Menu
2018-11-01T18:20:01-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Bancos

Bradesco volta à briga pela rentabilidade com lucro acima das projeções

Banco não tira coelho da cartola, mas chega perto. Resultado deve superar os R$ 20 bilhões em 2018, enquanto retorno sobe para 19% no trimestre e encosta no Santander

1 de novembro de 2018
11:45 - atualizado às 18:20
Octavio de Lazari, presidente do Bradesco
Octavio de Lazari, presidente do Bradesco, vê espaço para crédito crescer mais em 2019 - Imagem: Egberto Nogueira/divulgação

Ao escrever sobre o balanço do Santander ontem, eu disse que o Bradesco precisaria tirar um coelho da cartola para superar a rentabilidade do rival no trimestre.

Bem, o coelho não veio, mas da cartola do segundo maior banco privado brasileiro saiu um belo resultado. O Bradesco registrou lucro de R$ 5,471 bilhões no terceiro trimestre.

O lucro, que representa um aumento de 13,7% em relação ao mesmo período do ano passado, bateu com folga a média das projeções do mercado compilada pela Bloomberg, que apontava para um resultado de R$ 5,268 bilhões.

As ações do banco reagiram aos números em alta de 5,71%, entre as maiores altas do Ibovespa hoje.

No ano como um todo, o lucro do Bradesco deve superar os R$ 20 bilhões. De janeiro a setembro, o resultado foi de R$ 15,734 bilhões, alta de 11,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

Um indicador ainda mais importante foi a rentabilidade. O Bradesco chegou à marca de 19%, uma alta de 1 ponto percentual em relação ao terceiro trimestre do ano passado. Embora não tenha sido suficiente para superar o Santander, que teve um retorno de 19,5%, o resultado recolocou o banco na disputa pelo segundo lugar.

Qual a estratégia?

Desde que assumiu o comando do Bradesco, em março deste ano, Octavio de Lazari decidiu atacar em algumas frentes para recuperar o tempo em que o banco passou para digerir a aquisição do HSBC, um negócio de R$ 16 bilhões.

Uma delas foi a criação de uma área para atender os clientes que possuem outros produtos do Bradesco, mas não têm conta aberta. Trata-se de um contingente de 43 milhões de pessoas, para os quais o banco passou a olhar mais de perto para vender outros produtos.

O Bradesco também lançou plataforma para atender os microempreendedores individuais (MEI), não apenas com produtos bancários. Para isso, plugou no sistema serviços de outros portais, como o Sebrae. Criada em maio deste ano, a plataforma já possui 357 mil usuários.

O banco decidiu ainda usar sua musculatura para ajudar sua controlada Cielo no mercado de maquininhas de cartão, que enfrenta hoje uma forte concorrência. O número de terminais vendidos  pelo Bradesco já somam 208 mil unidades, segundo o banco.

Essas iniciativas se somam a outras que já vinham sendo adotadas como o banco digital Next, que deve encerrar o ano com 500 mil clientes e 4 mil contas abertas por dia.

O Bradesco comemora ainda a liderança na concessão de crédito imobiliário neste ano. Para o banco, o financiamento para a compra da casa própria cria um relacionamento de longo prazo e abre as portas para a venda de outros produtos aos clientes.

Crédito em alta

A carteira de crédito, aliás, foi um dos destaques do balanço. O saldo de financiamentos do banco saltou 7,5% nos últimos 12 meses e encerrou setembro em R$ 523,4 bilhões.  Mesmo sem considerar a variação cambial favorável, a alta teria sido de 5,6%. No trimestre, o avanço do crédito foi de 1,5%.

"Se as condições da economia se mantiverem favoráveis, há espaço para o crédito crescer mais em 2019 que neste ano", disse Lazari, em teleconferência com a imprensa.

A melhora no crédito e o resultado da Tesouraria contribuíram para a recuperação da margem financeira do Bradesco, que subiu 2,5% em relação ao terceiro trimestre do ano passado. No acumulado do ano, porém, a margem ainda acumula queda.

Calotes em queda

O resultado do banco também se beneficiou da queda de 23,3% nas despesas de provisão para calotes em relação ao mesmo período do ano passado, para R$ 3,512 bilhões.

O índice de inadimplência do Bradesco encerrou setembro em 3,63%, queda de 0,29 ponto percentual no trimestre e de 1,17 ponto percentual em 12 meses.

"Pelas novas safras de crédito do banco, nós devemos continuar tendo melhoria nessa linha", disse Lazari.

Receita com HSBC

O balanço do Bradesco também vem incorporando com mais vigor as receitas com a incorporação do HSBC. Lazari disse que a rentabilidade com os clientes do antigo HSBC representam hoje 87% da obtida com os correntistas do Bradesco.

Esse número tem espaço para avançar no ano que vem, quando acaba o acordo fechado pelo banco com os reguladores para permitir a aprovação da aquisição, e que previa uma série de limitação nas cobranças aos clientes.

No terceiro trimestre, as receitas de prestação de serviços do banco aumentaram 3,2% em relação ao terceiro trimestre do ano passado. As despesas tiveram desempenho ainda melhor, com alta de 2,4%. No ano até setembro, os gastos administrativos e com pessoal cresceram apenas 0,9%, ou seja, bem abaixo da inflação.

Bolsonaro

Questionado sobre as primeiras declarações na área econômica do governo Bolsonaro, o presidente do Bradesco elogiou as medidas, ainda que não tenha citado diretamente o presidente eleito.

"O que vem sendo falado sobre reforma da Previdência, independência do Banco Central e disciplina fiscal é uma retórica não do novo governo, mas do Brasil inteiro, inclusive da imprensa. Todos reconhecem que são medidas importantes para o crescimento do país", disse Lazari.

Quer ser o primeiro a saber sobre o que afeta os seus investimentos? Então clique aqui e cadastre-se na newsletter do Seu Dinheiro.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

pandemia no país

Brasil tem 33,5 mil novos casos de coronavírus e 836 mortes em 24 horas

O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de ontem, quando o painel do ministério marcava 137.272 falecimentos. Ainda há 2.423 mortes em investigação

seu dinheiro na sua noite

Um novo flerte do dólar a R$ 5,50

“Nunca aposte contra a América”, alertou Warren Buffett no tradicional encontro de acionistas de sua holding de investimentos em maio deste ano. O bilionário não falava especificamente da moeda dos Estados Unidos, mas toda vez que o dólar mostra sinais de força, alguém (como eu) acaba trazendo a frase à tona. Afinal, é para as […]

aquisição à vista

Stone vai lançar BDRs na bolsa brasileira e pretende usar papéis na compra da Linx

Aprovação pelos acionistas da Linx e da Stone e prévia autorização do CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) estão entre as condições para finalizar a operação

Receita de volatilidade

Dólar tem forte alta com depoimento do presidente do Fed; volatilidade limita o Ibovespa

Moeda norte-americana registrou alta acentuada no início de uma série de depoimentos de Jerome Powell perante o Congresso dos EUA

recuperação econômica

Só teremos um ano cheio no turismo novamente em 2023, diz presidente da CVC

O presidente da CVC, Leonel Andrade, disse nesta terça-feira, 22, que o setor de turismo só deve voltar ao movimento pré-pandemia em 2023

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements