Menu
2018-11-28T16:46:20-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

BTG Pactual estima dólar de R$ 3,40 a R$ 5,0 a depender do cenário

Projeções da instituição consideram risco-país, títulos americanos e reformas. Cenário mais provável sugere câmbio a R$ 3,90 no fim de 2019

28 de novembro de 2018
16:17 - atualizado às 16:46
Setas-abaixo-acima
Imagem: Shutterstock

O mercado de câmbio é conhecido por humilhar os economistas pela sua intrínseca imprevisibilidade. Neste ano, assistimos a cotação do dólar sair de R$ 3,20 em janeiro, para R$ 4,20 no ápice da incerteza eleitoral. Recuar para R$ 3,65 no fim de outubro e retomar a linha de R$ 3,90 no começo desta semana, chamando o Banco Central (BC) a atuar no mercado à vista.

Projeções não são promessa, por isso mesmo toda a instituição que tenta “prever” o comportamento das variáveis econômicas, trabalha com cenário e premissas.

No seu mais recente exercício, o BTG Pactual desenhou três cenários possíveis para o comportamento da taxa de câmbio em 2019. Um cenário base, um otimista e outro pessimista. A depender do que for considerado, o dólar pode ir testar os R$ 3,40, subir a R$ 5,0, ou ficar próximo aos atuais R$ 3,90.

  • Cenário base. Nesse exercício, o modelo de projeção do banco foi calibrado considerando um spread para o risco-país (aqui medido pelo CDS, espécie de seguro contra calotes) em 225 pontos-base. Taxa de juro dos títulos americanos de 3,5% (atualmente está na casa dos 3%). E uma reforma “moderada” da Previdência aliada a outras medidas que permitam o cumprimento do teto de gastos. Neste caso o dólar termina 2019 em R$ 3,90, mesmo patamar estimado para o fim deste ano e bastante próximo da projeção feita em agosto de dólar entre R$ 3,80 a R$ 3,90. Esticando para 2020, a previsão é de dólar a R$ 3,85, embutindo aqui uma expectativa de valorização das commodities.
  •  Cenário alternativo benigno. O spread do risco-país cai para 150 pontos no fim de 2019, as taxas americanas permanecem ao redor dos 3%, e a reforma da Previdência é aprovada junto com outras medidas de consolidação fiscal e aumento da produtividade. Nesse contexto, o dólar iria a R$ 3,40
  • Cenário alternativo adverso. Aqui o risco-país subira, abrindo 400 pontos de spread, e as taxas de juros dos EUA iriam para a linha dos 4%. Esse cenário é compatível com uma reforma diluída da Previdência (apenas setor privado, por exemplo) e um grande impasse político com relação à agenda de privatizações e abertura econômica. Esse quadro seria compatível com dólar a R$ 5,0.

Outro vetor do modelo é o DXY, que mede o comportamento do dólar ante uma cesta de moedas. A premissa é que o índice ficará estável, ao redor dos atuais 97 pontos, até 2020. No entanto, dado o quadro de fortalecimento global do dólar, esse parâmetro vai continuar sendo monitorado pelos analistas do banco. Se o DXY recuar para a linha dos 90 pontos em 2020, o quadro para o real ficaria mais favorável, gerando uma valorização de até R$ 0,30.

Dólar hoje

A cotação da moeda americana marca o segundo o dia de baixa após as atuações do Banco Central (BC). Foram dois leilões de linha com compromisso de recompra totalizando US$ 3 bilhões entre ontem e hoje. Por volta das 16h15 a moeda caía 0,74%, a R$ 3,8451.

A atuação no mercado à vista, segundo o próprio BC, busca dar liquidez ao mercado nesse período ano que é marcado por um aumento nas remessas de lucros e dividendos para fora do país. Pelo menos desde 2011, o BC mantém essas atuações no fim de novembro e dezembro.

Os dados sobre o fluxo cambial no mercado à vista mostram acentuada saída na conta financeira. Na semana encerrada dia 23, o fluxo nessa rubrica foi negativo em US$ 5,473 bilhões, enquanto a conta comercial teve entrada de US$ 2,904 bilhões. No mês, o fluxo cambial total é negativo em US$ 3,720 bilhões. Os dados referentes a essa semana serão conhecidos na próxima quarta-feira.

Outro dado que indica o motivo da entrada do BC no mercado é a posição de câmbio dos bancos no mercado à vista. As instituições financeiras estão vendidas em cerca de US$ 9,4 bilhões. Isso quer dizer que os bancos já estavam provendo liquidez ao mercado por meio de suas linhas externas.

Essa posição vendida já passou dos US$ 20 bilhões em março deste ano e mudou para posição comprada de US$ 4,5 bilhões em julho. As variações conversam com o fluxo cambial e também com a disposição dos bancos em ofertar linhas ao mercado e o custo desses empréstimos externos.

Tanto a saída que vemos no fluxo cambial, como a atuação do BC não mudam o quadro de ampla solvência externa do mercado brasileiro. No ano, o fluxo cambial ainda é positivo em US$ 14,6 bilhões. Nas contas externas, o déficit em conta corrente de US$ 15,4 bilhões em 12 meses até outubro é amplamente financiado pelo investimento externo, que soma US$ 75 bilhões no mesmo período.

Por isso, o movimento de saída de moeda pode ser classificado como algo pontual e que não traz outras preocupações.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Novela sem fim

Senadores articulam aprovação da MP da Eletrobras sem os ‘jabutis’ polêmicos, mas fazem novas adições ao texto

Os senadores sabem, no entanto, que essa alternativa pode não ser bem sucedida e que a Câmara vai resgatar os trechos retirados

Parlamentares furiosos

CPI suspende trabalhos pede condução coercitiva do empresário Carlos Wizard

Wizard é apontado como um dos integrantes de um suposto “gabinete paralelo” de aconselhamento ao governo para ações de combate à pandemia

Sobre shoppings e alianças

Como “compra por vingança”, casamentos adiados e bebês podem beneficiar a Vivara

Ao reafirmar recomendação de compra, XP explica como retomada de planos familiares e a vontade de consumir vão beneficiar a produtora de joias

Indenização ao governo

Ford deve pagar R$ 2,5 bilhões ao governo da Bahia

O acerto deve ser anunciado nos próximos dias, segundo fontes dos setores automotivo e jurídico

Força do campo

Prestes a realizar IPO, AgriBrasil aposta em sustentabilidade e expansão geográfica

Empresa que atua no ramo de exportação de grãos foi fundada em 2013 por Frederico Humberg, que vai aproveitar oferta para vender ações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies