Menu
2018-11-01T18:20:01-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Bancos

Bradesco volta à briga pela rentabilidade com lucro acima das projeções

Banco não tira coelho da cartola, mas chega perto. Resultado deve superar os R$ 20 bilhões em 2018, enquanto retorno sobe para 19% no trimestre e encosta no Santander

1 de novembro de 2018
11:45 - atualizado às 18:20
Octavio de Lazari, presidente do Bradesco
Octavio de Lazari, presidente do Bradesco, vê espaço para crédito crescer mais em 2019 - Imagem: Egberto Nogueira/divulgação

Ao escrever sobre o balanço do Santander ontem, eu disse que o Bradesco precisaria tirar um coelho da cartola para superar a rentabilidade do rival no trimestre.

Bem, o coelho não veio, mas da cartola do segundo maior banco privado brasileiro saiu um belo resultado. O Bradesco registrou lucro de R$ 5,471 bilhões no terceiro trimestre.

O lucro, que representa um aumento de 13,7% em relação ao mesmo período do ano passado, bateu com folga a média das projeções do mercado compilada pela Bloomberg, que apontava para um resultado de R$ 5,268 bilhões.

As ações do banco reagiram aos números em alta de 5,71%, entre as maiores altas do Ibovespa hoje.

No ano como um todo, o lucro do Bradesco deve superar os R$ 20 bilhões. De janeiro a setembro, o resultado foi de R$ 15,734 bilhões, alta de 11,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

Um indicador ainda mais importante foi a rentabilidade. O Bradesco chegou à marca de 19%, uma alta de 1 ponto percentual em relação ao terceiro trimestre do ano passado. Embora não tenha sido suficiente para superar o Santander, que teve um retorno de 19,5%, o resultado recolocou o banco na disputa pelo segundo lugar.

Qual a estratégia?

Desde que assumiu o comando do Bradesco, em março deste ano, Octavio de Lazari decidiu atacar em algumas frentes para recuperar o tempo em que o banco passou para digerir a aquisição do HSBC, um negócio de R$ 16 bilhões.

Uma delas foi a criação de uma área para atender os clientes que possuem outros produtos do Bradesco, mas não têm conta aberta. Trata-se de um contingente de 43 milhões de pessoas, para os quais o banco passou a olhar mais de perto para vender outros produtos.

O Bradesco também lançou plataforma para atender os microempreendedores individuais (MEI), não apenas com produtos bancários. Para isso, plugou no sistema serviços de outros portais, como o Sebrae. Criada em maio deste ano, a plataforma já possui 357 mil usuários.

O banco decidiu ainda usar sua musculatura para ajudar sua controlada Cielo no mercado de maquininhas de cartão, que enfrenta hoje uma forte concorrência. O número de terminais vendidos  pelo Bradesco já somam 208 mil unidades, segundo o banco.

Essas iniciativas se somam a outras que já vinham sendo adotadas como o banco digital Next, que deve encerrar o ano com 500 mil clientes e 4 mil contas abertas por dia.

O Bradesco comemora ainda a liderança na concessão de crédito imobiliário neste ano. Para o banco, o financiamento para a compra da casa própria cria um relacionamento de longo prazo e abre as portas para a venda de outros produtos aos clientes.

Crédito em alta

A carteira de crédito, aliás, foi um dos destaques do balanço. O saldo de financiamentos do banco saltou 7,5% nos últimos 12 meses e encerrou setembro em R$ 523,4 bilhões.  Mesmo sem considerar a variação cambial favorável, a alta teria sido de 5,6%. No trimestre, o avanço do crédito foi de 1,5%.

"Se as condições da economia se mantiverem favoráveis, há espaço para o crédito crescer mais em 2019 que neste ano", disse Lazari, em teleconferência com a imprensa.

A melhora no crédito e o resultado da Tesouraria contribuíram para a recuperação da margem financeira do Bradesco, que subiu 2,5% em relação ao terceiro trimestre do ano passado. No acumulado do ano, porém, a margem ainda acumula queda.

Calotes em queda

O resultado do banco também se beneficiou da queda de 23,3% nas despesas de provisão para calotes em relação ao mesmo período do ano passado, para R$ 3,512 bilhões.

O índice de inadimplência do Bradesco encerrou setembro em 3,63%, queda de 0,29 ponto percentual no trimestre e de 1,17 ponto percentual em 12 meses.

"Pelas novas safras de crédito do banco, nós devemos continuar tendo melhoria nessa linha", disse Lazari.

Receita com HSBC

O balanço do Bradesco também vem incorporando com mais vigor as receitas com a incorporação do HSBC. Lazari disse que a rentabilidade com os clientes do antigo HSBC representam hoje 87% da obtida com os correntistas do Bradesco.

Esse número tem espaço para avançar no ano que vem, quando acaba o acordo fechado pelo banco com os reguladores para permitir a aprovação da aquisição, e que previa uma série de limitação nas cobranças aos clientes.

No terceiro trimestre, as receitas de prestação de serviços do banco aumentaram 3,2% em relação ao terceiro trimestre do ano passado. As despesas tiveram desempenho ainda melhor, com alta de 2,4%. No ano até setembro, os gastos administrativos e com pessoal cresceram apenas 0,9%, ou seja, bem abaixo da inflação.

Bolsonaro

Questionado sobre as primeiras declarações na área econômica do governo Bolsonaro, o presidente do Bradesco elogiou as medidas, ainda que não tenha citado diretamente o presidente eleito.

"O que vem sendo falado sobre reforma da Previdência, independência do Banco Central e disciplina fiscal é uma retórica não do novo governo, mas do Brasil inteiro, inclusive da imprensa. Todos reconhecem que são medidas importantes para o crescimento do país", disse Lazari.

Quer ser o primeiro a saber sobre o que afeta os seus investimentos? Então clique aqui e cadastre-se na newsletter do Seu Dinheiro.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Interrompendo o casamento

Movida reforça pedido do Cade para barrar união entre Unidas e Localiza

De acordo com a companhia, isso geraria uma concorrência desleal no setor, com a nova empresa tendo 65% do mercado brasileiro de aluguel e 29% do mercado de frotas

vai mexer

Após polêmica com demissão de Castello Branco, governo indica nomes para o conselho da Petrobras

Cinco membros do colegiado pediram para não serem reconduzidos após interferência de Bolsonaro no comando da estatal

MERCADOS HOJE

Ibovespa opera em queda firme com piora da pandemia no país; dólar vai a R$ 5,70

Os mercados internacionais têm mais um dia de cautela, acompanhando uma nova alta do retorno dos títulos públicos americanos. No Brasil, o cenário da pandemia preocupa

Exile on Wall Street

Sem flores por hoje

Interrompemos nossa programação para uma verdade necessária: temos pouco a comemorar neste Dia Internacional da Mulher. Confesso que nunca aceitei bem a ideia de homenagem embutida nesta data. Sinto que temos tanto a conquistar e estamos tão atrasadas nessa agenda que, para mim, o 8 de março é menos sobre flores e mais sobre dar […]

ouça de graça

Tela Azul #22: A vida difícil dos PJs, Startups e o Venture Capital no Brasil

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Rodrigo Tognini, CEO do Conta Simples, uma startup brasileira que une serviços bancários para PJ, com ferramentas que facilitam a gestão financeiras das empresas.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies