Menu
Luciana Seabra
Advogada do Investidor
Luciana Seabra
É CFP®, especialista em fundos de investimento e sócia da Empiricus
2019-04-20T16:08:22-03:00
MARÉ ALTA AQUI E BAIXA LÁ

Os Estados Unidos podem atrapalhar a festa do investidor brasileiro? Só depois do parabéns!

No curto prazo, mercado vai dançar a música da vitória de Bolsonaro, mas ventos negativos que prejudicaram ativos nos últimos dias ainda existem

29 de outubro de 2018
6:00 - atualizado às 16:08
shutterstock_1124164961
Quem curte a festa deve ficar atento ao dia 6 de novembro, data da eleição para o congresso americano - Imagem: Shutterstock

Um olho na política local e o outro na economia americana – este é o lema desde ontem dos investidores mais calejados (e também dos sempre presentes pessimistas de plantão). No curto prazo, dá para festejar sem medo: o consenso é que a eleição de Jair Bolsonaro vai pesar positivamente sobre os preços. Em algum momento, entretanto, será preciso olhar para fora.

Há duas pernadas para a bolsa local antes disso, na opinião de Sara Delfim, gestora do fundo de ações da Dahlia Capital, analista de transportes e infraestrutura do Merrill Lynch por dez anos.

O primeiro movimento de alta, diz Sara, é imediato: reflexo da confirmação de Jair Bolsonaro e de Paulo Guedes, com sua agenda liberal, para a presidência. O segundo ainda depende da definição do restante da equipe e do tom do discurso dos próximos dias. A terceira pernada da bolsa local entretanto, estima a sócia da Dahlia, depende do cenário externo.

Apesar de reconhecer o risco vindo de fora, Pedro Jobim, economista-chefe da Legacy, está construtivo. "Achamos que a recessão nos EUA não é para agora. E que a correção no S&P está acabando", diz o egresso da tesouraria do Santander.

Somente em outubro, o S&P 500, principal índice da bolsa americana, já caiu 14%. A curva de juros, que reflete a expectativa do mercado para a taxa, também vem se ajustando para cima, desvalorizando os títulos públicos prefixados. Os movimentos refletem o temor do mercado de que o banco central americano precise acelerar a alta dos juros para conter a inflação. "Isso poderia antecipar a recessão, que nós achamos que é só para 2020/2021", diz Jobim.

O grande dia

Há uma data para observar: 6 de novembro. É o dia da eleição para o congresso americano. Se os democratas conseguirem a maioria, como tem sido sinalizado, os mercados emergentes terão motivos para esticar a festa.

Sara explica: um congresso democrata deve tornar mais difícil a aprovação de medidas para estimular a economia empurradas por Donald Trump. Contida a aceleração fiscal, a inflação também fica sob controle e, assim, o Fed tende a demorar mais para elevar os juros.

Juros sob controle lá fora tendem a significar juros contidos aqui, fluxo para bolsas emergentes mantido e é até mesmo boa notícia para commodities, com o dólar mais barato.

Ou seja, parece que dá para dançar tranquilamente por enquanto, mas bom não descuidar da porta na hora do parabéns. Ou, para falar a língua do investidor, que tal curtir a bolsa com um pezinho em um fundo cambial? Se der tudo errado, o dólar tende a subir.

Está gostando do Seu Dinheiro? Clique aqui para receber notícias por e-mail.

Leia também:

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

mundo em alerta

Brasil não deve ter segunda onda, mas governo tem instrumentos para enfrentá-la, diz Guedes

Ministro considerou que a única solução para a covid-19 é a vacina e alertou para a necessidade de avançar em reformas para que o governo tenha mais fôlego

segunda onda

‘Não consigo entender medida como essa’, diz Bolsonaro sobre lockdown na França

Governo francês anunciou novo confinamento nacional para conter o aumento de casos de covid-19 a partir desta sexta-feira

BALANÇO

Petrobras: Quatro temas da teleconferência de resultados do 3º trimestre

Resultado veio melhor que o esperado pela maioria dos analistas, apesar do prejuízo de R$ 1,5 bilhão no período

Diante da crise

BCE mantém política monetária, mas promete ‘recalibrar instrumentos’

As principais taxas de juros do BCE, a de refinanciamento e a de depósitos, permaneceram em 0% e -0,50%, respectivamente.

tensão em Brasília

Depois de receber ligação de Campos Neto, Maia diz confiar no presidente do BC

A conversa entre as duas autoridades ocorreu no dia de decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central que manteve a taxa Selic em 2% ao ano.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies