Menu
2019-05-30T15:23:46-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Xi...

Mais um “pibinho”: indicador tem contração de 0,2% no primeiro trimestre, algo que não era visto desde 2016

O resultado ruim foi impulsionado pelo desempenho ruim da agropecuária e da indústria, mas especialmente da indústria extrativa com o desastre de Brumadinho

30 de maio de 2019
9:06 - atualizado às 15:23
PIB
PIB -

Depois de muitas revisões para baixo nas projeções de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB), o resultado divulgado hoje (30) apenas confirmou o que já era esperado pelos analistas do mercado. Segundo os dados divulgados pelo IBGE, o PIB teve contração de 0,2% na comparação com os três meses anteriores, na série com ajuste sazonal.

A última queda do indicador tinha ocorrido no quarto trimestre de 2016 e tinha sido de 0,6%. Já na comparação com o primeiro trimestre de 2018, o PIB cresceu 0,5%. Em valores correntes, o principal indicador da economia brasileira totalizou R$ 1,714 trilhão.

O resultado ruim foi puxado em grande parte pelos recuos da indústria (-0,7%) e da agropecuária (-0,5%). No caso da indústria, as quedas estão intimamente atreladas a indústria extrativa (-6,3%) e, especialmente ao desastre de Brumadinho.

“O incidente de Brumadinho e o consequente estado de alerta de outros sítios de mineração afetaram todo o setor”, explica a gerente de Contas Nacionais do IBGE, Claudia Dionísio.

 

Pilar do indicador

Por outro lado, a despesa de consumo das famílias foi o que sustentou o indicador. De acordo com Dionísio, "o consumo das famílias foi o pilar que sustentou o indicador no período. Poderia estar melhor, mas ainda temos uma taxa de desocupação alta e uma inflação que, mesmo controlada, ainda está num patamar mais alto”.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2018, a despesa de consumo das famílias cresceu 1,3% e o resultado foi impulsionado pelo bom comportamento do crédito para pessoa física e e da massa salarial, além de taxas de juros mais baixas do que as encontradas no começo do ano passado.

De olho no PIB

  • A agropecuária teve queda de 0,5% na comparação com o quarto trimestre de 2016;
  • A indústria, por sua vez, recuou 0,7%;
  • O destaque um pouco mais positivo ficou com o setor de serviços que teve alta de 0,2%. O único do lado da oferta;
  • Os investimentos tiveram queda de 1,7%;
  • O consumo do governo com folha de pagamento e despesas com saúde, educação e segurança tiveram alta de 0,4%;
  • O consumo das famílias obteve alta de 0,3%;
  • As exportações de bens e serviços caíram 1,9% e as importações cresceram 0,5% em relação ao trimestre anterior.

Além da indústria extrativa, as indústrias de construção (-2,0%) e de transformação (-0,5%) também tiveram quedas. Já as atividades de eletricidade e gás, além de água, esgoto, atividades de gestão de resíduos cresceram 1,4%.

O setor de serviços, por sua vez, apresentou um resultado mais positivo, o resultado um pouco mais positivo veio de outro serviços (0,4%), intermediação financeira e seguros, com 0,4% de alta, administração, saúde e educação pública (0,3%), informação e comunicação (0,3%) e atividades imobiliárias (0,2%). Já as quedas foram em transporte, armazenagem e correio (-0,6%) e comércio (-0,1%).

O PIB é soma dos bens e serviços finais produzidos em um país e serve para mostrar a evolução da economia ao longo de um período, no caso de três meses.

Atenção para a demanda!

Um dos pontos que devem chamar a atenção dos investidores é justamente o lado da demanda. Segundo os dados divulgados pelo IBGE, os investimentos públicos e privados tiveram queda de 1,7%, o que é preocupante já que a poupança interna de um país depende dos investimentos domésticos e de investimentos externos.

E o Brasil está mal na fita. Ao analisar a taxa de investimento divulgada pelo IBGE hoje, o valor percentual foi de 15,5% do PIB. O valor está acima da observado no mesmo período de 2018 (15,2%).

Mas está bem abaixo do que foi observado entre 2010 e 2014 quando a taxa média de investimento foi de 21,5% do PIB, de acordo com um estudo divulgado neste mês pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Mercado já tinha previsto

Assim como já tinha sido mostrado pelo Boletim Focus nas últimas semanas, a expectativa do mercado era de retração do PIB. Na última segunda-feira, por exemplo, o Focus trouxe a 13ª queda no indicador em 2019.

Na opinião dos analistas consultados, a estimativa de crescimento para o PIB neste ano era de 1,23%, ante 1,24% da semana passada. Há um mês a estimativa de crescimento era de 1,70%.

Da mesma forma, em evento realizado na última terça-feira (28), o economista-chefe do Itaú, Mário Mesquita alertou sobre a possibilidade de uma contração maior do PIB.

Segundo ele, a fraca produção e os dados ruins em termos de crédito e confiança do empresário dos meses de março e abril trazem sinais de alerta. Dos últimos dados divulgados, o único que veio mais positivo são os do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e que mostraram a criação de quase 130 mil vagas.

Além da baixa produção, outro fator preocupante é o baixo investimento público e privado. Na visão de Mesquita, alguns dos potenciais fatores para o declínio estão relacionados ao ambiente global de desaceleração. E isso já tem tido consequências no âmbitos dos negócios.

Para Mesquita, a fusão recente da Fiat Chrysler com a Renault é um exemplo claro de uma tentativa de superar a falta de investimento e alavancar a produção.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

A terceira onda. Um novo milagre econômico vem por aí?

Tudo indica que um novo bull market das commodities esteja começando. E, como das outras vezes, isso será extremamente benéfico para o Brasil

Oxford Economics eleva previsão de crescimento do PIB do Brasil em 2020 para 2%

Casa avalia que as recentes tarifas sobre o aço e alumínio brasileiro não devem atrapalhar a recuperação da atividade, que vem ganhando fôlego

Marfrig confirma oferta subsequente de ações que pode somar R$ 3,3 bi

A oferta será primária e inclui um lote secundário, para a venda de ações detidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES)

BLACK WEEK

MAIS LIDAS: Quem bombou na Black Friday?

Meus vizinhos se empolgaram na Black Friday. E não foram só eles: os números do varejo mostram um crescimento considerável na edição deste ano

Ex-presidente da Bayer no Brasil cria startup de cannabis

Em voo solo, há quase um ano e meio, empresário prepara-se para voltar ao setor, desta vez em um segmento em franco crescimento

Calças curtas

Por que o bilionário Elon Musk tem “pouco” dinheiro

A maior parte do patrimônio do bilionário sul-africano está colocada nos mesmos cavalos. Entenda

E o ano nem acabou!

Fundos imobiliários e ações já têm captação recorde em 2019

Volumes captados por fundos imobiliários e ofertas de ações até novembro deste ano já são os maiores das suas séries históricas, segundo dados da Anbima

DE OLHO NA CARNE

Ministério da Agricultura diz que preço da carne caiu 9% desde início do mês

A ministra Tereza Cristina ressaltou que o preço da proteína está se ajustando e que deve se estabilizar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A segunda vida da bolsa

Entre as muitas histórias geniais de Machado de Assis, uma das minhas favoritas é um conto chamado “A Segunda Vida”, sobre um homem que diz ter morrido e voltado para uma nova existência aqui na Terra. O escritor se vale de uma premissa que parece sobrenatural para tratar de um tema bem próximo de todos […]

MARCO DO SANEAMENTO

Para BNDES, não faltam recursos para o Brasil investir no setor de saneamento

Montezano afirmou que o novo marco regulatório do saneamento, que está tramitando no Congresso, vai abrir uma nova fase no banco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements