Menu
2019-04-19T09:06:08+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
#Tamojunto

Relacionamento entre Bolsonaro e Guedes é ótimo

Prova disso é que com uma boa conversa, o ministro não só resolveu o imbróglio da Petrobras, como plantou a ideia de privatização dessa joia da coroa

19 de abril de 2019
5:29 - atualizado às 9:06
Bolsonaro Paulo Guedes
Bolsonaro e Guedes - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock / Fotos Públicas

Há uma semana a percepção era de que Jair Bolsonaro tinha aplicado mais uma de suas imperiosas caneladas no ministro da Fazenda, Paulo Guedes, ao ligar para o presidente da Petrobras, falar que ele tinha jogado diesel no seu chope e pedido explicações para uma alta do combustível acima da inflação.

Pego de surpresa, Guedes disse um “calma lá, deixa eu me situar primeiro”, e que se eventualmente o presidente fizesse alguma coisa que não fosse muito razoável, tinha certeza de que conseguiria consertar. “Uma conversa conserta tudo”, disse na ocasião.

Pois bem, a conversa aconteceu e não só resolveu a questão da independência da Petrobras na definição do preço dos combustíveis, como plantou na cabeça do presidente que privatizar a Petrobras não é má ideia.

Em entrevista à “GloboNews”, na quarta-feira, Guedes disse que “o presidente levantou a sobrancelha” quando o assunto privatização foi colocado nas discussões do reajuste do diesel.

Já na quinta-feira, circulou notícia de que o presidente teria “simpatia inicial” à privatização dessa joia da cora.

Na segunda-feira, escrevi que Guedes até poderia consertar as coisas conversando com Bolsonaro sobre o preço dos combustíveis, mas ponderei que novos choques poderiam acontecer, pois a visão prevalente era de “preço justo”, “bem maior” e que a política de preços não poderia ser “extorsiva”.

Enfim, subestimei o poder de uma conversa de Paulo Guedes. No entanto, creio que novos choques ocorrerão, pois o ministro segue fazendo um papel que se dispôs a fazer quando entrou para a campanha do até então desacreditado capitão da reserva. A ponte entre a economia e a política.

O próprio ministro fala que vez ou outra tem algum tumulto, uma bola nas costas, pois o time ainda está em treinamento.

Lembrei de uma palestra de Guedes que assisti em agosto do ano passado, na qual o então indicado a ministro transmitiu sua visão sobre Bolsonaro: Um torcedor de futebol fanático e não de uma ameaça à democracia.

Guedes também disse que os dois tinham uma espécie de pacto, um cuidava da economia e outro da política, mas que conversavam entre si.

Sim, Bolsonaro ouve Paulo Guedes e a suas aulas de economia liberal. Tanto que o ministro tem falado que Bolsonaro “está aprendendo mais rápido que os economistas brasileiros”.

Por isso causou surpresa, quando na terça-feira, vi uma nota falando que Guedes demonstrou estar “muito irritado” com Bolsonaro. Algo que teve breve impacto no preço do dólar e gerou algumas piadas entre agentes de mercado.

Autêntico e impulsivo

Guedes também sabe da impulsividade e autenticidade do presidente e não se assusta com eventuais arroubos. Guedes diz não entender de política e que seu compromisso é com a teoria econômica, mas ele tem uma enorme sensibilidade política para entender que o presidente soube captar o pulso da população e transformar isso em votos. E são os votos que legitimam o seu “fazer o melhor” no campo econômico.

O ministro diz que sua politização foi tardia, mas que com o tempo foi entendendo que o socialista tem um grande coração, mas destrói a economia, por não ter potencial intelectual. Já o conservador tem a insensibilidade. Assim, se define como um liberal-democrata.

Segundo Guedes, ao ouvir as ruas, os caminhoneiros, Bolsonaro demostra uma dimensão importante, pois ele tem a sensibilidade de não ouvir só os economistas. Antes, o ministro já tinha criticado o ex-presidente da Petrobras Pedro Parente pelo modelo de reajuste diário de combustíveis, que o deixou “bem na foto” com o mercado, mas mostrou uma falta de sensibilidade com a economia real. Guedes deixou claro que seu modo não é oito ou 80.

Os 200 milhões de patos

Guedes disse também que o próprio presidente mandou uma mensagem para ele mostrando que nos EUA tinham 60 diferentes bandeiras de petrolífera e aqui no Brasil, apenas uma. “Ele quis dizer alguma coisa com aquilo ali”, disse o ministro.

Segundo Guedes, para um conjunto cada vez maior de brasileiros está ficando claro que temos cinco bancos, seis construtoras, uma produtora e refinaria de petróleo e três distribuidoras de gás de um lado. Do outro, somos “200 milhões de patos”.

Aqui entra algo que Guedes falou sobre o “caminho da prosperidade”, que passa por acabar com a ideia de Estado forte e dirigista e estimular os diferentes mercados e a livre competição, pois é isso que traz riqueza.

Guedes também está ciente das limitações do próprio presidente em abraçar algumas agendas, mas espera que “cada um vai dar o que pode dar” e lembrou que o presidente já cedeu em coisas que eram e são importantes para ele, como idade mínima para mulheres na aposentadoria, pois essa é uma medida importante para o Brasil.

O ministro também disse que com a idade, a vaidade (intelectual) foi se esvanecendo e que o importante, agora, é fazer um bom trabalho.

No entanto, sendo conhecido por sua capacidade de enxergar a longo prazo ou “farol alto”, como me disse um conhecido que trabalhou com ele, Guedes sabe que entra para história podendo deixar uma pirâmide a ser contemplada, ou acabar no capitulo daqueles que poderiam ter sido, mas que não foram.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Nas ruas do país

Atos pró-Bolsonaro chegam a 93 municípios de 25 Estados e DF

Em São Paulo, a manifestação a favor do governo ocorre na Avenida Paulista e os participantes estão distribuídos por sete quarteirões

Entrevista

“Reforma tem boa chance de passar. Talvez não no prazo ideal”, diz Pedro Parente

Ex-ministro e atual presidente da BRF, Parente vê com naturalidade a atual desarticulação entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso

Dia de manifestações

Bolsonaro posta no Twitter vídeos de atos pró-governo

A conta do presidente na rede social trouxe três vídeos de manifestantes nas cidades do Rio de Janeiro, em São Luís, no Maranhão, e em Juiz de Fora, no interior de Minas

Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

Das redes ao asfalto

Manifestações nas ruas testam apoio a Bolsonaro

Receio da equipe de Bolsonaro é de que, se não houver uma adesão de peso às manifestações, isso seja interpretado como um sinal de perda de popularidade

Armas

Novo decreto de Bolsonaro mantém brecha para compra de fuzis

Governo mudou texto para evitar venda de fuzis a civis, que fez as ações da Taurus dispararem na semana passada. Mas Procuradoria diz que novo decreto mantém essa possibilidade

Cannabusiness

O dia não tão distante em que os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Seu Dinheiro no sábado

MAIS LIDAS: Esse filme eu já vi

Na semana em que o futuro pareceu repetir o passado, o assunto mais comentado não podia ser outro: o tsumani político que varreu Brasília. O enredo que incluiu derrotas do governo no Congresso, investigações do Ministério Público, manifestações de rua e investidores à beira de um ataque de nervos de fato me trouxe recordações recentes, […]

Pague pelo celular

Após avanço do Itaú, Mercado Pago amplia parcerias com lojas para pagamentos instantâneos

Empresa do site Mercado Livre fecha parceria com redes de farmácia e de alimentos para aceitar pagamentos pelo sistema de “QR Code”, que agora entrou na mira do Itaú

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements