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

nova abertura de capital

Com preço da ação no piso, Melnick, da Even, movimenta mais de R$ 700 milhões em IPO

A empresa divulgou os planos para sua abertura de capital na B3 em julho e é a 15ª empresa a realizar abertura de capital na bolsa em 2020

reparação histórica

MPT rejeita denúncias de racismo contra Magazine Luiza por programa para negros

Para o MPT, não houve violação trabalhista, mas sim uma ação afirmativa de reparação histórica

seu dinheiro na sua noite

O Abaporu da bolsa

Tarsila do Amaral pintou em 1928 uma figura de traços relativamente simples. Com a cabeça diminuta e os pés gigantes, ela surge nua tendo por companhia apenas o sol a pino e um enorme cacto. Foi só depois da reação empolgada do marido Oswald de Andrade que a artista veio a batizar o quadro de […]

Um outro olhar

Investidores mudam o foco, dólar cai e Ibovespa vive dia de forte recuperação

Bolsa recupera terreno e fecha em alta de 1,33%; dólar retorna a R$ 5,51 com reação a sinalizações de banqueiros centrais

fintech do Mercado Livre

Mercado Pago recebe aporte de R$ 400 milhões do Goldman Sachs

Os recursos têm como destino a divisão de crédito da instituição, o Mercado Crédito, e servirão para expandir a oferta de crédito para pequenos e médios vencedores que usam o Mercado Pago e o Mercado Livre

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements