Menu
2019-11-18T22:17:40-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Não vai ter Disney

Dólar a R$ 4,20 surpreende, mas nem tanto. Olho no BC

Mercado aguarda algum aceno do Banco Central (BC), que pode vir pela mesa de operações ou na fala de Roberto Campos Neto, que participa de audiência no Senado

19 de novembro de 2019
5:07 - atualizado às 22:17
dólar caro forte alto
Imagem: Shutterstock

Discutimos ao longo de toda a semana passada o fato de o cenário estar assimétrico no mercado de câmbio, com os vetores mais favoráveis aos comprados, que ganham com alta do dólar, que aos vendidos. Mas nada como o impacto psicológico e midiático de anunciar que o dólar fechou acima de R$ 4,20 pela primeira vez na história, mesmo que a máxima seja nominal.

Não temos grandes novidades no cenário, mas o rompimento dessa linha deve ampliar a ansiedade do mercado com relação à postura do Banco Central (BC). Algum aceno pode vir na manhã desta terça-feira, seja via mesa de operações ou pela fala do presidente Roberto Campos Neto, que comparece à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

Será que teremos atuação no câmbio além das ordinárias, como vimos em agosto? Aliás, foi pouco depois de discuso na mesma CAE que o BC vendeu dólares das reservas pela primeira vez desde 2009, com cotação a R$ 4,19 na máxima do dia 27 de agosto.

Antes de seguir adiante, repito aqui o conselho prático já dado por aqui outras vezes: "Seja qual for o comportamento futuro do câmbio, é prudente você sempre manter uma exposição em dólar na sua carteira. Nós inclusive já escrevemos uma reportagem para ajudar você nessa tarefa."

Falta moeda

Como já dissemos, a liquidez em dólar no mercado local está escassa e não é de hoje. Entre os vetores que reduzem a oferta de moeda por aqui temos, mais recentemente, a frustração com os leilões do pré-sal e as tensões políticas no Chile e na Bolívia.

Além disso, temos a sazonalidade de fim de ano, com empresas e fundos fechando balanços e ampliando a demanda por remessas. Algo que pode ampliar ainda mais o buraco no fluxo cambial, que caminha para ser o maior da história, com mais de US$ 20 bilhões deixando o país.

No lado mais estrutural, temos discutido o fim dos fluxos de curto prazo, notadamente, para operações de arbitragem de taxa de juros (carry-trade), reflexo da queda de diferencial da Selic com os juros globais.

Também já conversamos sobre a atuação das empresas no mercado de dívida, com claro movimento de troca de endividamento externo por doméstico, algo que elevou a demanda por moeda americana ao longo de todo o ano.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Dólar x Selic

Dólar acima de R$ 4,20 também deve fomentar as discussões sobre impacto na inflação e, consequentemente, no espaço para o Comitê de Política Monetária (Copom) seguir cortando a Selic.

O BC já acenou que haveria espaço para novo corte de meio ponto em dezembro, levando o juro básico a 4,5% ao ano, mas que ir além disso exigiria cautela.

Na última pesquisa com gestores de América Latina do Bank of America, a maioria dos consultados avalia que dólar acima de R$ 4,2 poderia impedir uma Selic abaixo de 4,5% ao ano.

Na última vez que falou sobre o assunto, Campos Neto, destacou que a alta do dólar acontece em um ambiente de inflação controlada, expectativas nas metas e juros em queda. Algo praticamente inédito na história do país. Segundo o presidente, o que importa para o BC é o impacto que o câmbio pode vir a ter sobre a inflação e as expectativas.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

A terceira onda. Um novo milagre econômico vem por aí?

Tudo indica que um novo bull market das commodities esteja começando. E, como das outras vezes, isso será extremamente benéfico para o Brasil

Oxford Economics eleva previsão de crescimento do PIB do Brasil em 2020 para 2%

Casa avalia que as recentes tarifas sobre o aço e alumínio brasileiro não devem atrapalhar a recuperação da atividade, que vem ganhando fôlego

Marfrig confirma oferta subsequente de ações que pode somar R$ 3,3 bi

A oferta será primária e inclui um lote secundário, para a venda de ações detidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES)

BLACK WEEK

MAIS LIDAS: Quem bombou na Black Friday?

Meus vizinhos se empolgaram na Black Friday. E não foram só eles: os números do varejo mostram um crescimento considerável na edição deste ano

Ex-presidente da Bayer no Brasil cria startup de cannabis

Em voo solo, há quase um ano e meio, empresário prepara-se para voltar ao setor, desta vez em um segmento em franco crescimento

Calças curtas

Por que o bilionário Elon Musk tem “pouco” dinheiro

A maior parte do patrimônio do bilionário sul-africano está colocada nos mesmos cavalos. Entenda

E o ano nem acabou!

Fundos imobiliários e ações já têm captação recorde em 2019

Volumes captados por fundos imobiliários e ofertas de ações até novembro deste ano já são os maiores das suas séries históricas, segundo dados da Anbima

DE OLHO NA CARNE

Ministério da Agricultura diz que preço da carne caiu 9% desde início do mês

A ministra Tereza Cristina ressaltou que o preço da proteína está se ajustando e que deve se estabilizar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A segunda vida da bolsa

Entre as muitas histórias geniais de Machado de Assis, uma das minhas favoritas é um conto chamado “A Segunda Vida”, sobre um homem que diz ter morrido e voltado para uma nova existência aqui na Terra. O escritor se vale de uma premissa que parece sobrenatural para tratar de um tema bem próximo de todos […]

MARCO DO SANEAMENTO

Para BNDES, não faltam recursos para o Brasil investir no setor de saneamento

Montezano afirmou que o novo marco regulatório do saneamento, que está tramitando no Congresso, vai abrir uma nova fase no banco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements