Menu
2018-10-16T15:26:22-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Exterior não atrapalha e dólar testa R$ 3,70

Depois de uma pausa na semana passada dólar parece ter retomado ajuste de baixa

16 de outubro de 2018
13:03 - atualizado às 15:26
dolar-queimando
Imagem: Shutterstock

Com um ambiente menos carregado no exterior, o dólar marca o segundo pregão de baixa nesta terça-feira, mas parece haver “briga” de comprados e vendidos na linha de R$ 3,70. Na análise técnica, especialistas sugerem R$ 3,68 como suporte importante para a cotação da moeda americana.

No fim da semana passada, o dólar teve um breve ajuste de alta, indo a R$ 3,77, em meio a notícias desencontradas da equipe de Jair Bolsonaro sobre reformas e privatizações e uma acentuada piora no mercado externo, onde a preocupação com o rumo dos juros nos Estados Unidos levou as bolsas americanas a amargarem os piores pregões do ano.

Por volta das 13 horas, o dólar comercial era negociado a R$ 3,7183, queda de 0,54%, depois de marcar R$ 3,6918 da mínima do dia.

Segundo o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, o dólar carregava um prêmio especulativo elevado em função das eleições e a expectativa era de que houvesse uma devolução. Junto com isso há um alívio global da moeda americana frente outras divisas emergentes.

Para o economista, a realidade dos fatos entra com um pouco mais de força na formação de preço, depois desse movimento duplo, formado por eleições e também uma alta do global do dólar que ocorreu cerca de 30 dias atrás. O DXY, que mede o comportamento do dólar ante uma cesta de moeda, ronda a linha dos 94 pontos depois de operar a 97 pontos.

Para Vieira, ainda há prêmio na cotação do dólar, que teria espaço para ir a R$ 3,55. E a velocidade do movimento segue ligada, mas de forma mais equilibrada, tanto à questão eleitoral quanto externa.

Em relatório a clientes a GO Associados avalia que o dólar deve testar o rompimento de R$ 3,70, com ambiente positivo no exterior. Além disso, a queda das projeções de mercado para o câmbio fortalece o cenário de Selic estável e 6,5% ao ano na reunião de 31 de outubro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC). A mediana no Focus para 2018 cedeu de R$ 3,89 para 3,81, e para 2019 o prognóstico recuou de R$ 3,83 para R$ 3,80.

No lado político, a GO apresentou uma atualização no seu modelo de probabilidade para o vencedor das eleições, computando os resultados da pesquisa Ibope, que mostrou Bolsonaro com 59% das intenções de voto, ante 41% para Haddad. O mapa de probabilidades mostra Bolsonaro com chance de vitória em 97,25%.

Pares emergentes

Outras moedas emergentes também têm desempenho positivo ante o dólar nesta terça-feira. Liderando a lista de valorização está o peso colombiano, seguido pelo rand sul-africano, e o peso chileno. O real está em quarto nesse ranking de moeda selecionadas, seguido pelo won sul-coreano e a rúpia indiana.

Olhando no ano, a única moeda com valorização ante o dólar é o peso mexicano. Todas as demais pedem valor. O peso argentino cai quase 50%, seguido pela lira turca, com baixa de 34%

Comprados e vendidos

As posições no mercado futuro, referentes ao pregão de segunda-feira, mostram uma breve movimentação de venda de dólares e contratos de cupom cambial (DDI, juro em dólar) pelos investidores estrangeiros. A posição comprada, que tinha fechado a semana em US$ 38,643 bilhões, caiu para US$ 37,639 bilhões ontem.

Na ponta oposta, os bancos reduziram a posição vendida em US$ 650 milhões, para US$ 17,650 bilhões. Enquanto os fundos de investimento compraram US$ 357 milhões, diminuindo a posição vendida para US$ 22,327 bilhões.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Fechamento

Vacina empolga, mas incertezas ainda são muitas e limitam os ganhos do Ibovespa; dólar fica estável

Embora o início da vacinação tenha criado um princípio de euforia, as incertezas ainda são muitas e nublam o cenário

atenção, acionista

Itaúsa anuncia o pagamento de juros sobre capital próprio adicionais

Base do pagamento é a posição acionária final do dia 22 de janeiro; provento tem retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,01768 por ação

insatisfações com a estatal

Petrobras sai em defesa de sua política de preços

Estatal listou uma série de respostas para justificar eventuais aumentos concedidos ou que possam vir a ser feitos este ano, diante de preços de petróleo em franca recuperação

Rankings

Os fundos imobiliários mais rentáveis dos últimos cinco anos

Saiba quais foram os FII com maiores retornos de dividendos e com as maiores valorizações na bolsa no longo prazo

fique de olho

Petrobras reajusta gasolina em 7,6%; aumento vale a partir da terça-feira, dia 19

Esse é o primeiro aumento do ano; empresa tem sido criticada por um grupo de concorrentes, acusada de praticar valores abaixo da paridade internacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies