Menu
2019-07-03T17:15:51+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Taxa de administração

Caros demais! Fundos de renda fixa para pequeno investidor perdem da poupança e da inflação

Em cenário de juros baixos, taxas de administração altas comem boa parte da rentabilidade, sobretudo dos fundos que aceitam aplicações iniciais pequenas

3 de julho de 2019
14:33 - atualizado às 17:15
Casal olha assustado para conta alta
Em tempos de juros baixos, taxas de administração altas ficaram insustentáveis. Imagem: Shutterstock

Quanto mais a taxa básica de juros (Selic) cai, mais evidentes ficam as altas taxas cobradas pelos fundos de renda fixa no Brasil. E o custo maior recai justamente nas costas do pequeno investidor.

Um levantamento da fintech de investimentos Magnetis mostrou que os fundos de renda fixa com valores iniciais de investimento mais baixos cobram taxas de administração tão altas que seu retorno vem perdendo da poupança e da inflação.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A análise foi feita com base nos dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) do histórico de fundos de investimento no país.

Foram analisadas as taxas médias de administração dos fundos de renda fixa dos segmentos varejo e varejo alta renda de 2015 a 2019, além do retorno real (rendimento após descontada a inflação) dos últimos 12 meses. Todos os tipos de fundos de renda fixa foram incluídos na amostra, mesmo os de crédito privado e atrelados a índices.

O estudo mostra que, quanto menor o valor de aporte mínimo inicial, maior a taxa de administração cobrada e, consequentemente, menor a rentabilidade.

Pequeno investidor paga a conta

Os pequenos investidores são os que mais sofrem. Nos fundos com valor de investimento mínimo inicial até R$ 1 mil, a taxa de administração média cobrada é de 2,42% ao ano.

Um absurdo num cenário de Selic a 6,50%, ainda mais considerando que mais da metade dos fundos analisados na pesquisa são passivos e ultraconservadores, investindo apenas em ativos atrelados à Selic e ao CDI e não demandando um grande trabalho de gestão.

Com isso, esses fundos tiveram um retorno médio de 62% do CDI nos 12 meses encerrados em maio, num cenário em que a poupança vem rendendo 70% da Selic. Lembrando que o CDI é uma taxa de juros que tende a andar colada na taxa básica.

Mas não foi só da caderneta de poupança que eles perderam. Na prática, o retorno médio de 62% do CDI no período resultou em um retorno real negativo de 0,71%, isto é, esses fundos perderam até para a inflação - coisa que não deve acontecer de jeito nenhum com os seus investimentos mais conservadores, voltados justamente para reserva de emergência e preservação de capital.

Quem tem mais grana não se sai muito melhor

Fundos voltados para investidores com mais bala na agulha cobraram taxas mais baixas e tiveram retornos um pouco melhores, mas ainda assim longe do ideal.

Os fundos com aporte inicial mínimo entre R$ 1 mil e R$ 25 mil têm uma taxa de administração média de 1,03%, resultando num retorno de 84% do CDI nos últimos 12 meses. O retorno real foi positivo, mas baixinho: 0,69%.

Já os fundos com aporte inicial mínimo entre R$ 25 mil e R$ 100 mil cobram, em média, 0,90% ao ano e retornaram, nos últimos 12 meses, 86% do CDI, ou 0,82% acima da inflação.

Só os investidores mais abastados é que vêm obtendo ganhos mais aceitáveis, digamos, nos fundos de renda fixa.

Fundos que aceitam aportes iniciais mínimos de R$ 100 mil ou mais cobram, em média, 0,53% ao ano de taxa de administração, tendo retornado 92% do CDI nos últimos 12 meses, ou 1,18% acima da inflação.

Retorno em 12 meses dos fundos de renda fixa - pesquisa Magnetis taxas de administração

Com juros baixos, fugir dos custos altos é fundamental

Comparando a rentabilidade média dos fundos de renda fixa hoje com o cenário no final de 2015, quando a Selic estava em 14,25% ao ano, a perda de rentabilidade foi significativa, mesmo para quem investe mais.

Segundo o levantamento, a rentabilidade média para quem investia mil reais era de 79% do CDI no fim de 2015, sendo que hoje é de 62% do CDI. Já para quem investe acima de R$ 100 mil, o retorno caiu de 96% do CDI para 92% do CDI.

Os resultados do levantamento evidenciam a importância de fugir dos altos custos na renda fixa, especialmente a mais conservadora. Não é possível prever exatamente para onde vão os juros, nem a rentabilidade dos investimentos, mas podemos dispensar atenção especial aos custos, e cortá-los o máximo possível.

Hoje em dia, investidores de todos os portes conseguem aplicações de renda fixa mais rentáveis e com nível de risco similar à poupança, aos fundos e aos títulos dos grandes bancos. A chave está justamente e buscar aplicações com custos mais baixos.

Já existem por aí, por exemplo, fundos de renda fixa conservadora bem mais baratos e rentáveis que os fundos dos bancões, aceitando aportes iniciais mínimos da ordem das centenas de reais, acessíveis a literalmente qualquer investidor.

Em geral, esses fundos são oferecidos nas plataformas de investimento das corretoras e distribuidoras de valores, e são ideais para a reserva de emergência.

Afinal, é importante frisar que os dados da Anbima incluem todos os fundos do mercado destinados às pessoas físicas. Como a taxa de administração média é ponderada pelo patrimônio dos fundos, os fundos caros dos grandes bancos, onde se concentram a maior parte dos investidores e dois recursos, acabam puxando a média para cima.

Marcelo Romero, diretor de investimentos da Magnetis, acredita que é uma questão de tempo até que os bancões se adaptem à nova realidade de juros, pois cobrar taxas tão altas vai se tornar insustentável.

“Há uma tendência natural de que, em algum momento, os bancos reduzam suas taxas, como aconteceu na previdência privada. Não há como sustentar um custo que é tão alto em relação ao retorno, principalmente se a Selic cair mais”, diz.

Entre os fundos de renda fixa conservadora baratos que podemos encontrar fora dos bancões, destacam-se aqueles que investem apenas em títulos públicos atrelados à Selic, a aplicação mais conservadora da nossa economia, garantida pelo governo. Esses fundos têm retorno próximo a 100% do CDI e não cobram taxa alguma. Atualmente, o BTG Pactual Digital, a corretora Pi e a plataforma de investimentos Órama dispõem de fundos desse tipo.

Existem ainda fundos que investem em títulos públicos e alguma coisa de crédito privado de primeira linha, cobrando taxas de administração de até 0,3% ao ano.

Fora do universo dos fundos, o pequeno investidor tem ainda a opção da NuConta - conta de pagamentos do Nubank que investe todo o saldo automaticamente em títulos públicos e rende 100% do CDI, sem a cobrança de taxas - e do investimento no Tesouro Direto, cuja taxa de custódia obrigatória é de apenas 0,25% ao ano.

Quem quiser receber 100% do CDI sem taxas também tem a opção dos CDB dos bancos médios que têm liquidez diária para essa remuneração. Nesse caso, porém, há o risco da instituição financeira, mas também há a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), a mesma garantia da caderneta de poupança.

Todas essas opções têm o potencial de render mais que a poupança, a inflação e os fundos caros, mesmo com cobrança de imposto de renda sobre os rendimentos.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Reviravolta na trama

Após uma temporada no mundo invertido, a Netflix voltou a brilhar no terceiro trimestre

A Netflix reportou um crescimento surpreendente no lucro líquido e uma recuperação no total de novos assinantes pagos — resultados que agradaram o mercado

Voos mais altos

Azul vai expandir rotas internacionais, mas não anuncia agora por causa do dólar

O executivo frisou, porém, que o foco da Azul está no mercado doméstico – a intenção é “elevar” o nível do Brasil em termos de conectividade aérea

De olho no crédito

BC lança nova página sobre informações do mercado imobiliário

O Banco Central explica que a nova publicação é resultado da compilação de informações recebidas pelo Banco Central através do Sistema de Informações de Créditos (SCR), Sistema de Informações Contábeis (Cosif), Direcionamento dos Depósitos de Poupança (RCO) e dados das entidades de depósito e registro de ativos

Colocando os pingos nos "is"

Não houve pressão para capitalizar companhia, diz presidente da Eletrobras

Ele defendeu que, se o governo efetivamente quisesse os recursos da Eletrobras, seria mais fácil realizar diretamente a capitalização dos cerca de R$ 4 bilhões de Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital (AFACs) e com esse recurso pagar os dividendos, alternativa em que a União receberia um volume maior de recursos

Juros

Selic abaixo de 4%? Itaú Asset acredita em 3,75% em 2020

Descontando a inflação esperada dessa projeção para a Selic, temos juro real próximo de zero. Na verdade, um toquinho de 0,14% ao ano

Vai que vai

É hora delas? Bradesco BBI aposta alto nos números de Unidas e Movida

No setor de locação, todos os três papéis (Localiza, Unidas e Movida) estão com recomendações de compra pela casa, mas a Localiza não está na lista das preferidas do analista Victor Mizusaki

Siga o dinheiro

Fuga de dólares bate US$ 40 bilhões em 12 meses. Surpreso? Não deveria…

Saída de recursos é a maior desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999. Desde abril, o BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio

Boas novas

Juro baixo faz BlackRock ampliar aposta no Brasil

A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham por aqui

dinheiro no bolso

36,9 milhões de correntistas da Caixa já sacaram recurso do FGTS

Saque de até R$ 500 por conta ativa ou inativa do fundo tem sido feito de forma escalonada, dependendo da data de aniversário de trabalhador

novas funções

Relator de MP que permite saque do FGTS vai ampliar forma de aplicação do fundo

Hoje, a lei só permite que o dinheiro seja usado para financiar moradias, saneamento e infraestrutura

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements