Menu
Alexandre Mastrocinque
Que Bolsa é essa?
Alexandre Mastrocinque
É economista, contador e especialista em investimento em ações
2019-05-19T13:09:01+00:00
QUE BOLSA É ESSA?

O gigante Itaú, definitivamente, não está adormecido

O retorno sobre patrimônio líquido anualizado (ROE, da sigla em inglês) ficou em 23,6% – nada mau para um gigante que vem sendo atacado por todos os lados… Mas boa parte das fintechs moderninhas ainda não gera resultado, quanto mais caixa

19 de maio de 2019
6:29 - atualizado às 13:09
Montagem mostra Gorila com a capa do Itaú em cima do prédio do Empire State, uma referência ao filme King Kong
Imagem: Montagem Victor Matheus - Imagem original: Sthutterstock

Em novembro de 2017, assisti a uma palestra de Mark Yusko, fundador e gestor da Morgan Creek Capital Management. Por cerca de 40 minutos, Mark falou sem parar enquanto passava voando pelos slides da apresentação.

O cara é muito cativante e mudou a forma como enxergo a China – nada daquela imagem de ilhas de poluição, o ar sujo e pesado nas Olímpiadas de Pequim e o trabalho semiescravo em indústrias pesadas.

A China é, hoje, um dos principais polos tecnológicos do mundo e, não duvide, está no caminho para assumir papel de liderança econômica e cultural em pouco tempo.

Foi Mark quem me falou sobre o WeChat pela primeira vez: o “WhatsApp chinês” que conta com mais de um bilhão de usuários (China!) e já é uma das principais plataformas de pagamento no país. Mesmo sem acesso ao sistema bancário, qualquer chinês pode instalar o app no seu Xiaomi, fazer um depósito e sair pagando compras e transferindo dinheiro.

O WeChat é da gigante Tencent que, talvez, você conheça mais pelo braço de games – é muito provável que seu filho jogue Fortnite por horas e já tenha te pedido dinheiro para comprar uma picareta nova ou uma roupa escalafobética que não parece fazer muito sentido (adolescentes!).

Outro fenômeno chinês é o Alibaba, o Mercado Livre deles, que conta com diversas funcionalidades e, hoje, é responsável pelo maior fundo de investimento de curto prazo (Money Market fund) do mundo: o Yu’o Bao, da Ant Financial, tem quase U$ 300 bilhões sob gestão – basicamente, o fundo gere os valores de usuários da Alibaba que preferem deixar o dinheiro por lá do que mandar para suas contas correntes.

Com essa história de aplicativos, smartphones e avanços tecnológicos nos meios de pagamento, armazenar e movimentar recursos financeiros nunca mais vai ser igual. Prazos e custos vão cair e os incumbentes terão que defender o império com unhas e dentes.

É no meio dessa história toda que muita gente tem abandonado o barco dos bancões brasileiros. O medo da “disrupção” e da linguagem moderna do Nubank, Banco Inter, Stone e qualquer outra fintech do momento fez muita gente decretar a morte do Itaú.

Por enquanto, não parece ser o caso: mesmo que os resultados do segmento de adquirência (as maquininhas da Rede) tenham sofrido, o primeiro trimestre do Itaú veio forte.

A carteira de crédito continua crescendo a um ritmo acelerado – fechou o trimestre com R$ 647 bilhões, 7,7% a mais do que no primeiro trimestre de 2019 – e com qualidade: a inadimplência continua caindo enquanto o índice de cobertura (razão entre as provisões e os empréstimos em atraso há mais de 90 dias) segue acima de 200%.

Se as linhas de serviço (que incluem as operações da Rede) sofreram, bem como as operações com o mercado (Tesouraria), a principal linha de negócios (ganho com diferencial de juros em empréstimos para clientes) voou e mais do que compensou todo o resto. Com isso, o resultado recorrente subiu e chegou a impressionantes R$ 6,9 bilhões nos primeiros três meses do ano. É verdade que rolou uma forcinha da queda da alíquota da Contribuição Social mas, mesmo assim, o Lucro Antes de Impostos (LAIR) cresceu em torno de 3%.

Com isso, o retorno sobre patrimônio líquido anualizado (ROE, da sigla em inglês) ficou em 23,6% – nada mau para um gigante que vem sendo atacado por todos os lados...

É claro que a preocupação dos detratores está muito mais no futuro do que no presente. Mas, cá entre nós, eu sinceramente acho que não há motivos para se preocupar.

Boa parte das fintechs moderninhas ainda não gera resultado, quanto mais caixa – o Nubank, por exemplo, é incrível, tem um baita serviço, app funciona redondinho, tem identificação forte de marca (quem não conhece o cartão roxo?) e, mesmo com mais de 3 milhões de cartões emitidos, o mais novo unicórnio do mercado brasileiro ainda luta para sair do vermelho.

Além disso, o mercado bancário brasileiro não é concentrado à toa: os fortes controles do Banco Central tornaram o sistema bastante robusto e confiável, mas também dificultam, e muito, a entrada de novos participantes. Por uma série de motivos, é difícil montar a lojinha, operar e ganhar dinheiro no Brasil.

Muito banco gringo veio para cá e quebrou a cara: sem pensar muito, posso citar o Boston, Citi e HSBC. Quem conseguiu se dar bem foi o Santander (baita execução do Rial), mas o sucesso só rolou porque o espanhol tirou o Banco Real das mãos do ABN.

Os bancos brasileiros ficaram tão grandes e o domínio é tão estabelecido que podem comprar qualquer ameaça que surgir no meio do caminho (Itaú gastou menos do que o lucro deste trimestre para levar 49,9% da XP).

Se não conseguir comprar, pode gastar um caminhão de dinheiro para desenvolver uma solução dentro de casa: lembra do WeChat, de seus 1 bilhão de usuários e do pagamento via QR Code?

O Itaú acabou de anunciar o lançamento do iti que, apesar de nome de palhaço demoníaco, tem tudo para resolver a vida de muita gente, inclusive no varejo.

Se há uma guerra das maquininhas, o Itaú resolveu quebrar a porra toda e acabar não só com a guerra, mas com o próprio mercado. Qualquer pessoa, de bem ou de mal, vai poder baixar o aplicativo, fazer um depósito (ou pagar um boleto) e sair por aí escanenado códigos e pagando suas contas.

O iti vai cobrar apenas 1% do lojista (a Rede, por exemplo, cobra mais de 3%) e promete fazer a transferência na hora. Você vai poder, também, mandar dinheiro pro amiguinho, filho, funcionário e até para a amante sem pagar nada.

Não precisa ter conta em NENHUM banco. Só um smartphone, um pouco de dinheiro e vontade de gastar.

E, olha que legal, sabe o dinheiro que você mandou para o aplicativo, mas ainda não usou par pagar nada? Bem, ainda não temos informações detalhadas sobre isso, mas nada impede que o banco aplique esses recursos! Da mesma forma que as seguradoras fazem a festa com os prêmios dos seguros, o Itaú vai ter esse dinheiro nas mãos, sem custo algum, para aplicar como melhor entender.

Genial.

Banco, por natureza, é um negócio arriscado. Pode ser grande, pode ser bem tocado, pode ser oligopólio e pode ser dominante. Um passo em falso e o sonho pode acabar da noite para o dia. Pergunte aos acionistas do Barings, Lehman Brothers e até mesmo do Unibanco.

Não têm ativos reais, são extremamente alavancados e, se acabar a confiança, acabou a marca e o negócio.

Mas, se o seu medo de investir no Itaú for por causa do Mercado Pago ou do Linx Pay, pode dormir tranquilo, o Itaú tem muito café no bule e, desse mal, não há de morrer.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Mais magrinha

Petrobras negocia venda de participações em áreas onde descobriu gás em SE

Como o foco do seu plano de negócios atualmente é o pré-sal, localizado na região Sudeste do País, o investimento em outras áreas, como em Sergipe, está atrelado à adoção de soluções financeiras que não comprometam o orçamento da companhia e também não gerem mais dívida

EUA x China

Qual o custo da guerra comercial? Para a Huawei, serão US$ 30 bilhões a menos em receita

O presidente da Huawei, Ren Zhengfei, passou estimativas quanto aos impactos que a guerra comercial trará para a empresa. E tanto a receita quanto as vendas internacionais de smartphones serão fortemente afetadas

Grave crise

Odebrecht pode fazer pedido de recuperação judicial nesta segunda-feira

Com dívida de R$ 80 bilhões e com execuções em curso, a empresa está sem alternativas para resolver seu problema de liquidez financeira

em busca da previdência perfeita

Guedes quer ajustar relatório da reforma

Ministro vai buscar negociar ajustes no relatório da reforma da Previdência com o relator da proposta, deputado Samuel Moreira; o relator e o secretário Especial de Previdência, Rogerio Marinho, já conversaram informalmente neste fim de semana

Boas novas!

Nubank levanta R$ 375 milhões para financiar expansão e emplaca captação inédita

A fintech estreou a nova modalidade com uma oferta de R$ 75 milhões e que atraiu cinco investidores institucionais. Na mesma operação, o Nubank captou outros R$ 300 milhões via letras financeiras sênior

em busca do primeiro bilhão

Como Rihanna se tornou a artista feminina da música mais rica do mundo

Cantora pop acumulou uma fortuna de US$ 600 milhões, mas para isso ela teve de investir mais do que em música

segue o jogo

Caso Levy não atinge a Câmara, diz Rodrigo Maia

Maia fez o comentário em entrevista à emissora BandNews ao ser questionado sobre o pedido de demissão do agora ex-presidente do BNDES Joaquim Levy

Cortar ou não cortar?

Ex-diretores do BC se dividem sobre juros

Os que defendem ao menos um aceno ao corte no comunicado dão ênfase à avaliação da modelagem que considera a longa permanência da taxa de desemprego elevada e a ociosidade da economia

No vermelho

Economia parada deixa brasileiro refém das dívidas

Início de ano costuma ser um período de aperto no orçamento por causa do acúmulo de contas a pagar, mas neste ano o movimento está mais forte por causa da estagnação da economia

direto do posto

Etanol recua em 17 Estados e no DF, diz ANP; preço médio cai 0,80% no país

Na média dos postos brasileiros pesquisados pela ANP houve recuo de 0,80% no preço médio do etanol na semana passada ante a anterior, de R$ 2,859 para R$ 2,836.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements