Menu
2018-10-16T19:24:49-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Bovespa e dólar andam bem, mas na renda fixa ajuste está ainda mais forte

Melhora no apetite por risco derruba taxas de juros. Se você tem NTN-Bs longas na carteira vale dar uma olhada no extrato

16 de outubro de 2018
18:30 - atualizado às 19:24
cotações em painel de bolsa de valores
Bolsa de valores - Imagem: Shutterstock

Os mercados de bolsa e câmbio já fizeram um grande ajuste de preço com a redução das incertezas eleitorais. Mas o mercado de juros futuros e de Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-Bs) estava com um relativo atraso.

O cenário externo tinha estimulado uma postura um pouco mais cautelosa no fim da semana passada, mas com os índices americanos voltando a sinalizar firme apetite por risco, o mercado local entrou no que se chama de rotação.

Segundo o responsável pela mesa institucional de futuros da Genial Investimentos, Roberto Motta, os ativos de renda fixa, que não estavam performando, tiveram forte ajuste ontem e hoje. Assim, esses ativos buscaram um alinhamento com o movimento do dólar, que mais de uma vez já testou a linha de R$ 3,7, e do Ibovespa, que já chegou a flertar com os 88 mil pontos.

“Há muito tempo não via um ajuste tão forte em renda fixa perante outros ativos”, diz Motta.

Para dar uma ideia do que é performar na renda fixa, Motta chama atenção para as NTN-Bs de prazo mais longo, que chegaram a mostra um prêmio de 6%, há poucas semanas, e hoje estão abaixo dos 5%. Esse tipo de fechamento de taxa gera um ganho bastante expressivo no valor do papel em reais. Quanto menor a taxa, maior o valor nominal do papel.

“Quem tem papel do Tesouro atrelado ao IPCA de longo prazo e resolver abrir o extrato, por curiosidade, vai achar que está errado. O ganho de capital foi grande, digno de bolsa”, explica Motta.

Outro exemplo vem da curva de juros futuros (que conversa com o mercado de títulos do Tesouro). O contrato de DI para vencimento em janeiro de 2025, por exemplo, caiu de 10,8% para 10,15% em apenas três dias. Alongando um pouco mais o horizonte, esse contrato estava projetando juro de 12,5% no começo de setembro.

Daqui para frente

Para Motta é o cenário externo que vai continuar ditando as movimentações nos mercados de renda fixa, bolsa e câmbio. Mas ele lembra que a grande distorção de preço que existia já foi fechada.

Se o dólar seguir perdendo fôlego globalmente não tem motivo para esse atual piso de R$ 3,7 continuar sendo respeitado.

“A linha de R$ 3,7 não é dogma. É questão de o mercado global querer mais risco ou não.”

No front local, o especialista lembra que o mercado trabalha com uma probabilidade de 95% de Jair Bolsonaro ganhar a eleição em 28 de outubro. Então, até lá, prevalece o benefício da dúvida e não se espera nenhuma sinalização mais convicta do candidato com relação aos temas envolvendo reformas e privatizações. Até porque são assuntos que tiram votos.

“O mercado está dando esse benefício da dúvida. Agora, ganhou a eleição, o mercado vai cobrar que Bolsonaro volte rápido com esses temas e de forma agressiva”, explica Motta.

Para Fernando Haddad, a conta baixa é de que ele precisa ganhar 1,5 milhão de votos por dia para tomar a eleição de Bolsonaro. O candidato tem tentando ajustar o discurso e acenar para um eleitorado mais amplo, mas é muito difícil conquistar tal volume de votos.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements