Menu
2019-10-14T14:21:42+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

Ativos preparam-se para encerrar semana no azul

Confusão sobre fala de presidente do Fed de NY pode induzir a ajustes

19 de julho de 2019
6:58 - atualizado às 14:21
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros globais preparam-se para encerrar a semana no azul em meio a crescentes sinais de que o Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, iniciará em breve sua primeira rodada de afrouxamento monetário em uma década.

Por aqui, no entanto, os contratos de câmbio e de juros futuros da dívida talvez passem por algum ajuste no início de sessão de hoje depois de terem acentuado a queda no fim da tarde de ontem com base em declarações do presidente do Fed regional de Nova York, John Williams.

Em discurso feito durante evento da Associação de Pesquisa do Banco Central, Williams declarou que “é melhor adotar medidas preventivas do que esperar que um desastre aconteça”. E arrematou dizendo que banqueiros centrais precisam “agir rápido” quando a economia desacelera.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A menos de duas semanas da próxima reunião de política monetária do Fed e em meio a expectativas de que o alívio monetário é iminente, Wall Street interpretou a fala como prenúncio de uma ação agressiva da autoridade monetária sobre os juros e pôs abaixo os yields dos Treasuries, afetando por tabela ativos como o dólar e os contratos de DI. Até o Ibovespa tirou uma casquinha e acentuou a alta na reta final de um dia sem muito que justificasse o movimento.

Não é bem assim

Quando a situação estava posta, a direção do Fed de Nova York viu por bem ponderar sobre o assunto. De acordo com a autoridade monetária regional, o discurso de Williams teria sido interpretado fora de seu contexto. A saber, este seria uma explanação acadêmica sobre a atuação de banqueiros centrais.

Procurado pela CNBC, um porta-voz esclareceu: “tratava-se de uma fala acadêmica sobre 20 anos de pesquisas, e não de potenciais ações de política monetária na próxima reunião do comitê de política monetária do Fed”.

Ainda que alguma correção seja esperada no início da sessão, o início de uma ação de política monetária pelo Fed já em 31 de julho segue precificado, sendo que agentes dos mercados financeiros preveem pelo menos dois cortes na taxa de referência norte-americana até o fim do ano.

O otimismo em relação ao tema levou os principais índices de ações a fecharem em altas vigorosas na Ásia. As bolsas de valores europeias também abriram no azul e os índices futuros de Nova York sinalizam alta.

Carta branca para bagunçar?

Por aqui, o governo Jair Bolsonaro parece agir como se tivesse carta branca para bagunçar à vontade. Na quarta-feira, o governo criou a expectativa do iminente lançamento de medidas para reacender a economia no curto prazo. Todo mundo ficou atento, claro, ainda mais com o recesso parlamentar esvaziando o noticiário.

Chegou até a ser feito o anúncio de que seria feito um anúncio sobre a possível liberação dos saques de contas ativas do FGTS em um evento marcado para a tarde de ontem em Brasília. As ações de empresas varejistas subiam enquanto companhias do setor de construção amargavam perdas.

Até que o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, veio a público informar que não seria mais feito anúncio nenhum, adiando a revelação das medidas para algum momento da semana que vem, talvez quarta ou quinta-feira. Consta que o adiamento ocorreu em meio à pressão de empresas do setor de construção, uma vez que são os recursos do FGTS que irrigam grande parte das obras de moradia no país.

Com o adiamento, o governo ganha tempo para estudar a implementação de algo que não se limite a movimentar o varejo no curto prazo, provocando pouco mais do que um efeito marginal no PIB, e pensar em alguma forma de não abalar ainda mais um setor altamente impactado pela atual crise, como é o caso das empresas de construção.

Desta forma, o evento de ontem limitou-se a uma espécie de festa de 200 dias de governo, apesar de motivos questionáveis para comemorar. Quem parou para acompanhar o discurso de Bolsonaro acabou ouvindo suas justificativas para cancelar um concurso para acadêmicos transexuais e para indicar o próprio filho embaixador nos Estados Unidos. Nem Bruna Surfistinha escapou do repertório presidencial.

Assuntos como reforma da previdência, ações de combate ao desemprego ou até mesmo ideias para recuperar a economia ficaram de fora. Também foram notadas ausências ilustres com as do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e do ministro da Justiça, Sérgio Moro, sumido dos holofotes em meio às revelações sobre condutas pra lá de duvidosas do ex-juiz feitas pelo site The Intercept Brasil nas últimas semanas.

Enquanto isso, o governo calcula que, da maneira como passou em primeiro turno na Câmara, a reforma da previdência economizaria R$ 933,5 bilhões em dez anos. O cálculo é bem mais otimista do que o de observadores independentes, que gira entre R$ 700 bilhões e R$ 750 bilhões.

Seja como for, a reforma da previdência ainda tem que passar em segundo turno na Câmara antes de seguir para o Senado e muitas mudanças ainda podem acontecer no processo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Adiós, hermanos

Petrobras deixa de negociar ações na bolsa de valores da Argentina

Companhia informou que os investidores argentinos que tenham ações da Petrobras poderão mantê-las na Caja de Valores ou vendê-las em mercados estrangeiros

um taxa a menos

Governo acaba com seguro obrigatório DPVAT

Medida foi assinada por Jair Bolsonaro e passa a valer já em 2020

Ponto polêmico

Excluído da MP da liberdade econômica, trabalho aos domingos volta

MP inclui a possibilidade na CLT, com a ressalva de que para os estabelecimentos do comércio deverá ser observada a legislação local

Desacelerou

Ministros de comércio dos Brics observam perda de impulso na economia mundial

Autoridades dizem concordar que a “liberalização do comércio é um elemento essencial para liberar o potencial de crescimento econômico

Seu Dinheiro na sua noite

Onde Bolsonaro encontra Dilma

Albert Einstein já dizia que é loucura repetir a mesma coisa esperando obter resultados diferentes. Pois o governo aposta em uma fórmula que já se mostrou equivocada no passado recente para tentar resolver um problema crônico do país: o desemprego. A desoneração da folha de pagamento, medida que foi adotada no governo Dilma, é um […]

Onda tecnológica

Fintechs de crédito são ‘sucesso absoluto’, diz diretor do BC

Autoridade monetária já concedeu licenças a dez SCD e quatro Sociedades de Crédito Entre Pessoas (SEP)

Programa Verde Amarelo

Bolsonaro assina medida que reduz custo para contratação de jovens

Programa atenderá jovens entre 18 e 29 anos que ainda não tiveram seu primeiro emprego. Custo da mão de obra cai entre 30% e 34% para as empresas que aderirem

Valeu, foi bom, adeus

Bolsonaro deve anunciar amanhã saída do PSL em reunião com deputados aliados

Segundo deputados do PSL, o presidente deve se manter, por enquanto, independente, até encontrar um novo partido

Esfarelando

Biscoito murcho: ações da M. Dias Branco caem após (mais um) trimestre ruim

A M. Dias Branco encerrou o terceiro trimestre com um lucro líquido de R$ 134,5 milhões, cifra 42,6% menor na base anual. Esse dado, somado a outras informações preocupantes do balanço, trouxe preocupação ao mercado

Mudanças no radar

Petrobras conquista mais prazo com ANP para vender campos em terra

Novos prazos da estatal agora são dezembro, para a maioria dos campos, e junho de 2020 para ‘uma pequena quantidade’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements