Menu
2018-10-02T13:50:23-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Bancos

Bradesco quer ser mais ativo na cobrança de dívidas após aquisição da RCB

Segundo maior banco privado brasileiro anunciou compra de 65% de gestora especializada na recuperação de créditos em atraso. Valor não foi revelado, mas segundo fontes o negócio foi de R$ 224 milhões

2 de outubro de 2018
13:18 - atualizado às 13:50
Logo do Bradesco
Imagem: Shutterstock

O Bradesco espera ser ainda mais ativo na cobrança de dívidas de seus clientes depois da compra da RCB Investimentos, gestora especializada na recuperação de créditos  “podres”.

O segundo maior banco privado brasileiro anunciou na manhã de hoje a aquisição de 65% da empresa, que possui uma carteira de financiamentos R$ 20 bilhões. Mas vale lembrar que o valor recuperado acaba sendo bem menor, já que boa parte desses créditos está em atraso há vários anos.

O banco não revelou o valor do negócio, mas segundo fontes o banco pagou R$ 224 milhões pela participação. Os demais 35% da companhia ficaram com os atuais sócios - a americana PRA e os dois fundadores.

Participei hoje da teleconferência com a imprensa na qual o banco detalhou o negócio. A expectativa é aumentar em 20% e 25% o índice de recuperação de empréstimos em atraso nos próximos dois anos, segundo Eurico Fabri, vice-presidente do banco. Para isso, a RCB vai competir com a área interna do banco na cobrança dos inadimplentes.

O Bradesco já havia melhorado em quase 45% o desempenho da cobrança nos últimos anos, mas vê espaço para melhorar. “Temos a maior recuperação de crédito entre nossos pares”, disse Fabri.

O banco pretende continuar vendendo para terceiros a carteira de financiamentos vencidos há mais de um ano, que já foram baixados do balanço. Ou seja, a RCB não terá exclusividade nesse negócio.

A gestora também poderá comprar créditos de outras instituições. O negócio prevê a criação de fundos para o investimento em créditos podres. Nesse caso, o Bradesco deve entrar com 40% dos recursos e os demais sócios com o restante. Os valores dos fundos ainda não foram definidos.

A aquisição ainda precisa ser aprovada pelos reguladores. Na aquisição do HSBC, em junho de 2016, o Bradesco se comprometeu com com o Cade, o órgão de defesa da concorrência, a não fazer novas compras no país nos próximos dois anos e meio.

Mas o vice-presidente do Bradesco não acredita que terá problemas na aprovação, já que o acerto com o Cade restringia apenas negócios com outras instituições financeiras - o que, segundo ele, não é o caso da RCB.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

fique de olho

Itaú anuncia pagamento de juros sobre capital próprio

Serão R$ 0,05648 por ação, com retenção de 15% de imposto de renda na fonte; pagamento é uma antecipação aos aos dividendos e JPC do resultado de 2021

mudanças na estatal

Conselheiro recém-eleito da Petrobras renuncia

Marcelo Gasparino da Silva foi eleito no último dia 12; executivo indica medida como “irrevogável”

seu dinheiro na sua noite

B3 Fashion Week

A semana de moda da bolsa brasileira está pegando fogo! Flashes por todos os lados, comentários entusiasmados, queixos caídos a cada novo desfile. As grandes marcas não pouparam esforços para a coleção outono/inverno — e, como era de se esperar, um intenso burburinho toma conta dos bastidores. Essa sexta-feira foi particularmente animada, com a Renner […]

Moradia classe A

Pandemia, juros baixos e dólar caro: combo impulsiona o mercado de imóveis de luxo

Uma combinação que prejudicou boa parte das empresas brasileiras acabou beneficiando o segmento imobiliário de alto padrão

fechamento da semana

Brasília impede Ibovespa de decolar, mas saldo da semana ainda é positivo; dólar vai a R$ 5,58

No Brasil, o que garantiu um bom desempenho do Ibovespa foi a alta das commodities e a recuperação econômica de Estados Unidos e China.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies