Menu
2019-05-30T15:23:46+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Xi...

Mais um “pibinho”: indicador tem contração de 0,2% no primeiro trimestre, algo que não era visto desde 2016

O resultado ruim foi impulsionado pelo desempenho ruim da agropecuária e da indústria, mas especialmente da indústria extrativa com o desastre de Brumadinho

30 de maio de 2019
9:06 - atualizado às 15:23
PIB
PIB -

Depois de muitas revisões para baixo nas projeções de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB), o resultado divulgado hoje (30) apenas confirmou o que já era esperado pelos analistas do mercado. Segundo os dados divulgados pelo IBGE, o PIB teve contração de 0,2% na comparação com os três meses anteriores, na série com ajuste sazonal.

A última queda do indicador tinha ocorrido no quarto trimestre de 2016 e tinha sido de 0,6%. Já na comparação com o primeiro trimestre de 2018, o PIB cresceu 0,5%. Em valores correntes, o principal indicador da economia brasileira totalizou R$ 1,714 trilhão.

O resultado ruim foi puxado em grande parte pelos recuos da indústria (-0,7%) e da agropecuária (-0,5%). No caso da indústria, as quedas estão intimamente atreladas a indústria extrativa (-6,3%) e, especialmente ao desastre de Brumadinho.

“O incidente de Brumadinho e o consequente estado de alerta de outros sítios de mineração afetaram todo o setor”, explica a gerente de Contas Nacionais do IBGE, Claudia Dionísio.

 

Pilar do indicador

Por outro lado, a despesa de consumo das famílias foi o que sustentou o indicador. De acordo com Dionísio, "o consumo das famílias foi o pilar que sustentou o indicador no período. Poderia estar melhor, mas ainda temos uma taxa de desocupação alta e uma inflação que, mesmo controlada, ainda está num patamar mais alto”.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2018, a despesa de consumo das famílias cresceu 1,3% e o resultado foi impulsionado pelo bom comportamento do crédito para pessoa física e e da massa salarial, além de taxas de juros mais baixas do que as encontradas no começo do ano passado.

De olho no PIB

  • A agropecuária teve queda de 0,5% na comparação com o quarto trimestre de 2016;
  • A indústria, por sua vez, recuou 0,7%;
  • O destaque um pouco mais positivo ficou com o setor de serviços que teve alta de 0,2%. O único do lado da oferta;
  • Os investimentos tiveram queda de 1,7%;
  • O consumo do governo com folha de pagamento e despesas com saúde, educação e segurança tiveram alta de 0,4%;
  • O consumo das famílias obteve alta de 0,3%;
  • As exportações de bens e serviços caíram 1,9% e as importações cresceram 0,5% em relação ao trimestre anterior.

Além da indústria extrativa, as indústrias de construção (-2,0%) e de transformação (-0,5%) também tiveram quedas. Já as atividades de eletricidade e gás, além de água, esgoto, atividades de gestão de resíduos cresceram 1,4%.

O setor de serviços, por sua vez, apresentou um resultado mais positivo, o resultado um pouco mais positivo veio de outro serviços (0,4%), intermediação financeira e seguros, com 0,4% de alta, administração, saúde e educação pública (0,3%), informação e comunicação (0,3%) e atividades imobiliárias (0,2%). Já as quedas foram em transporte, armazenagem e correio (-0,6%) e comércio (-0,1%).

O PIB é soma dos bens e serviços finais produzidos em um país e serve para mostrar a evolução da economia ao longo de um período, no caso de três meses.

Atenção para a demanda!

Um dos pontos que devem chamar a atenção dos investidores é justamente o lado da demanda. Segundo os dados divulgados pelo IBGE, os investimentos públicos e privados tiveram queda de 1,7%, o que é preocupante já que a poupança interna de um país depende dos investimentos domésticos e de investimentos externos.

E o Brasil está mal na fita. Ao analisar a taxa de investimento divulgada pelo IBGE hoje, o valor percentual foi de 15,5% do PIB. O valor está acima da observado no mesmo período de 2018 (15,2%).

Mas está bem abaixo do que foi observado entre 2010 e 2014 quando a taxa média de investimento foi de 21,5% do PIB, de acordo com um estudo divulgado neste mês pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Mercado já tinha previsto

Assim como já tinha sido mostrado pelo Boletim Focus nas últimas semanas, a expectativa do mercado era de retração do PIB. Na última segunda-feira, por exemplo, o Focus trouxe a 13ª queda no indicador em 2019.

Na opinião dos analistas consultados, a estimativa de crescimento para o PIB neste ano era de 1,23%, ante 1,24% da semana passada. Há um mês a estimativa de crescimento era de 1,70%.

Da mesma forma, em evento realizado na última terça-feira (28), o economista-chefe do Itaú, Mário Mesquita alertou sobre a possibilidade de uma contração maior do PIB.

Segundo ele, a fraca produção e os dados ruins em termos de crédito e confiança do empresário dos meses de março e abril trazem sinais de alerta. Dos últimos dados divulgados, o único que veio mais positivo são os do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e que mostraram a criação de quase 130 mil vagas.

Além da baixa produção, outro fator preocupante é o baixo investimento público e privado. Na visão de Mesquita, alguns dos potenciais fatores para o declínio estão relacionados ao ambiente global de desaceleração. E isso já tem tido consequências no âmbitos dos negócios.

Para Mesquita, a fusão recente da Fiat Chrysler com a Renault é um exemplo claro de uma tentativa de superar a falta de investimento e alavancar a produção.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

De volta à velha política

Governo se rende às indicações políticas para aumentar base

Presidente foi convencido por ministros da área política de que premiar partidos leais a suas propostas seria a única forma de aprovar reformas

Grandes planos

“Vamos lançar nosso banco digital em mil lojas antes da Black Friday”, diz CEO da Via Varejo

Roberto Fulcherberguer tem trabalhado para que o sistema de vendas pela web esteja tinindo para a próxima Black Friday

Passou!

Centauro aprova plano de outorga para opção de compra de ações neste ano

Plano prevê que a quantidade máxima de ações vinculadas será de 7.943.848

Seu Dinheiro no domingo

Quanto rendeu o Seu Dinheiro em um ano?

Você sabe quanto o Seu Dinheiro rendeu em um ano? Não estou falando aqui do montante que você tem aplicado no banco. Mas do Seu Dinheiro mesmo, esse projeto independente de jornalismo e educação financeira que eu coordeno junto com a Olivia Alonso e que tem um time de feras como o Vinícius Pinheiro, o […]

Olhe e copie

5 coisas inteligentes que pessoas com consultores financeiros fazem com o próprio dinheiro que lhes dão uma vantagem

Nem todos querem ou podem pagar um planejador financeiro próprio. Mas que tal dar uma espiada no que eles andam aconselhando?

Enquanto isso, na Assembleia da ONU...

Promessa de ‘afagos’ teria convencido Bolsonaro a aceitar jantar com Trump

No pacote de gestos, a expectativa de auxiliares do Planalto é que Bolsonaro sente-se próximo de Trump

Poucos amigos

Major Olímpio diz que há estratégia no Congresso para desgastar Bolsonaro

Senador afirmou que parlamentares “votam projetos absurdos e depois jogam no colo do presidente a questão de vetar ou não esses dispositivos”

Série: os mais ricos do Brasil

Abilio Diniz: um bilionário bom de briga

Ele transformou a pequena doceria do pai na maior rede varejista do país e aos 82 anos continua na ativa

Papo de poder

Maia conversa com Bolsonaro sobre pauta de votações da Câmara para próxima semana

Entre os itens da pauta está o projeto de lei que trata do registro, posse e comercialização de armas

Após operação da PF

Governo Bolsonaro já avalia substituto para líder no Senado

Dois nomes cogitados para ocupar o cargo de Fernando Bezerra Coelho devem ser discutidos por aliados com o presidente quando ele retornar dos Estados Unidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements