Menu
2019-04-25T17:30:24+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Botando gás no banco

Caixa traça plano para retomar liderança do crédito imobiliário e fala em desafios sobre funding

Instituição, que desembolsou cerca de R$ 13,3 bilhões em crédito imobiliário no ano passado, perdeu o topo do ranking de concessão para o Bradesco

16 de abril de 2019
14:20 - atualizado às 17:30
Caixa Econômica Federal
No ano passado a Caixa teve de desacelerar a concessão de recursos por questões de capital - Imagem: Itaci Batista/Estadão Conteúdo

A Caixa Econômica Federal pode voltar à liderança nos desembolsos de crédito imobiliário com recursos da poupança, o chamado SBPE, a partir do reforço da atuação do banco neste segmento em 2019.

No ano passado, a instituição, que originou cerca de R$ 13,3 bilhões, perdeu o topo do ranking depois de anos nesta posição para o Bradesco, que somou R$ 15,1 bilhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Entre janeiro e fevereiro, o banco público, com R$ 2,490 bilhões em recursos no crédito imobiliário com funding da poupança, ainda segue atrás do concorrente privado, que acumula R$ 2,599 bilhões, conforme dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

"A tendência natural é retomarmos a liderança. Temos 69% de share no mercado de crédito imobiliário. Então, acaba sendo meio natural", disse o vice-presidente de Habitação da Caixa, Jair Luis Mahl, a jornalistas, após participar do Summit Imobiliário Brasil 2019, promovido pelo jornal O Estado de S. Paulo, em parceria com o Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP).

O executivo lembrou que no ano passado a Caixa teve de desacelerar a concessão de recursos por questões de capital, mas que este ano o foco é reforçar o crédito nas linhas de SBPE. Ponderou, contudo, que a volta da liderança da instituição na modalidade tende a vir com o tempo e não imediatamente nos rankings mensais e trimestrais do setor.

Sobre o crescimento da carteira de crédito imobiliário do banco público neste ano, Mahl disse que não poderia dar guidances.

No ano passado, a Caixa entregou crescimento de 3,0% no estoque de empréstimos para o setor da habitação ante 2017, totalizando R$ 444,657 bilhões.

Um desafio chamado funding

Mahl também comentou que o funding para o setor imobiliário é um desafio e que tem de ser trabalhado pelo setor.

"Operamos o Minha Casa Minha Vida. Temos mandado para isso como banco público, mas temos de verificar a questão do funding. Temos de ter muita atenção sobre como continuaremos a usar de forma inteligente o FGTS", enfatizou o executivo.

Apesar da questão do funding no setor imobiliário, o vice-presidente da Caixa disse que os fundamentos do setor de crédito imobiliário são sólidos e que 2019 será um ano de expansão como já sinalizam os números do segmento.

Imóveis retomados

Sobre o volume elevado de imóveis retomados nas mãos da Caixa, o vice-presidente do banco público disse que há uma "preocupação imensa" e que a instituição está atenta a isso. "Temos 64 mil imóveis retomados, que nos torna a maior imobiliária do planeta", comparou.

De acordo com Mahl, a Caixa conversa com entidades do setor e construtoras de médio e grande porte em busca de soluções em conjunto que possam desonerar o balanço do banco e retornar os imóveis retomados para as pessoas.

O diretor do Santander, Gustavo Viviani, disse que o banco também olha o assunto dos imóveis retomados com atenção. Sobre suas expectativas para 2019, afirmou que está otimista. "A produção e concessão de crédito estão muito fortes neste ano. Estamos no mercado fomentando a incorporação e o financiamento às pessoas físicas, mas dá para fazer muito mais", concluiu ele.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

De olho na Previdência

Onyx: “relatório da reforma vai permitir país incluir palavrinha previsibilidade”

“O Brasil estará equilibrado pelos próximos 10 anos ou 15 anos”, acrescentou Lorenzoni, apesar de Guedes ter dito na semana passada que, com o texto de Moreira, o próximo governo já teria de fazer outra reforma

perdido com os centavos?

Novo cofrinho de poupança? Neon anuncia função de investimento de trocados em CDB

Função que começa a ser implantada neste mês permitirá que usuários destinem parte de pagamentos no débito para aplicações automáticas em CDB

Mais magrinha

Petrobras negocia venda de participações em áreas onde descobriu gás em SE

Como o foco do seu plano de negócios atualmente é o pré-sal, localizado na região Sudeste do País, o investimento em outras áreas, como em Sergipe, está atrelado à adoção de soluções financeiras que não comprometam o orçamento da companhia e também não gerem mais dívida

EUA x China

Qual o custo da guerra comercial? Para a Huawei, serão US$ 30 bilhões a menos em receita

O presidente da Huawei, Ren Zhengfei, passou estimativas quanto aos impactos que a guerra comercial trará para a empresa. E tanto a receita quanto as vendas internacionais de smartphones serão fortemente afetadas

Grave crise

Odebrecht pode fazer pedido de recuperação judicial nesta segunda-feira

Com dívida de R$ 80 bilhões e com execuções em curso, a empresa está sem alternativas para resolver seu problema de liquidez financeira

em busca da previdência perfeita

Guedes quer ajustar relatório da reforma

Ministro vai buscar negociar ajustes no relatório da reforma da Previdência com o relator da proposta, deputado Samuel Moreira; o relator e o secretário Especial de Previdência, Rogerio Marinho, já conversaram informalmente neste fim de semana

Boas novas!

Nubank levanta R$ 375 milhões para financiar expansão e emplaca captação inédita

A fintech estreou a nova modalidade com uma oferta de R$ 75 milhões e que atraiu cinco investidores institucionais. Na mesma operação, o Nubank captou outros R$ 300 milhões via letras financeiras sênior

em busca do primeiro bilhão

Como Rihanna se tornou a artista feminina da música mais rica do mundo

Cantora pop acumulou uma fortuna de US$ 600 milhões, mas para isso ela teve de investir mais do que em música

segue o jogo

Caso Levy não atinge a Câmara, diz Rodrigo Maia

Maia fez o comentário em entrevista à emissora BandNews ao ser questionado sobre o pedido de demissão do agora ex-presidente do BNDES Joaquim Levy

Cortar ou não cortar?

Ex-diretores do BC se dividem sobre juros

Os que defendem ao menos um aceno ao corte no comunicado dão ênfase à avaliação da modelagem que considera a longa permanência da taxa de desemprego elevada e a ociosidade da economia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements