Menu
2019-06-04T06:45:10+00:00
essa aí passou

Com 55 votos a favor e 12 contrários, Senado aprova MP antifraudes no INSS

O governo considera a medida como um dos alicerces da reforma da Previdência e estima que a economia será de R$ 9,8 bilhões em 12 meses

4 de junho de 2019
6:43 - atualizado às 6:45
Plenário do Senado
Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária para votar as medidas provisórias 871/2019, que combate irregularidades em benefícios previdenciários. Em destaque, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). - Imagem: Roque de Sá/Agência Senado

O Senado aprovou nesta segunda-feira, 3, a medida provisória 871, que determina um pente-fino nos benefícios do INSS e modifica regras para a concessão de aposentadoria rural, acabando com o papel de sindicatos no cadastro do trabalhador do campo, com o objetivo de coibir fraudes. Foram 55 votos a favor e 12 contrários. A matéria foi aprovada a poucas horas de acabar a sua vigência. Ela agora segue para sanção presidencial.

O governo considera a medida como um dos alicerces da reforma da Previdência, que ainda está em tramitação na Câmara, e estima que a economia será de R$ 9,8 bilhões em 12 meses.

O secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, e outros integrantes da equipe econômica passaram o dia no Congresso para negociar com os senadores a votação da medida. A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP) também acompanhou parte da votação. Havia o risco real de a MP ser derrubada porque raramente a Casa realiza votações às segundas-feiras e era preciso convencer os parlamentares a antecipar a vinda para Brasília.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O governo defendeu que os senadores mantivessem o texto da forma como ele foi aprovado pela Câmara para que não houvesse o risco de ela ser modificada e, assim, caducar, pois teria que voltar para uma segunda análise dos deputados, o que seria impossível.

Para garantir o quórum suficiente para começar a votar, a equipe econômica aceitou fazer um acordo com senadores da oposição, que pediram em troca a inclusão de uma emenda na proposta de reforma da Previdência. O grupo exigiu que seja incluído no relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) um gatilho para que o prazo de cadastramento de trabalhadores rurais e pescadores seja renovado caso, ao seu término, não tenha havido o registro de 50% desses profissionais. O período do novo prazo, no entanto, ainda não foi definido.

Na versão do texto da MP aprovada pela Câmara, o trabalhador rural poderá fazer uma autodeclaração de atividade no campo, cuja veracidade será comprovada por órgãos públicos e essa modalidade valerá até 2023. Depois desse prazo, a autodeclaração não será mais aceita e o trabalhador rural terá que se inscrever no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) para comprovar o tempo de serviço no campo e poder receber o benefício.

A proposta de criação de um gatilho foi apresentada pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e, segundo o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), será incorporado pelo relator da reforma da Previdência na Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).

A MP transfere a responsabilidade de comprovação do tempo de serviço do trabalhador rural dos sindicatos para órgãos subordinados ao Ministério da Economia. Na discussão da MP na Câmara, os deputados alteraram o texto inicial para estabelecer um período de transição para a exigência do cadastro.

Inicialmente, o Cadastro Nacional de Informações Sociais valeria a partir de 1º de janeiro de 2020, mas a concessão do benefício por meio do CNIS passou a valer a partir de 1º de janeiro de 2023. Até lá, valerá a autodeclaração dos segurados especiais, ratificada por órgãos públicos, como o próprio INSS ou prefeituras, Ematers, etc.

Assim como na Câmara, os senadores também discutiram sobre o termo "gênero" que está na lista de informações que deveriam ser repassadas ao INSS. Parlamentares conservadores pediram que a palavra fosse alterada para "sexo", porque, de acordo com eles, o termo original deturpava a matéria porque era uma questão de "ideologia de gênero". Outros senadores protestaram contra a mudança e alegaram que isso colocava o texto da medida em risco.

No início da votação, o senador Angelo Coronel (PSD-BA) apresentou um destaque para que os sindicatos voltassem a fazer o cadastro dos trabalhadores rurais, mas, sem conseguir apoio suficiente, decidiu por retirá-lo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Epidemia na Ásia

Coreia do Sul inicia abate de porcos após confirmação de febre suína

Cerca de 4 mil porcos de três fazendas da região afetada serão abatidos ainda nesta terça. Também haverá um esforço de limpeza em outras unidades produtivas das cercanias

não é bem assim...

Oi diz que desconhece interesse da Telefônica, após reportagem

Companhia encaminhou um ofício para a B3; reportagem dizia que tele espanhola estaria interessada nos ativos da companhia brasileira – em especial, nas redes de telefonia e dados móveis, que integram as tecnologias 3G e 4G

A bula do mercado

Ataques na Arábia Saudita impõem incerteza aos mercados

Analistas ainda tentam determinar os efeitos do incidente ocorrido no final de semana sobre o petróleo

Entrevista

Esqueça Brasília, quem dita o rumo do Brasil e do mundo é a China, diz Volpon do UBS

Em livro recém-lançado, economista do UBS e ex-diretor do BC, Tony Volpon, também nos conta que a crise financeira não foi culpa dos homens de olhos azuis nem da tal ganância dos mercados

Entrevista

Bolsonaro: Petrobras não deve mudar o preço dos combustíveis

Presidente falou que tendência é seguir preço internacional, mas que como movimento é atípico, Petrobras manterá preços. CPMF saiu de vez dos planos

Jogando para o mercado

Infraero: venda de fatia em 4 aeroportos deve ocorrer em 2020

Companhia está em fase de contratação da consultoria que fará a avaliação dos ativos para colocá-los no mercado

Seu Dinheiro na sua noite

Um evento pode mudar tudo (ou não)

Se você tivesse a oportunidade de perguntar a qualquer analista de mercado na última sexta-feira o que esperar para os preços do petróleo, ele provavelmente responderia “queda”. Havia de fato todas as razões para acreditar na baixa. A guerra comercial entre Estados Unidos e China, o risco de recessão da economia internacional e o excesso […]

Pagando as contas

Tesouro diz que União honrou R$ 633,71 milhões em dívidas de GO, MG, RJ e RN em agosto

Nos primeiros oito meses de 2019, o governo federal precisou desembolsar R$ 5,252 bilhões para honrar dívidas garantidas pela União desses quatro Estados

No Oriente Médio

Ataque pode ser considerado um ’11 de setembro’ no petróleo, diz diretor da ANP

Ao fazer a declaração via redes sociais, Décio Oddone levou em consideração o risco ao mercado de petróleo

Será que vinga?

Papéis da Cielo fecham com alta de 6%, após notícia de conversas com a rival Stone

As ações da Stone, que são negociadas na Nasdaq, também foram impactadas positivamente. Os papéis da companhia terminaram o dia cotados em US$ 33.49, com uma alta de 1,82%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements