Menu
2019-08-13T12:12:29+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
pesquisa com gestores

Cena global reduz, mas não mata otimismo com Brasil, segundo Bank of America Merrill Lynch

Guerra comercial eleva cautela dos gestores, que reduzem projeção para Ibovespa, mas visão é de que ações terão bom desempenho no ano.

13 de agosto de 2019
11:32 - atualizado às 12:12
investimento brasil
Imagem: Shutterstock

O cenário global, marcado pelo aumento das tensões comerciais e cambiais entre Estados Unidos e China, está no foco dos gestores regionais, que reduziram o otimismo com relação ao mercado brasileiro, segundo a última edição da pesquisa feita pelo Bank of America Merrill Lynch.

Para 46% dos entrevistados, o principal risco para a América Latina é a guerra comercial, maior leitura desde o início da pesquisa. O segundo maior risco de cauda é a China e commodities (27%).

Essa preocupação bateu nas avaliações sobre o Ibovespa. Agora em agosto, 59% dos gestores acreditam que o índice fecha o ano acima dos 110 mil pontos, contra 87% na sondagem anterior. E apenas 29% dos gestores pretendem elevar sua exposição ao mercado de ações, menor leitura desde agosto de 2018.

Ainda assim, o banco avalia que os gestores mantêm uma avaliação positiva com relação ao Brasil, pois a maioria acredita na retomada do grau de investimento, e 71% afirmam que o mercado de ações terá desempenho melhor que os pares (outperform) ao longo dos próximos seis meses.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Selic e dólar

Após a redução da Selic pelo Banco Central no fim julho, subiu de 23% para 44% o número de gestores que trabalham com juro abaixo de 5,5% no fim de 2019.

Para a taxa de câmbio, no entanto, a avaliação ficou um pouco menos positiva, pois caiu de 84% para 66% as previsões de dólar abaixo de R$ 3,80.

O que falta?

Assumindo a aprovação da reforma da Previdência, que agora tramita no Senado, os gestores são perguntados sobre o que falta para que eles adotem uma visão mais positiva sobre o país.

E o que falta é crescimento econômico mais forte para 56% deles, contra 37% em julho. Outros 29% querem ver progresso em outras reformas (contra 40% anteriormente). Só a reforma não basta, mas isso não é mais novidade. Aliás, todos acreditam na aprovação final com economia na casa dos R$ 900 bilhões. Previdência seria um assunto superado.

Argentina

A pesquisa foi feita antes do resultado das eleições primárias na Argentina, mas a sondagem do banco tinha captado uma postura muito otimista, já que dois de cada três gestores acreditavam em melhora na situação política do país e apenas 7% acreditavam em deterioração. Para o banco, isso ajuda a explicar a forte queda de ontem, quando a bolsa caiu quase 40% e o dólar chegou a saltar mais de 30%.

Pesquisa Global

Na sondagem com os gestores globais, o BofA Merrill Lynch captou a postura mais “otimista” (bullish) com taxa de juros desde novembro de 2008. Para 43% dos gestores as taxas de juros de curto prazo estarão menores ao longo dos próximos 12 meses.

Cabe ressalvar que que juro baixo nem sempre é boa coisa. E a visão de juro baixo decorre, justamente, da previsão de recessão à frente.

Para 34% dos gestores, uma recessão é um evento provável dentro de 12 meses, maior leitura desde outubro de 2011, enquanto 64% acham isso improvável.

A pesquisa também captou um percentual recorde de 50% dos gestores se dizendo preocupados com a alavancagem das empresas. Para 46% deles, as companhias devem usar seu fluxo de caixa para melhorar os balanços, 36% preferem que os recursos sejam destinados a investimentos e 13% esperam ver o dinheiro sendo devolvido para acionistas via dividendos ou recompra de ações.

Bolhas e alocação

A classe de ativos mais propensa a ter uma bolha de preço são os títulos corporativos, para 33% dos gestores, na sequência, com 30%, estão os títulos de governo, mercado de ações dos EUA (26%) e o ouro (8%).

Em termos de alocação regional, os emergentes lideram as preferências, mas caiu de 23% para 12% o percentual de investidores que dizem carregar posições acima da média. Postura semelhante a vista na pergunta sobre alocação em ações globais.

Apesar de 78% dos gestores afirmaram que o mercado de ações dos EUA está sobrevalorizado, esse continua sendo o mercado preferido, com 15% dos gestores propensos a ampliar a exposição ao longo dos próximos 12 meses.

Onde está o risco?

Como na pesquisa regional, a guerra comercial é o maior risco, com 51%. Na sequência, com 15%, está a preocupação com a falta de potência da política monetária em lidar com uma desaceleração global. A China e uma possível bolha no mercado de dívida corporativa aparecem com 9% cada.

A pesquisa foi feita entre os dias 2 e 8 de agosto com 244 gestores responsáveis por US$ 553 bilhões. Na pesquisa global foram 171 participantes, com US$ 455 bilhões, e 115 responderam as pesquisas regionais, com US$ 211 bilhões sob gestão.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

analisando a conjuntura

Recuperação esperada da economia global não aconteceu, diz presidente do Banco da Inglaterra

Mark Carney falou logo depois que o presidente Trump anunciou que estava endurecendo as tarifas sobre as importações chinesas

vem mais mudanças por aí?

Equipe econômica estuda atrelar remuneração da poupança à inflação

Após criar crédito imobiliário corrigido pelo IPCA, governo quer dissociar a rentabilidade da caderneta da Selic, para que a poupança acompanhe os indicadores usados nos empréstimos para a compra da casa própria

bombou na semana

MAIS LIDAS: Loucura, loucura, loucura!

De todos os programas criados pelos governos petistas, um dos mais polêmicos sem dúvida é o Bolsa Empresário, como ficou conhecida a política de financiamentos do BNDES a grandes empresas com juros bem camaradas. A estimativa é que os subsídios, ou seja, os recursos públicos usados para tornar esses empréstimos mais baratos, superaram os de […]

dinheiro na conta

Zuckerberg vende US$ 296 milhões em ações do Facebook em um mês

Desde abril, o CEO do Facebook não disponibilizava os papéis que detinha ao mercado; no ano, o bilionário vendeu 2,9 milhões de ações

olhos lá na frente

SulAmérica vende operações à Allianz por R$ 3 bi e ganha fôlego para crescer

Investimento é o maior já feito pela seguradora no Brasil e a coloca no patamar mais alto do que já teve

acusação de jornal

Amazon vende milhares de produtos irregulares nos EUA

Wall Street Journal diz que identificou na loja online brinquedos e medicamentos que eram vendidos sem os devidos avisos sobre os riscos de saúde a crianças

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements