Menu
2019-04-04T13:41:53+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Gestoras

Uma aposta no setor de varejo que já rendeu 262% do CDI

SRM Aseet usa expertise adquirida no mercado de crédito para antecipar movimentos na bolsa de valores

3 de abril de 2019
9:24 - atualizado às 13:41
Fábio Ohara - diretor SRM Asset
Diretor da SRM Asset, Fábio Ohara, vai usar conhecimento da empresa no mercado de crédito para buscar oportunidades na bolsa. - Imagem: Assessoria de Imprensa

A SRM Asset tem 15 anos de história, mais de R$ 1,8 bilhão sob gestão e uma profunda ligação com o setor real da economia, emprestando dinheiro a mais de 1,5 mil médias empresas atualmente. Em julho do ano passado, a empresa decidiu usar esse expertise sobre os ciclos econômico e de crédito para entrar no mundo dos fundo multimercado e a estratégia mostra resultado.

Como bem resume o diretor da SRM Asset, Fábio Ohara, a área de inteligência da empresa consegue medir o pulso da economia em tempo real ao cruzar informações acumuladas ao longo do tempo dando crédito via Fundo de Investimento em Direito Creditório (FIDC) com diversas outras bases de dados.

“Consigo ver o custo do crédito, o preço das mercadorias, volume de venda, inadimplência e comercio exterior. Nossa grande aposta é usar essas informações para bolsa, subsidiando e enriquecendo a decisão de investimento”, diz Ohara.

A aplicação prática dessa estratégia está acontecendo no fundo SRM Exodus Plus FIC FIM, que tem um retorno de 262% do CDI (3,96%) desde o começo de 2019.

Long varejo, short índice

Segundo o gestor do fundo, Vicente Matheus Zuffo, entre agosto e setembro do ano passado, com a economia ainda em dúvida sobre o resultado da eleição, a equipe de inteligência detectou um aumento nas operações de desconto de duplicada e capital de giro das varejistas, sinalizando uma aceleração do setor que ainda não transparecia no mercado.

“Então achamos que valia a pena dar uma olhada no setor e montar uma posição para carregar”, diz.

A posição é diversificada, com shopping centers, setor têxtil e supermercados, e até o momento os dados mostram um desempenho melhor do varejo em comparação com a indústria, que ainda não se recuperou plenamente da greve dos caminhoneiros do ano passado.

Para proteger a exposição comprada, Zuffo faz operações vendidas, pontualmente, em Ibovespa futuro e índice de bolsa americana (S&P). “O long dessa carteira de varejo com short em índice tem funcionado bem”, avalia.

O fundo tem cerca de R$ 35 milhões em patrimônio, mas a meta é chegar a R$ 5 bilhões. O produto está nas plataformas da XP e da Órama. “Como a rentabilidade está boa esperamos crescimento relativamente rápido”, diz Zuffo.

O restante da exposição é diversificada, segundo o gestor, que se mantém longe dos papéis dos grandes bancos e de empresas muito expostas ao mercado chinês.

No setor financeiro, a SRM acredita na tese de disrupção com a chegada de novos agentes. A própria empresa tem sua fintech, a Trust, com foco em crédito a micro e pequenas empresas via desconto online de duplicatas.

Com relação às empresas ligadas à China, a cautela advém da avaliação de que a desaceleração por lá será maior do que a esperada pelo mercado. Aliás, a SRM avalia que os riscos externos, como uma desaceleração global, são maiores que os domésticos.

Otimismo cauteloso

Também com base na leitura dos dados proprietários, que são depurados por uma equipe dedicada dentro da casa, Zuffo disse que em janeiro eles já tinham identificado que as projeções para o PIB passariam por uma revisão de baixa, algo que se cristaliza agora, com o mercado falando em crescimento abaixo de 2%.

Mesmo com a economia ainda empacada, a posição de Zuffo é cautelosamente otimista com Brasil. A reforma da Previdência é a virada de chave para que a melhora de otimismo que atingiu a classe empresarial vire recuperação de fato.

As dúvidas são qual a reforma que saíra do Congresso, ou seja, se a economia projetada será capaz de garantir uma melhora das contas públicas, e o timing dessa aprovação.

“Acho que vai passar algo satisfatório, mas não será a reforma que está na cabeça do Paulo Guedes.”

Pergunto qual seria o pior cenário possível e Zuffo diz ter receio do caos, que seria o governo não obter 308 para aprovar a reforma, nos fazendo ter uma reedição dos anos de 2014 e 2015.

“Mas o Brasil não tem histórico de se jogar no caos. As instituições são mais fortes do que julgamos e reagem, fazendo a coisa andar, diferentemente dos nossos vizinhos. As opções são aprovar a reforma da Previdência ou aprovar a reforma da Previdência”, acredita.

Juros e câmbio

Para o gestor, haveria espaço para um real mais apreciado levando em conta os fundamentos como balança comercial, investimento direto e expectativas com captações e privatizações. Mas o real não deve se descolar muito dos pares emergentes e também há a expectativa com as reformas.

Destoando de alguns pares, Zuffo não acredita que há espaço para o Banco Central (BC) retomar os cortes na Selic, atualmente fixada em 6,5% ao ano, mesmo com inflação controlada e baixo crescimento.

Segundo o gestor, cortes adicionais da Selic não são uma bala de prata até porque pelos dados acompanhados pela SRM, há oferta de crédito, mas a demanda não reage como se esperaria.

Zuffo diz concordar com a cautela, serenidade e paciência do BC, pois com a aprovação das reformas e o encaminhamento de uma agenda de simplificação, menor burocracia e privatização, o país pode entrar em um novo ciclo de investimento e consumo acelerado, algo que pode ser motivo para um ciclo de alta da Selic mais adiante.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

perdido com os centavos?

Novo cofrinho de poupança? Neon anuncia função de investimento de trocados em CDB

Função que começa a ser implantada neste mês permitirá que usuários destinem parte de pagamentos no débito para aplicações automáticas em CDB

Mais magrinha

Petrobras negocia venda de participações em áreas onde descobriu gás em SE

Como o foco do seu plano de negócios atualmente é o pré-sal, localizado na região Sudeste do País, o investimento em outras áreas, como em Sergipe, está atrelado à adoção de soluções financeiras que não comprometam o orçamento da companhia e também não gerem mais dívida

EUA x China

Qual o custo da guerra comercial? Para a Huawei, serão US$ 30 bilhões a menos em receita

O presidente da Huawei, Ren Zhengfei, passou estimativas quanto aos impactos que a guerra comercial trará para a empresa. E tanto a receita quanto as vendas internacionais de smartphones serão fortemente afetadas

Grave crise

Odebrecht pode fazer pedido de recuperação judicial nesta segunda-feira

Com dívida de R$ 80 bilhões e com execuções em curso, a empresa está sem alternativas para resolver seu problema de liquidez financeira

em busca da previdência perfeita

Guedes quer ajustar relatório da reforma

Ministro vai buscar negociar ajustes no relatório da reforma da Previdência com o relator da proposta, deputado Samuel Moreira; o relator e o secretário Especial de Previdência, Rogerio Marinho, já conversaram informalmente neste fim de semana

Boas novas!

Nubank levanta R$ 375 milhões para financiar expansão e emplaca captação inédita

A fintech estreou a nova modalidade com uma oferta de R$ 75 milhões e que atraiu cinco investidores institucionais. Na mesma operação, o Nubank captou outros R$ 300 milhões via letras financeiras sênior

em busca do primeiro bilhão

Como Rihanna se tornou a artista feminina da música mais rica do mundo

Cantora pop acumulou uma fortuna de US$ 600 milhões, mas para isso ela teve de investir mais do que em música

segue o jogo

Caso Levy não atinge a Câmara, diz Rodrigo Maia

Maia fez o comentário em entrevista à emissora BandNews ao ser questionado sobre o pedido de demissão do agora ex-presidente do BNDES Joaquim Levy

Cortar ou não cortar?

Ex-diretores do BC se dividem sobre juros

Os que defendem ao menos um aceno ao corte no comunicado dão ênfase à avaliação da modelagem que considera a longa permanência da taxa de desemprego elevada e a ociosidade da economia

No vermelho

Economia parada deixa brasileiro refém das dívidas

Início de ano costuma ser um período de aperto no orçamento por causa do acúmulo de contas a pagar, mas neste ano o movimento está mais forte por causa da estagnação da economia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements