Menu
2018-10-18T08:20:10-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Esquenta dos mercados

Mercados continuam de olho no dólar hoje: será que cai mais?

Já se fala em dólar a R$ 3,50 nos próximos dias, mas pode haver alta no médio prazo caso Bolsonaro, se eleito, decepcione na área econômica

18 de outubro de 2018
7:50 - atualizado às 8:20
Selo esquenta mercados
No Brasil, bolsa e dólar caminharam ontem na contramão do exterior - Imagem: Seu Dinheiro

Bom dia, investidor! Os mercados brasileiros ontem contrariaram o exterior. O dólar fechou no seu menor patamar desde 25 de maio, a R$ 3,68. O Ibovespa terminou o dia praticamente estável, com leve alta de 0,05%, aos 85.763 pontos, depois de operar em queda pela manhã.

A bolsa brasileira ontem foi na contramão das bolsas americanas, que viram queda devido à realização de lucros, à desvalorização das ações do setor de energia por conta da queda do petróleo, e ao tom mais conservador da ata da última reunião do Fed, que não afastou os temores de um aperto monetário mais rápido que o previsto.

O dólar por aqui também foi no sentido inverso, se fortalecendo frente a quase todas as moedas fortes e emergentes do mundo.

E não foi só o dólar que voltou para maio ontem. Os juros futuros acompanharam o movimento e também fecharam em queda. O DI com vencimento para janeiro de 2025 fechou em 9,99%, retornando ao patamar de um dígito pela primeira vez desde a primeira metade de maio, antes da greve dos caminhoneiros.

A derrubada do dólar e dos juros tem como pano de fundo a redução da percepção de risco em relação o Brasil com as perspectivas de eleição de um governo potencialmente mais liberal e do afastamento do PT.

Mas ontem, especificamente, foi a expectativa de entrada de US$ 1,15 bilhão no país via captação no exterior, anunciada por JBS e Invepar, que fez investidores desmontarem posições compradas em dólar.

Dólar a R$ 3,50

Já se fala no mercado que o dólar pode cair a R$ 3,50 nos próximos dias, mas que este patamar pode não ser sustentável no médio prazo.

Isso porque as expectativas dos mercados poderiam ser frustradas com o maior detalhamento do programa econômico de Bolsonaro, que provavelmente vencerá a eleição; possíveis atritos dele com seu ministro da Fazenda, Paulo Guedes, e com o Congresso; e com um potencial aumento mais agressivo de juros nos EUA.

Uma fonte falou ao "Broadcast", do "Estadão", que sobretudo uma decepção com a reforma da Previdência poderia levar o dólar para R$ 4,30.

Seja como for, no cenário atual os mercados creem na manutenção da Selic em 6,50% na próxima reunião do Copom, três dias após o segundo turno. No horizonte mais longo, pode começar a pesar a inflação acima do centro da meta em 2019. Isso ensejaria uma nova alta na taxa básica de juros.

Por enquanto, porém, o crescimento econômico continua enfraquecido. Apenas o Bradesco revisou para cima sua expectativa de crescimento do PIB no terceiro trimestre, depois que o IBC-Br, índice de atividade do Banco Central, teve alta de 0,47%, acima da mediana das projeções, de 0,25%.

O que olhar hoje

Hoje à noite, será divulgada a pesquisa Datafolha de intenção de voto para o segundo turno presidencial, no "Jornal Nacional" e na "Folha". As pesquisas para os governos estaduais saem às 19 horas.

Também esta noite será divulgada mais uma pesquisa presidencial do segundo turno Real Time/TV Record.

Ontem, a pesquisa Crusoé/Paraná deu Bolsonaro com 60,9% dos votos válidos, contra 39,1% de Haddad.

Nas pesquisas estaduais do Ibope, Dória aparece com 52% dos votos válidos em São Paulo, tecnicamente empatado com Márcio França, com 48%. O tucano ainda tem alta rejeição na capital (53%).

No Rio, Witzel tem 60% contra 40% de Paes, e em Minas, Zema lidera isolado, com 66%, contra 34% de Anastasia.

Em São Paulo, 63% votam em Bolsonaro e 37% para Haddad; no Rio, Bolsonaro tem 65% das intenções de voto e Haddad, 35%.

No "Estadão" de hoje, reportagem sobre o fato de Eduardo Centola, presidente do Banco Modal, ter sido sondado por Bolsonaro para integrar a futura equipe econômica. Segundo a matéria, ele foi consultado sobre seu interesse em comandar o BNDES.

O executivo se especializou em assessorar negócios de chineses no Brasil nos últimos anos. Ele tem atuado para fazer pontes entre a campanha e empresários asiáticos e reduzir a resistência de Bolsonaro, que já disse que "a China não está comprando do Brasil, está comprando o Brasil".

Por aqui, não teremos hoje a divulgação de nenhum indicador relevante.

Nos EUA, haverá discursos do dirigente do Fed Randal Quarles às 13h15 e comício de Trump às 21h30. O presidente pode novamente disparar sua munição contra o Fed, como vem fazendo ultimamente.

Às 9h30, saem os indicadores de auxílio-desemprego, com previsão de queda de 4 mil pedidos, e de atividade econômica em outubro. Às 11h sai o índice de indicadores antecedentes da Conference Board em setembro.

Entre os balanços, há divulgação dos resultados da Amex à noite. Ontem, a Alcoa disparou 4,9% no after hours, após o fechamento, com a divulgação do seu balanço.

*Com informações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

medida anticrise

Governo vai prorrogar novamente corte de jornada e salário

Programa foi anunciado em abril como medida para evitar um aumento ainda maior do desemprego diante da pandemia do novo coronavírus

defesas na corte

STF julga ação sobre venda de refinarias da Petrobras; veja o que já foi dito

Corte analisa um pedido de autoria do Senado Federal que alega que o governo federal estaria desmembrando a empresa para vender ativos; julgamento acontece nesta quinta

atenção, acionista

Hypera paga R$ 185,4 milhões em juros sobre capital próprio

Segundo a empresa, serão de R$0,29290 por ação ordinária, com retenção de imposto de renda na fonte; veja condições

PANDEMIA NO PAÍS

Brasil registra 1.031 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas

O último registro acima de mil mortes pela covid-19 havia ocorrido em 15 de setembro

privatizações

‘Paulo Guedes está desequilibrado’, diz Maia após acusação

Ministro falou que há boatos de que o deputado fez um acordo com a esquerda para não pautar as privatizações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements