Menu
2019-07-24T18:21:32-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Balanço positivo

Ações da Weg se aproximam das máximas após a empresa lucrar 15% a mais no trimestre

A companhia catarinense Weg divulgou na manhã desta quarta-feira (24) seus números referentes ao segundo trimestre do ano — e as ações da empresa reagiram bem aos dados

24 de julho de 2019
16:04 - atualizado às 18:21
Fábrica da Weg em Santa Catarina
Fábrica da Weg em Santa Catarina. - Imagem: Jonne Roriz/Estadão Conteúdo

Um dos conselhos mais básicos para quem está entrando no mercado financeiro diz respeito à diversidade dos investimentos — o tal do "não deposite todos os ovos numa única cesta". Afinal, estar exposto a ativos de diferentes perfis reduz a chance de ter prejuízos por causa de algum imprevisto. A Weg leva a sério esse ensinamento, e seus resultados do segundo trimestre mostram que a estratégia rendeu frutos.

A empresa catarinense atua em vários ramos: desde equipamentos eletroeletrônicos industriais até motores para uso doméstico; de geração, transmissão e distribuição de energia (GTD) a tintas e vernizes. Além disso, a Weg possui ampla diversificação geográfica, com presença em todos os continentes.

Esse leque de atuação acaba funcionando como uma espécie de seguro: eventuais dificuldades enfrentadas por alguma divisão ou mercado acabam sendo diluídas no meio de tantas frentes de resultado. E, entre abril e junho deste ano, o saldo de todos os vetores foi positivo para a empresa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A Weg reportou, na manhã desta quarta-fera (24), um lucro líquido de R$ 389 milhões no segundo trimestre de 2019, cifra 15,6% maior que a apurada no mesmo período do ano passado. A receita líquida também cresceu: chegou a R$ 3,286 bilhões, um avanço de 7,5% na mesma base de comparação.

Os números foram bem recebidos pelo mercado: as ações ON da Weg (WEGE3) fecharam o dia em alta de 1,86%, a R$ 23,00 — perto das máximas históricas de encerramento, de R$ 23,69.

Em linhas gerais, analistas e especialistas receberam bem os resultados da Weg. No entanto, o otimismo não se restringe ao crescimento por si só do lucro e da receita: o segredo está no desempenho isolado de cada setor e área de atuação da companhia — e nas perspectivas para o futuro.

Dos R$ 3,286 bilhões de receita, R$ 1,289 bilhão foi obtido no mercado interno — um recuo de 2,2% na base anual. Contudo, o mercado externo respondeu por R$ 1,996 bilhão, um avanço de 18,8% em relação ao segundo trimestre de 2018, o que compensou a desaceleração vista aqui dentro.

Cartas na manga

Em termos domésticos, a Weg destaca que a geração de receita foi negativamente impactada pela menor participação dos projetos de geração eólica. Contudo, uma segunda frente de atuação tem ganhado importância nas atividades locais da empresa: os negócios de geração solar.

"As perspectivas para esse negócio se mantêm positivas, principalmente na parte de geração solar distribuída, que vem apresentando crescimento contínuo na entrada de pedidos nos últimos meses", destaca a empresa, em mensagem aos acionistas. Vale lembrar que a Weg tem uma parceria com a construtora MRV para instalar miniusinas solares em condomínios residenciais.

No exterior, a companhia destaca o bom desempenho das áreas de GTD e equipamentos eletrônicos industriais, tanto em reais quanto em moedas locas. "Segmentos importantes da indústria como os setores de óleo e gás, mineração, papel e celulose e infraestrutura continuam mostrando boa demanda por novos produtos, tanto em projetos de expansão de capacidade ou novos investimentos".

Otimismo

Uma vez conhecidos os resultados da Weg segundo trimestre, duas casas de análise mostraram-se satisfeitas com os números. O BTG Pactual afirmou que os dados ficaram em linha com o esperado, mas destacou que o mix de produtos e o bom desempenho das atividades internacionais foram pontos positivos do balanço.

Como resultado, o BTG fixou em R$ 25,00 o preço-alvo para as ações da empresa ao final de 2020 — a meta anterior era de R$ 21 ao fim deste ano —, com recomendação 'neutra'.

Já o Itaú BBA afirmou que os números da Weg foram surpreendentes, uma vez que as estimativas do banco eram "conservadoras". A instituição possui recomendação 'market perform' (em linha com a média do mercado) para os ativos da empresa e preço-alvo de R$ 19 ao fim deste ano — o Itaú BBA, contudo, afirma que há espaço para uma revisão para cima dessa meta.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

MUDANÇAS À VISTA?

Concessionária de Viracopos ‘sinaliza’ com processo de devolução, diz ministro

No fim de novembro, a Aeroportos Brasil, administradora de Viracopos, protocolou na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) as considerações finais do processo de caducidade (extinção) do terminal de Campinas

Leilões

Governo projeta até 44 leilões para 2020, incluindo a rodovia presidente Dutra

Em 2019, segundo o ministro, o governo realizou 27 licitações. Foram 13 terminais portuários, um trecho da Ferrovia Norte-Sul, as rodovias BR-364 e 365 e 12 aeroportos

O Ibovespa e o eu do futuro

A Helena, minha filha de nove anos, e os amigos da escola decidiram escrever uma carta para o “eu do futuro” como trabalho de final de ano – hoje é o último dia de aula. Eu nunca tive esse tipo de atividade quando criança, mas já pensei várias vezes em como seria fazer algo do […]

Pelos poderes de Grayskull

Com corte na Selic e alívio na guerra comercial, o Ibovespa teve a força nessa semana

Sinalizações amigáveis do BC em relação à taxa de juros, visão positiva da agência de risco S&P quanto ao Brasil e acordo comercial entre EUA e China: eis os superpoderes do Ibovespa nesta semana

ENERGIA

Eletrobras e Ande fecham acordo sobre divisão de energia de Itaipu

Ainda de acordo com a nota, agora será possível a formalização dos contratos entre a entidade binacional e as empresas compradoras

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: Mais um corte na Selic. Será o último?

Os repórteres do Seu Dinheiro comentam o novo corte de 0,5 ponto na Selic e discutem os próximos passos do BC em relação à taxa de juros

Ação sobe forte

Investidor vê descoberta de fraude contábil na Via Varejo como parte da “faxina” da nova gestão

Apesar do prejuízo que pode chegar a R$ 1,4 bilhão no balanço do quarto trimestre, as ações da companhia (VVAR3) registram forte alta hoje na bolsa

Última forma

Agora que o governo voltou atrás, saque aniversário do FGTS ficou mais vantajoso

Há mais ou menos um mês eu publiquei aqui no Seu Dinheiro uma matéria sobre em quais situações o saque aniversário do FGTS valeria a pena. Trata-se de uma nova modalidade de saque do fundo de garantia em que o trabalhador pode escolher receber uma parte dos seus recursos depositados no fundo uma vez por […]

IPO À VISTA

Bahia pretende abrir capital da Embasa em 2020 e arrecadar de R$ 4 bi a R$ 5 bi

Segundo ele, o tema já está sendo discutido com bancos nacionais e internacionais, como Banco do Brasil, Caixa e Santander

enfim uma trégua

China e EUA fecham ‘fase 1’ de acordo comercial

País presidido por Trump deve retirar tarifas sobre produtos chineses em fases; novas tarifas previstas para entrar em vigor no dia 15 não mais serão levadas adiante

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements