Menu
2019-04-19T09:06:08-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
#Tamojunto

Relacionamento entre Bolsonaro e Guedes é ótimo

Prova disso é que com uma boa conversa, o ministro não só resolveu o imbróglio da Petrobras, como plantou a ideia de privatização dessa joia da coroa

19 de abril de 2019
5:29 - atualizado às 9:06
Bolsonaro Paulo Guedes
Bolsonaro e Guedes - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock / Fotos Públicas

Há uma semana a percepção era de que Jair Bolsonaro tinha aplicado mais uma de suas imperiosas caneladas no ministro da Fazenda, Paulo Guedes, ao ligar para o presidente da Petrobras, falar que ele tinha jogado diesel no seu chope e pedido explicações para uma alta do combustível acima da inflação.

Pego de surpresa, Guedes disse um “calma lá, deixa eu me situar primeiro”, e que se eventualmente o presidente fizesse alguma coisa que não fosse muito razoável, tinha certeza de que conseguiria consertar. “Uma conversa conserta tudo”, disse na ocasião.

Pois bem, a conversa aconteceu e não só resolveu a questão da independência da Petrobras na definição do preço dos combustíveis, como plantou na cabeça do presidente que privatizar a Petrobras não é má ideia.

Em entrevista à “GloboNews”, na quarta-feira, Guedes disse que “o presidente levantou a sobrancelha” quando o assunto privatização foi colocado nas discussões do reajuste do diesel.

Já na quinta-feira, circulou notícia de que o presidente teria “simpatia inicial” à privatização dessa joia da cora.

Na segunda-feira, escrevi que Guedes até poderia consertar as coisas conversando com Bolsonaro sobre o preço dos combustíveis, mas ponderei que novos choques poderiam acontecer, pois a visão prevalente era de “preço justo”, “bem maior” e que a política de preços não poderia ser “extorsiva”.

Enfim, subestimei o poder de uma conversa de Paulo Guedes. No entanto, creio que novos choques ocorrerão, pois o ministro segue fazendo um papel que se dispôs a fazer quando entrou para a campanha do até então desacreditado capitão da reserva. A ponte entre a economia e a política.

O próprio ministro fala que vez ou outra tem algum tumulto, uma bola nas costas, pois o time ainda está em treinamento.

Lembrei de uma palestra de Guedes que assisti em agosto do ano passado, na qual o então indicado a ministro transmitiu sua visão sobre Bolsonaro: Um torcedor de futebol fanático e não de uma ameaça à democracia.

Guedes também disse que os dois tinham uma espécie de pacto, um cuidava da economia e outro da política, mas que conversavam entre si.

Sim, Bolsonaro ouve Paulo Guedes e a suas aulas de economia liberal. Tanto que o ministro tem falado que Bolsonaro “está aprendendo mais rápido que os economistas brasileiros”.

Por isso causou surpresa, quando na terça-feira, vi uma nota falando que Guedes demonstrou estar “muito irritado” com Bolsonaro. Algo que teve breve impacto no preço do dólar e gerou algumas piadas entre agentes de mercado.

Autêntico e impulsivo

Guedes também sabe da impulsividade e autenticidade do presidente e não se assusta com eventuais arroubos. Guedes diz não entender de política e que seu compromisso é com a teoria econômica, mas ele tem uma enorme sensibilidade política para entender que o presidente soube captar o pulso da população e transformar isso em votos. E são os votos que legitimam o seu “fazer o melhor” no campo econômico.

O ministro diz que sua politização foi tardia, mas que com o tempo foi entendendo que o socialista tem um grande coração, mas destrói a economia, por não ter potencial intelectual. Já o conservador tem a insensibilidade. Assim, se define como um liberal-democrata.

Segundo Guedes, ao ouvir as ruas, os caminhoneiros, Bolsonaro demostra uma dimensão importante, pois ele tem a sensibilidade de não ouvir só os economistas. Antes, o ministro já tinha criticado o ex-presidente da Petrobras Pedro Parente pelo modelo de reajuste diário de combustíveis, que o deixou “bem na foto” com o mercado, mas mostrou uma falta de sensibilidade com a economia real. Guedes deixou claro que seu modo não é oito ou 80.

Os 200 milhões de patos

Guedes disse também que o próprio presidente mandou uma mensagem para ele mostrando que nos EUA tinham 60 diferentes bandeiras de petrolífera e aqui no Brasil, apenas uma. “Ele quis dizer alguma coisa com aquilo ali”, disse o ministro.

Segundo Guedes, para um conjunto cada vez maior de brasileiros está ficando claro que temos cinco bancos, seis construtoras, uma produtora e refinaria de petróleo e três distribuidoras de gás de um lado. Do outro, somos “200 milhões de patos”.

Aqui entra algo que Guedes falou sobre o “caminho da prosperidade”, que passa por acabar com a ideia de Estado forte e dirigista e estimular os diferentes mercados e a livre competição, pois é isso que traz riqueza.

Guedes também está ciente das limitações do próprio presidente em abraçar algumas agendas, mas espera que “cada um vai dar o que pode dar” e lembrou que o presidente já cedeu em coisas que eram e são importantes para ele, como idade mínima para mulheres na aposentadoria, pois essa é uma medida importante para o Brasil.

O ministro também disse que com a idade, a vaidade (intelectual) foi se esvanecendo e que o importante, agora, é fazer um bom trabalho.

No entanto, sendo conhecido por sua capacidade de enxergar a longo prazo ou “farol alto”, como me disse um conhecido que trabalhou com ele, Guedes sabe que entra para história podendo deixar uma pirâmide a ser contemplada, ou acabar no capitulo daqueles que poderiam ter sido, mas que não foram.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Antes tarde do que nunca?

No dia do IPO da XP, CVM lança proposta para facilitar listagem de BDR

Se já estivesse em vigor, a regra permitiria a listagem de recibos de ações da XP na bolsa brasileira. CVM também pretende liberar investimento em BDR para o varejo

SEM BUROCRACIAS

Em evento na CNI, Bolsonaro faz acenos ao empresariado ao criticar “burocracias”

“Cada instrução normativa deve ser muito bem pensada. Deve atender ao interesse do Brasil. Não de grupos”, disse o presidente

MAIS MAGRINHA

Venda de 51% da Gaspetro com 20 distribuidoras deverá ser por IPO, diz Petrobras

“As conversas continuam com a Mitsui e a nossa expectativa é realizar a transação no mercado de capitais. Em 2015 a Petrobras vendeu 49% da empresa para a Mitsui e agora vamos vender nossa parte em bolsa”, disse Castello Branco

APROVADO

Cade aprova compra da Nextel pela Claro sem restrições

O negócio já havia sido aprovado pela Superintendência Geral do Cade em setembro, mas, após recurso apresentado pela concorrente TIM no mês seguinte, foi reavaliado pelos conselheiros do tribunal

Fim dos cortes?

Fed mantém juros dos EUA entre 1,50% e 1,75% e sinaliza estabilidade nas taxas em 2020

O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa básica de juros do país inalterada, afirmando ver condições favoráveis no mercado de trabalho e expansão econômica moderada

situação complicada

Paralisação da OMC tira do Brasil via para questionar taxas americanas sobre o aço

Tribunal da OMC é o órgão máximo de apelação para questionamentos de condutas comerciais entre países e perdeu o quórum mínimo necessário para que continue funcionando

altas do dia

Ações de Kroton e Estácio sobem forte após MEC ampliar ensino a distância no País

Medida tende a reduzir os custos de ambas as empresas; segundo um analista, entra na conta dos investidores a perspectiva de melhora da economia

fala presidente

Em dia de decisão do BC, Bolsonaro diz que torce por juro menor

Nesta data, o Comitê de Política Monetária (Copom) anuncia decisão. A expectativa do mercado é de corte para 4,5%.

Direto da Nasdaq

‘Nossa jornada está só começando’, diz Benchimol, no lançamento do IPO da XP

Existe uma oportunidade enorme no Brasil, afirmou Benchimol, durante a cerimônia que marcou o início da negociação das ações da XP na Nasdaq. Os papéis disparam mais de 20% nesta tarde, já na faixa de US$ 32

Novidade na bancada

Joice Hasselmann é a nova líder da bancada do PSL na Câmara

Disputa entre os dois grupos criados no PSL, os “bolsonaristas”, ligados a Jair Bolsonaro, e os “bivaristas”, do presidente do partido, Luciano Bivar (PE), tem como pano de fundo o controle dos recursos recebidos pelo PSL

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements