Menu
2019-10-22T20:54:30+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Tá quase acabando

Senado aprova reforma da Previdência por 60 votos a 19

Votado o texto principal, senadores avaliaram dois dos quatro destaques apresentados. Votação será retomada na quarta-feira

22 de outubro de 2019
19:23 - atualizado às 20:54
Plenário do Senado com o presidente Davi Alcolumbre
Senado vota segundo turno da reforma da Previdência - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

O plenário do Senado concluiu a votação em segundo turno do texto principal da reforma da Previdência. O texto teve 60 votos favoráveis e 19 contrários. O mínimo necessário era de 49 votos. O resultado ficou acima dos 56 votos do primeiro turno de votação.

A reforma, no entanto, vai se arrastar por mais um dia. Ficaram faltando dois destaques, tentativas de modificação do texto. Um destaque do PT sobre aposentadoria especial por periculosidade ou de acordo com a categoria profissional gerou grande debate no plenário.

Atendendo sugestão do senador Eduardo Braga (MDB-AM), que levantou dúvidas sobre o tema, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, optou por cancelar a votação.

A fala de Braga foi um tipo de alerta sobre o risco de o texto ser modificado. Além de um impacto de mais de R$ 23 bilhões, uma derrota do governo no tema abriria a possibilidade de retorno do texto à Câmara dos Deputados. São necessários 49 votos para que o texto não seja alterado. Os dois primeiros destaques caíram com 57 votos.

Votação

Antes de proclamar o resultado da votação do texto principal, Alcolumbre agradeceu a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes, que chegou ao plenário ao fim da votação.

Alcolumbre também destacou a busca por entendimentos e consensos, que a população espera do Senado, independentemente de orientação partidária. “O Brasil, hoje, com essa votação mostra a grandeza do Parlamento, maturidade política e responsabilidade”, disse.

"Quero dizer ao governo que o Congresso cumpre com sua responsabilidade. O parlamento entrega a maior reforma da previdência da história do país", afirmou Alcolumbre.

Superada essa etapa se encerra o trâmite legislativo da reforma, que chegou ao Congresso em fevereiro, e centrou o debate político e econômico nacional durante boa parte do ano. O texto final (até o momento) prevê uma economia de cerca de R$ 800 bilhões ao longo de dez anos. Resultado que pode ser comemorado, mesmo com as desidratações que a reforma sofreu ao longo da tramitação.

Logo após o resultado da votação, Guedes expressou felicidade pelo resultado e disse que sempre teve confiança no Congresso. O ministro também defendeu que o ideal é que Estados e municípios também entrem na reforma (assunto que está sendo discutido na chamada PEC paralela). Na semana que vem devem ser apresentadas outras propostas de reforma, com o pacto federativo que também inclui uma reforma administrativa.

O secretário de Fazenda, Waldery Rodrigues, em breve conversa com "Seu Dinheiro", disse que esse é "um momento histórico", pois a Previdência é a principal despesa primária da União e como colocou o governo, desde o início, essa era a principal reforma a ser seguida para fins de ajuste das contas públicas.

"Dia histórico. Passo forte para a consolidação fiscal. Mas não se encerra aí. Temos de buscar outros pontos para trazer o equilíbrio fiscal", disse Rodrigues.

Sobre as próximas reformas - tributária, pacto federativo e administrativa - o secretário disse que o ritmo de andamento será ditado em discussão do Executivo com o Congresso.

Como escrevemos mais cedo, uma forma ver o tema é como um compromisso do país com a sustentabilidade das contas públicas. Essa reforma aliada à emenda do teto de gastos, que limitou o crescimento do gasto público, “compram tempo” para o país fazer um ajuste fiscal gradual, sem avançar sobre “direitos adquiridos”, nem elevar ainda mais a carga tributária.

Ao longo da orientação de bancadas, uma ponderação feita por boa parte dos senadores foi de que a reforma não era a solução, mas era algo necessário.

Pela manhã, o texto já tinha sido rapidamente aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do senado, trazendo apenas modificações na redação do texto.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

mexendo na reforma

Senado muda regra de cálculo de aposentadoria

Emenda aprovada pelos senadores voltaria com a regra anterior a reforma da Previdência, que poupava 20% dos salários mais baixos do cálculo da média do histórico de contribuição para definir o quanto uma pessoa receberia

agora vai?

Governo aprova regras para tentar acelerar privatização de pequenas e médias estatais

Nova resolução passa a valer imediatamente para estatais com receita operacional bruta anual inferior a R$ 300 milhões

Fundos

Investidor estrangeiro tem visão errada sobre Bolsonaro e não vai voltar ao Brasil, diz Rogério Xavier, da SPX

Lendário gestor responsável por administrar R$ 40 bilhões está comprado em dólar e se mostrou cético tanto com o crescimento do PIB como com o avanço da agenda do governo, mas espera juro baixo por um longo período

De olho no gráfico

As diferentes análises técnicas e uma resposta sobre se é hora de entrar na bolsa americana

No vídeo de hoje, falo sobre as diferentes formas de encarar a análise técnica e seus distintos métodos de aplicação

Seu Dinheiro na sua noite

O que o Banco Central diz sobre o dólar?

Responsável pela gestão de R$ 40 bilhões, Rogério Xavier é conhecido tanto por ser um dos mais brilhantes gestores de fundos do mercado brasileiro como por não ter papas na língua. Por isso mesmo acordei cedo para conferir a participação dele em um evento promovido pela XP Investimentos. A reportagem completa sobre a fala de […]

Negócio fechado

Petrobras bate o martelo e vende a Liquigás por R$ 3,7 bilhões

A Petrobras assinou nesta terça-feira o contrato para venda da Liquigás para o consórcio formado por Itaúsa, Copagaz e Nacional Gás Butano, por R$ 3,7 bilhões

Se livraram

CVM absolve ex-conselheiros que liberaram Eike Batista da ‘put’ de US$ 1 bilhão na OGX

Adriano Salvi, Jorge Rojas e Roberto Paulino foram acusados pela área técnica da CVM de violarem seu dever de diligência

Boas novas

Boeing afirma que recebeu 50 pedidos para aeronaves 737 Max

Entre os potenciais compradores estão a Air Astana, que é cazaquistanesa e que teria assinado um acordo de intenção para adquirir 30 jatos. As informações são da Bloomberg

Bye bye!

Bolsonaro assina carta de desfiliação do PSL

Carta abre caminho para que Bolsonaro possa assumir a presidência da sigla que decidiu fundar, o Aliança pelo Brasil

Migração

Depósitos na NuConta passam a ser feitos em RDB do Nubank por padrão, mas cliente pode voltar à versão antiga

Quem acessa o app do Nubank tem se deparado com um aviso dizendo que novos depósitos passarão a ser feitos no RDB da instituição; cliente, no entanto, pode optar por voltar aos títulos públicos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements