Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Siga o dinheiro

Emergentes receberam US$ 26 bilhões em ingressos de portfólio em fevereiro

Levantamento do Instituto Internacional de Finanças (IIF) mostra que a China concentra o recebimento de recursos

1 de março de 2019
10:33
Imagem: Shutterstock

Os mercados de ações e dívida de economias emergentes encerraram fevereiro com captação US$ 25,6 bilhões, segundo estimativas preliminares do Instituto Internacional de Finanças (IIF). Apesar de positivo, o resultado é menos da metade dos US$ 60,6 bilhões de janeiro, que marcaram o melhor resultado em um ano.

Para os técnicos do IIF, a percepção com relação às economias emergentes ficou mais positiva recentemente, impulsionada pela mudança de postura do Federal Reserve (Fed), banco central americano, que está sem pressa de seguir com o ajuste de sua política monetária, uma redução nas tensões comerciais entre China e Estados Unidos e menor preocupação com o crescimento mundial.

Dos US$ 25,6 bilhões destinados aos emergentes, US$ 11,8 bilhões ficaram com os mercados de dívida, contra US$ 41,6 bilhões em fevereiro. Nesse segmento, os mercados da Ásia ficaram com US$ 5,3 bilhões no mês passado e os da América Latina com outros US$ 3,5 bilhões.

Já os ingressos para o mercado de ações foram de US$ 13,8 bilhões, com a China concentrando US$ 10,6 bilhões e o restante dos emergentes dividindo US$ 3,2 bilhões.

Os fluxos ainda estão bastante concentrados no mercado chinês, mas o IFF acredita que outros emergentes devem começar a ser contemplados com mais dinheiro, já que a “caça por retornos” está claramente em andamento (“hunt for yield”).

O IIF também tem uma medida ampliada de fluxo estrangeiro, considerando captações bancárias e investimento direto. Os dados referentes ao mês de janeiro mostram ingresso líquido de US$ 20,9 bilhões, primeira leitura positiva depois de cinco meses de saídas.

Nessa medida mais ampla, os demais emergentes são destaque, com captação de US$ 31,7 bilhões, já que a China segue com perda de recursos (US$ 10,8 bilhões). Os países com melhores resultados foram África do Sul, com US$ 16,4 bilhões, e Índia, com US$ 13,3 bilhões. O Brasil aparece com US$ 9,4 bilhões, depois de uma perda de US$ 2,9 bilhões em dezembro. Na mão contrária, Arábia Saudita e Rússia amargam saques de US$ 12,7 bilhões e US$ 8,6 bilhões, respectivamente.

 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Bitcoin é furada? O que “eles” viram que você ainda não viu?

Enquanto cresce o número de pessoas com medo das criptomoedas, cresce também o número de pessoas e empresas que aprenderam “um novo jeito” de ficar rico com elas.

Tudo sob controle

Líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann minimiza crise com Rodrigo Maia

Deputada afirmou que o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, está dedicado a “sanar os ruídos”

Seu Dinheiro na sua noite

Está na hora do banho, não de lavar as mãos

Ibovespa terminou a semana em forte queda no dia em que Brasília pegou fogo com a briga entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o governo

Nova pérola do ministro

Guedes, a jornalistas: “não posso falar hoje, parece que o pau está comendo”

Ministro da Economia participou da cerimônia de posse da nova líder da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Solange Paiva Vieira

Empurrando as datas

CCJ da Câmara só anunciará relator da Previdência depois de audiência com Guedes

Audiência do ministro da Economia na comissão está marcada para a terça-feira, 26, às 14h

dia 81

Me dê motivo, para ir embora…

Do Chile, presidente vê Rodrigo Maia deixar articulação pela reforma

Traz o extintor!

Aliados de Bolsonaro tentam apaziguar a guerra entre Rodrigo Maia e o governo

Mourão, Flávio Bolsonaro e Joice Hasselmann fizeram afagos ao presidente da Câmara depois que ele ameaçou sair da articulação pela Previdência

Mais uma compra?

Natura confirma: está em conversas com a Avon

Uma nova gigante do setor de cosméticos pode estar a caminho: a Natura e a Avon estão em negociações

Conta digital

Os bancões que se cuidem! NuConta do Nubank atinge marca de 4 milhões de clientes

Número do Nubank representa mais de 10% do total de correntistas ativos no Itaú, o maior banco privado do país

Rede dividida

Reforma da Previdência cria “guerra” de hashtags no twitter

Em São Paulo, paralisação de cobradores e motoristas atingiu mais de um milhão de pessoas na manhã desta sexta-feira. Um protesto está marcado para acontecer às 17 horas

Tretas do governo

Bola da vez: Maia diz que a responsabilidade de conquistar votos agora será de Jair Bolsonaro

“O papel de articulação do executivo com o parlamento nunca foi e nunca será do presidente da Câmara”, destacou o presidente da Câmara. As informações são do jornal “Folha de S.Paulo”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu