Menu
2018-10-02T13:50:23-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Bancos

Bradesco quer ser mais ativo na cobrança de dívidas após aquisição da RCB

Segundo maior banco privado brasileiro anunciou compra de 65% de gestora especializada na recuperação de créditos em atraso. Valor não foi revelado, mas segundo fontes o negócio foi de R$ 224 milhões

2 de outubro de 2018
13:18 - atualizado às 13:50
Logo do Bradesco
Imagem: Shutterstock

O Bradesco espera ser ainda mais ativo na cobrança de dívidas de seus clientes depois da compra da RCB Investimentos, gestora especializada na recuperação de créditos  “podres”.

O segundo maior banco privado brasileiro anunciou na manhã de hoje a aquisição de 65% da empresa, que possui uma carteira de financiamentos R$ 20 bilhões. Mas vale lembrar que o valor recuperado acaba sendo bem menor, já que boa parte desses créditos está em atraso há vários anos.

O banco não revelou o valor do negócio, mas segundo fontes o banco pagou R$ 224 milhões pela participação. Os demais 35% da companhia ficaram com os atuais sócios - a americana PRA e os dois fundadores.

Participei hoje da teleconferência com a imprensa na qual o banco detalhou o negócio. A expectativa é aumentar em 20% e 25% o índice de recuperação de empréstimos em atraso nos próximos dois anos, segundo Eurico Fabri, vice-presidente do banco. Para isso, a RCB vai competir com a área interna do banco na cobrança dos inadimplentes.

O Bradesco já havia melhorado em quase 45% o desempenho da cobrança nos últimos anos, mas vê espaço para melhorar. “Temos a maior recuperação de crédito entre nossos pares”, disse Fabri.

O banco pretende continuar vendendo para terceiros a carteira de financiamentos vencidos há mais de um ano, que já foram baixados do balanço. Ou seja, a RCB não terá exclusividade nesse negócio.

A gestora também poderá comprar créditos de outras instituições. O negócio prevê a criação de fundos para o investimento em créditos podres. Nesse caso, o Bradesco deve entrar com 40% dos recursos e os demais sócios com o restante. Os valores dos fundos ainda não foram definidos.

A aquisição ainda precisa ser aprovada pelos reguladores. Na aquisição do HSBC, em junho de 2016, o Bradesco se comprometeu com com o Cade, o órgão de defesa da concorrência, a não fazer novas compras no país nos próximos dois anos e meio.

Mas o vice-presidente do Bradesco não acredita que terá problemas na aprovação, já que o acerto com o Cade restringia apenas negócios com outras instituições financeiras - o que, segundo ele, não é o caso da RCB.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

nova abertura de capital

Com preço da ação no piso, Melnick, da Even, movimenta mais de R$ 700 milhões em IPO

A empresa divulgou os planos para sua abertura de capital na B3 em julho e é a 15ª empresa a realizar abertura de capital na bolsa em 2020

reparação histórica

MPT rejeita denúncias de racismo contra Magazine Luiza por programa para negros

Para o MPT, não houve violação trabalhista, mas sim uma ação afirmativa de reparação histórica

seu dinheiro na sua noite

O Abaporu da bolsa

Tarsila do Amaral pintou em 1928 uma figura de traços relativamente simples. Com a cabeça diminuta e os pés gigantes, ela surge nua tendo por companhia apenas o sol a pino e um enorme cacto. Foi só depois da reação empolgada do marido Oswald de Andrade que a artista veio a batizar o quadro de […]

Um outro olhar

Investidores mudam o foco, dólar cai e Ibovespa vive dia de forte recuperação

Bolsa recupera terreno e fecha em alta de 1,33%; dólar retorna a R$ 5,51 com reação a sinalizações de banqueiros centrais

fintech do Mercado Livre

Mercado Pago recebe aporte de R$ 400 milhões do Goldman Sachs

Os recursos têm como destino a divisão de crédito da instituição, o Mercado Crédito, e servirão para expandir a oferta de crédito para pequenos e médios vencedores que usam o Mercado Pago e o Mercado Livre

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements