Menu
2018-10-16T15:26:22-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Exterior não atrapalha e dólar testa R$ 3,70

Depois de uma pausa na semana passada dólar parece ter retomado ajuste de baixa

16 de outubro de 2018
13:03 - atualizado às 15:26
dolar-queimando
Imagem: Shutterstock

Com um ambiente menos carregado no exterior, o dólar marca o segundo pregão de baixa nesta terça-feira, mas parece haver “briga” de comprados e vendidos na linha de R$ 3,70. Na análise técnica, especialistas sugerem R$ 3,68 como suporte importante para a cotação da moeda americana.

No fim da semana passada, o dólar teve um breve ajuste de alta, indo a R$ 3,77, em meio a notícias desencontradas da equipe de Jair Bolsonaro sobre reformas e privatizações e uma acentuada piora no mercado externo, onde a preocupação com o rumo dos juros nos Estados Unidos levou as bolsas americanas a amargarem os piores pregões do ano.

Por volta das 13 horas, o dólar comercial era negociado a R$ 3,7183, queda de 0,54%, depois de marcar R$ 3,6918 da mínima do dia.

Segundo o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, o dólar carregava um prêmio especulativo elevado em função das eleições e a expectativa era de que houvesse uma devolução. Junto com isso há um alívio global da moeda americana frente outras divisas emergentes.

Para o economista, a realidade dos fatos entra com um pouco mais de força na formação de preço, depois desse movimento duplo, formado por eleições e também uma alta do global do dólar que ocorreu cerca de 30 dias atrás. O DXY, que mede o comportamento do dólar ante uma cesta de moeda, ronda a linha dos 94 pontos depois de operar a 97 pontos.

Para Vieira, ainda há prêmio na cotação do dólar, que teria espaço para ir a R$ 3,55. E a velocidade do movimento segue ligada, mas de forma mais equilibrada, tanto à questão eleitoral quanto externa.

Em relatório a clientes a GO Associados avalia que o dólar deve testar o rompimento de R$ 3,70, com ambiente positivo no exterior. Além disso, a queda das projeções de mercado para o câmbio fortalece o cenário de Selic estável e 6,5% ao ano na reunião de 31 de outubro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC). A mediana no Focus para 2018 cedeu de R$ 3,89 para 3,81, e para 2019 o prognóstico recuou de R$ 3,83 para R$ 3,80.

No lado político, a GO apresentou uma atualização no seu modelo de probabilidade para o vencedor das eleições, computando os resultados da pesquisa Ibope, que mostrou Bolsonaro com 59% das intenções de voto, ante 41% para Haddad. O mapa de probabilidades mostra Bolsonaro com chance de vitória em 97,25%.

Pares emergentes

Outras moedas emergentes também têm desempenho positivo ante o dólar nesta terça-feira. Liderando a lista de valorização está o peso colombiano, seguido pelo rand sul-africano, e o peso chileno. O real está em quarto nesse ranking de moeda selecionadas, seguido pelo won sul-coreano e a rúpia indiana.

Olhando no ano, a única moeda com valorização ante o dólar é o peso mexicano. Todas as demais pedem valor. O peso argentino cai quase 50%, seguido pela lira turca, com baixa de 34%

Comprados e vendidos

As posições no mercado futuro, referentes ao pregão de segunda-feira, mostram uma breve movimentação de venda de dólares e contratos de cupom cambial (DDI, juro em dólar) pelos investidores estrangeiros. A posição comprada, que tinha fechado a semana em US$ 38,643 bilhões, caiu para US$ 37,639 bilhões ontem.

Na ponta oposta, os bancos reduziram a posição vendida em US$ 650 milhões, para US$ 17,650 bilhões. Enquanto os fundos de investimento compraram US$ 357 milhões, diminuindo a posição vendida para US$ 22,327 bilhões.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Menos exportações e importações

Balança comercial tem superávit de US$ 4,713 bilhões em março

Com queda nas exportações e nas importações, a balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 4,713 bilhões em março. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 1º, pela Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Economia

Sobe sem parar

Quebrando recordes: dólar fecha em alta e chega a R$ 5,26, nova máxima nominal de encerramento

O dólar à vista renovou mais uma vez os recordes de fechamento, pressionado pela cautela vista no exterior em relação aos impactos do coronavírus nos EUA

Visão global de carteira

Em carta, gestora de fortunas TAG se mostra construtiva para ações e NTN-B, mas nem tanto para multimercados

Na sua carta do mês de março, TAG Investimentos demonstra visão positiva para a renda variável, sobretudo ações domésticas, bem como para NTN-B de longo prazo; mas se mostra muito mais cautelosa em relação a fundos multimercados e de crédito privado local

Resiliência

Fundos de ações resistem ao choque e captam R$ 7,65 bilhões entre 1º e 27 de março

Fundos de investimento registraram resgates líquidos de R$ 19,6 bilhões entre os dias 1º e 27 de março, período que compreende o agravamento da tensão dos mercados em meio à pandemia do coronavírus

Fuga

Saída de dólar supera entrada em US$ 10,791 bilhões no ano até dia 27 de março, diz BC

Fluxo cambial do ano até 27 de março ficou negativo em US$ 10,791 bilhões, diz BC; em igual período de 2019, resultado era positivo em US$ 4,444 bilhões

Medidas sociais

PEC do orçamento de guerra é assinada por Rodrigo Maia e outros 7 deputados

PEC que cria o Orçamento de Guerra já tramita na Câmara. Ela é assinada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e outros sete deputados

Sem dividendos

Autoridade bancária europeia pede que bancos não paguem dividendos

Autoridade diz que apoia medidas tomadas até agora para garantir que os bancos tenham uma base de capital robusta e deem o apoio necessário à economia

UM DOS TRADERS MAIS EXPERIENTES DO BRASIL

Por que decidi voltar a investir na Bolsa aos 80 anos e após 25 anos fora do mercado

Após um quarto de século, volto para a Bolsa. Como não tenho necessidade imediata de dinheiro, simplesmente tenho certeza de que vou ganhar.

medidas anticrise

Governo anuncia R$ 51 bi para complementar salário de quem tiver jornada menor

Uma medida provisória com ações na área de trabalho e emprego deve ser enviada ao Congresso até quinta, 2, de acordo com o Palácio do Planalto

emergência

Bolsonaro diz que sanciona nesta quarta-feira auxílio a informais

Valores serão pagos durante três meses, podendo ser prorrogados enquanto durar a calamidade pública devido à pandemia do novo coronavírus

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements