Menu
2018-12-14T08:24:50-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Coisa Rara

Seguro obrigatório de veículos cai pelo terceiro ano

O DPVAT para carros de passeios vai ficar 71% menor em 2019

13 de dezembro de 2018
12:55 - atualizado às 8:24
carros-transito
Imagem: Oswaldo Corneti/Fotos Públicas

E quem disse que governo não gera notícia boa? É bastante raro, mas por vezes o preço do que temos de pagar compulsoriamente ao Estado diminui. O Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) aprovou uma redução média de 63,6% nos prêmios tarifários do DPVAT (Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automóveis de Via Terrestre) que todos os proprietários de carros, caminhões e motos têm de pagar.

E 2019 marcará o terceiro ano de redução do prêmio, resultado do montante de recursos acumulado em reservas técnicas superior às necessidades atuariais do Seguro DPVAT.

Segundo nota do Ministério da Fazenda, tal excesso é consequência das ações de combate a fraudes que levaram à redução significativa dos sinistros somado à rentabilidade dos recursos acumulados. Ou seja, os ativos são mais que suficientes para garantir a solvência de longo prazo do Seguro DPVAT, que paga indenizações anuais em torno de R$ 2 bilhões.

Em 2019, os donos de motocicletas também pagarão menos. Em 2018, a tarifa de R$ 180,65 não foi reajustada para baixo em função do elevado número de sinistros. Para o próximo ano, será dado um desconto de 56%, menor que a média e abaixo dos 71% menos que será aplicado aos veículos de passeios, pois as motos ainda concentram 74% das indenizações, apesar de representarem apenas 27% da frota nacional.

Ainda de acordo com o Ministério da Fazenda, também houve uma redução proporcionalmente maior, de 79%, para veículos utilizados no transporte coletivo de pessoas. Desta forma, o CNSP busca privilegiar os meios de transportes coletivos em relação aos meios de transporte individuais de maior risco.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

IR 2020

Caiu na malha fina? Veja como regularizar a situação

Saiba como regularizar a sua situação junto a Receita Federal caso a sua declaração apresente informações inconsistentes e caia na malha fina do imposto de renda

Flexibilização

Prefeitura de São Paulo assina protocolo para reabrir bares e salões de beleza

A cidade está na terceira etapa do plano de flexibilização da quarentena do governo estadual, chamada de fase amarela. Com os termos firmados, os estabelecimentos poderão voltar a funcionar na segunda-feira

Recuperação

Fundos imobiliários de tijolo subiram 6% em junho; FII de shoppings ainda caem 21% no ano

Fundos imobiliários de papel, por sua vez, valorizaram, em média, só 3% no mês passado, segundo indicadores calculados pelo Banco Inter

BNDES prorroga linha de crédito para pequena e média empresa, com mais R$ 5 bilhões

Linha para capital de giro será prorrogada até 31 de dezembro, com orçamento ampliado

Crise

Risco para investir volta a nível de 2016

Estrangeiro olha com desconfiança para o Brasil, por conta da crise do coronavírus e também pela taxa de juros nas mínimas históricas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements