Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juro globais

Fed mantém taxa de juro e Powell fala que será “paciente”. Mercados reagem positivamente

Banco Central americano deixa taxa entre 2,25% a 2,5% ao ano e enxerga crescimento sustentado da economia e inflação ao redor da meta. Jerome Powell não tem pressa para mudar a política monetária

30 de janeiro de 2019
17:17 - atualizado às 19:17
Jerome Powell, presidente do Federal Reserve -

O Federal Reserve (Fed), banco central americano, manteve o juro básico da economia entre 2,25% e 2,5% ao ano, em linha com o esperado pelo mercado. No comunicado destaque para o uso do termo “paciente” ao falar sobre os próximos passos da política monetária. Até então, o Fed fala em novas altas graduais.

Os mercados reagiram positivamente à decisão. O Dow Jones tinha alta de 1%, pouco antes do anúncio e acelerou para 1,77%, no fechamento. O S&P subiu 1,55%, de variação de 0,8% antes, e o Nasdaq teve valorização de 2,2%, contra 1,2% antes da decisão.

O mercado reage de forma positiva, pois tem a certeza de “dinheiro barato” por mais tempo. O BC americano determina as condições globais de liquidez e o que ele está dizendo é que 2,5%, por ora, está de bom tamanho e não há pressa para mudar isso.

Os críticos dessa postura do Fed, no entanto, avaliam que quanto mais tempo o Fed leva para normalizar a política monetária, maiores os desequilíbrios financeiros que vão se acumulando, já que dinheiro barato resulta em má alocação de recursos, irresponsável avaliação de risco e maior alavancagem do setor não financeiro. A próxima grande crise viria justamente dessa conjunção de fatores.

A estabilidade da taxa era prevista, pois desde o encontro de dezembro e a consequente instabilidade nos mercados, quase todos os membros do Fed com direito a voto foram a público falar em “paciência”, “pausa” e “espera” para descrever o processo de normalização das condições monetárias que começou em 2016.

Em entrevista após a decisão, o presidente do Fed, Jerome Powell, falou que o Fed tem o luxo e o privilégio de poder ter paciência e pode “esperar para ver” os impactos de eventual mudança de cenário sobre a economia antes de tomar novas decisões sobre o rumo da taxa de juros.

A taxa básica entre 2,25% e 2,5% é vista como “apropriada”, neste momento, para garantir o crescimento da economia e um mercado de trabalho forte e não há pressa em mudar isso.

Segundo Powell, o menor ritmo de crescimento da economia mundial e o comportamento da inflação, que deve seguir baixa em função da queda recente do petróleo, melhoraram o balanço de riscos da instituição, por isso da mudança de postura, que até então era de fazer novas elevações de juros.

Perguntado se o próximo movimento será de alta ou de queda, Powell disse que isso vai depender dos dados. “Vamos esperar pacientemente e deixar os dados ficarem mais claros”, disse. No entanto, ele ressaltou que expectativas ou inflação mais elevada seriam a coisa mais importante para determinar um aperto dos juros.

De acordo com Powell, a “narrativa” de menor crescimento global continua e os dados estão mostrando isso na China e na Europa. Do lado interno, ele mencionou a paralisação parcial do governo (shutdown) que terá impacto sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre.

Além disso, Powell também falou que as condições financeiras ficaram mais restritivas desde o fim do ano passado e assim permanecem neste começo de 2019. Ele ressaltou que o Fed não olha apenas para o mercado de ações, mas para um amplo conjunto de dados e que o Fed não reage a variações pontuais em ativos, spreads de juros e outros indicadores, mas sim quando ocorre alguma mudança mais duradoura no mercado.

Perguntado se há uma bolha na dívida corporativa dos EUA, Powell disse que o Fed presta muita atenção à alavancagem das empresas, mas que dá maior ênfase à exposição do setor financeiro, se os bancos estão “segurando” muito desses riscos de não pagamento. A avaliação é que as instituições financeiras são muito melhores agora “com a nossa ajuda” do que antes da crise.

Rusgas com Trump

Powell foi perguntado se o Fed se dobrou às críticas do presidente Donald Trump, que no fim do ano passado bateu pesado na instituição pela alta de juros. “Nós ligamos para uma única coisa, fazer nosso trabalho para o povo americano”, disse, complementando que o Fed sempre fará o que acha que tem de ser feito sem levar em conta considerações políticas.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

No mercado, a previsão é de estabilidade do juro básico até pelo menos o encontro de junho. A próxima reunião do Fed acontece em 20 de março, quando também serão apresentas as projeções dos membros do BC sobre as principais variáveis econômicas.

Outro ponto tão relevante quanto a decisão sobre a taxa de juros é o aceno sobre o ritmo de redução do balanço de ativos do Fed, que foi amplamente utilizado depois da crise de 2008 para a compra de títulos privados e do Tesouro.

A redução do balanço, que tira liquidez da economia, estava em “piloto automático” na faixa de US$ 36 bilhões por mês até Powell falar, no começo de janeiro, que o Fed poderia rever essa decisão.

Sobre o tema, Powell disse que o comitê está avaliando a melhor forma de reduzir o balanço do Fed e reafirmou que a taxa de juros é a ferramente de política monetária. Por outro lado, Powell ponderou que se as condições demandarem o Fed pode voltar a ampliar seu balanço como forma de prover liquidez ao sistema.

Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu