Menu
2018-10-02T13:50:23-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Bancos

Bradesco quer ser mais ativo na cobrança de dívidas após aquisição da RCB

Segundo maior banco privado brasileiro anunciou compra de 65% de gestora especializada na recuperação de créditos em atraso. Valor não foi revelado, mas segundo fontes o negócio foi de R$ 224 milhões

2 de outubro de 2018
13:18 - atualizado às 13:50
Logo do Bradesco
Imagem: Shutterstock

O Bradesco espera ser ainda mais ativo na cobrança de dívidas de seus clientes depois da compra da RCB Investimentos, gestora especializada na recuperação de créditos  “podres”.

O segundo maior banco privado brasileiro anunciou na manhã de hoje a aquisição de 65% da empresa, que possui uma carteira de financiamentos R$ 20 bilhões. Mas vale lembrar que o valor recuperado acaba sendo bem menor, já que boa parte desses créditos está em atraso há vários anos.

O banco não revelou o valor do negócio, mas segundo fontes o banco pagou R$ 224 milhões pela participação. Os demais 35% da companhia ficaram com os atuais sócios - a americana PRA e os dois fundadores.

Participei hoje da teleconferência com a imprensa na qual o banco detalhou o negócio. A expectativa é aumentar em 20% e 25% o índice de recuperação de empréstimos em atraso nos próximos dois anos, segundo Eurico Fabri, vice-presidente do banco. Para isso, a RCB vai competir com a área interna do banco na cobrança dos inadimplentes.

O Bradesco já havia melhorado em quase 45% o desempenho da cobrança nos últimos anos, mas vê espaço para melhorar. “Temos a maior recuperação de crédito entre nossos pares”, disse Fabri.

O banco pretende continuar vendendo para terceiros a carteira de financiamentos vencidos há mais de um ano, que já foram baixados do balanço. Ou seja, a RCB não terá exclusividade nesse negócio.

A gestora também poderá comprar créditos de outras instituições. O negócio prevê a criação de fundos para o investimento em créditos podres. Nesse caso, o Bradesco deve entrar com 40% dos recursos e os demais sócios com o restante. Os valores dos fundos ainda não foram definidos.

A aquisição ainda precisa ser aprovada pelos reguladores. Na aquisição do HSBC, em junho de 2016, o Bradesco se comprometeu com com o Cade, o órgão de defesa da concorrência, a não fazer novas compras no país nos próximos dois anos e meio.

Mas o vice-presidente do Bradesco não acredita que terá problemas na aprovação, já que o acerto com o Cade restringia apenas negócios com outras instituições financeiras - o que, segundo ele, não é o caso da RCB.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Recuperação intranquila

Ibovespa passa por instabilidade com possível demissão de Mandetta, mas ainda fecha em alta firme

O Ibovespa terminou a sessão com ganhos de mais de 6%, mas ainda assim ficou distante das máximas e aquém das bolsas americanas. Tudo por causa das incertezas relacionadas à permanência do ministro da Saúde no cargo

Números atualizados

Brasil tem 553 mortes e 12 mil casos confirmados do novo coronavírus

Brasil chegou a 553 mortes em razão da pandemia do coronavírus, segundo atualizaçãodo Ministério da Saúde. Número representa um aumento de 13%

Fundos

Comprada em bolsa nos EUA, Verde Asset diz que volta de preços ocorrerá ‘mais rápido do que muitos imaginam’

Mercado já colocou nos preços uma brutal queda de lucratividade das empresas, que será revertida ao longo dos próximos anos, segundo a gestora

Não tem pra todo mundo

‘Não há como ajudar todos os setores’, diz presidente do Santander

Presidente do Santander Brasil, Sergio Rial afirmou que deve-se evitar que mais setores venham buscar dinheiro no governo por conta da crise

Premiê com covid-19

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, dá entrada em UTI

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deu entrada em uma unidade de terapia intensiva após a piora no seu quadro médico, disse a BBC

Tensão em Brasília e na bolsa

Ibovespa perde força após jornal afirmar que Bolsonaro vai demitir Mandetta ainda hoje

O Ibovespa se distanciou das máximas após as primeiras notícias quanto à demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

Dinheiro guardado

Poupança volta a captar em meio à crise do coronavírus

Os depósitos na poupança superaram os saques em R$ 12,168 bilhões no mês passado. Com isso, a captação líquida de março foi a maior da série histórica para o mês

Jogo franco

Não há condições para fazer com segurança nova projeção para 2020, diz Anfavea

Anfavea critica restrição de bancos em relação a crédito e cobra atuação do governo federal

efeito coronavírus

PIB do Brasil deve cair 2% em 2020, diz Fitch; América Latina deve encolher 2,6%

Projeção de queda para o PIB da América Latina é maior do que a observada durante a crise financeira global de 2008/2009

medida de prevenção

Doria estende em 15 dias quarentena em São Paulo

Segundo o governo, contágio já chegou a cem cidades paulistas; recomendação é que as pessoas fiquem em casa; serviços considerados essenciais continuam em funcionamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements